Pular para o conteúdo principal

Obrigações fiscais: basta uma!

Já escrevi, mais de uma vez, em diversas mídias sobre as obrigações acessórias nas empresas. Esta tal rotina fiscal e contábil que assoberba e encarece o backoffice das companhias.

Seria suficiente se houvesse apenas uma obrigação para cada tributo. Dessa forma, o custo de conformidade estaria elevado, contudo seria justificável.

Atualmente, os estados brasileiros têm a obrigação legal de fazer cumprir o que chamamos de obrigação principal, a qual seja, emissão de documento fiscal para registrar as operações. Ocorre que as autoridades tributárias também estabeleceram várias outras obrigações acessórias.

Aí chegamos ao ponto que quero abordar: o custo de conformidade. O trabalho executado para gerar e emitir uma nota fiscal adequada à operação, ainda que complexo, é aceitável. Muito pior é que esta operação tenha nota fiscal (geralmente eletrônica), registro contábil (também necessário), registro em livros digital (ICMS/IPI), se mercantil, registro nas contribuições sociais (EFD contribuição do PIS/COFINS e previdenciária) e ainda nas obrigações especificas de cada Unidade Federativa.

As tais peças chamadas de GIAS, Guia de Informação e Apuração, poderão ter também outras denominações. Estas obrigações acessórias exigem, em “triplicidade”: o que já está na maioria dos documentos fiscais eletrônicos (1) e nos livros de apuração de tributos (EFD ICMS/IPI - 2) precisa redunda na GIA (3).

Pense bem, ao vender um picolé, fica a cargo do contribuinte a emissão da NFC-e, o registro na EFD ICMS/IPI, também na EFD Contribuições e ainda por cima na GIA do estado.

Isso tem vários outros impactos, não os só o retrabalho. Se o preço de venda do picolé, por hipótese, foi de cinco reais, quanto restará para o varejista após tantas escriturações, tributações e gastos com a burocracia?!

Tenho total consciência que alterar esta verdadeira “parafernália” estatal não é tarefa fácil ou rápida. Poderia gerar mais riscos ainda aos empreendedores – por conta da adaptação às alterações -  e ser a gota que faltava para a estagnação econômica.

Não penso em soluções radicais, mas em simplificação pelo próprio desuso. As escriturações de ICMS foram estabelecidas há pelo menos seis anos (2009-2015). Logo, já houve tempo suficiente para adequação das  “máquinas públicas”. Será que é tão inovador passar a utilizar as informações do SPED ao invés de exigir a informação em triplicidade?!

O que falta é coragem para enfrentar os corporativistas dentro das repartições estatais para que usem o que já está disponível e deixe mais leve a operação de backoffice dos contribuintes. Eu irei trazer, mais uma vez, esta demanda no Fórum SPED Porto Alegre 2015, aproveitando a presença dos entes estatais presentes (federais, estaduais e municipais). Podem contar que dia 15 de abril, no teatro do CIEE, em Porto Alegre haverá muitas palmas (ecoadas a muitos quilômetros de distâncias) pela proposição do fim das GIAS.

Quando o custo de conformidade está acima da margem de lucro, haverá duas alternativas ao empreendedor: encerramento das atividades ou realização paralela ao poder constituído.

Qualquer uma dessas hipóteses é o pior cenário para a economia do país. Sobre carga tributária deixo aos nobres economistas e tributaristas, que possuem melhores condições de análise do que a minha, que tecam suas teorias e proposições de melhoria do cenário empresarial brasileiro. 

Mauro Negruni

Mauro Negruni trabalha há mais de 20 anos com projetos fiscais e contábeis em grandes empresas. É sócio-fundador e Diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT.

Fonte: baguete

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…