Pular para o conteúdo principal

Novo MBA em Administração & Contabilidade Pública do IPOG



O setor público brasileiro tem uma dimensão do seu tamanho territorial. Se não bastasse isso, ainda precisamos conviver com regras próprias e exclusivas do setor. Esses dois fatores tornam a contabilidade pública essencial para qualquer profissional que exerça a função de contador ou gestor público seja na área federal, estadual ou municipal além dos gestores de entidades privadas, com ou sem fins lucrativos, que atuam em parcerias com o setor público.

As aulas serão ministradas por instrutores de renome, com expertise em gestão pública. Com foco na prática, as aulas são construídas em cima de estudos de caso e resolução de questões reais. O aluno aprimorará habilidades em análise e planejamento de políticas públicas, gerenciamento de projetos, gestão orçamentária e finanças públicas, contratos e convênios, carreiras públicas e gestão de pessoas, contabilidade e auditoria pública.

Objetivos:

O MBA em Contabilidade Pública visa instrumentalizar o aluno nas seguintes competências:
Elaboração e identificação de projetos e processos institucionais.
Atuação na implementação e consolidação de políticas e projetos aplicados ao setor público.
Entendimento teórico e prático da aplicabilidade das normas brasileiras e internacionais de contabilidade no âmbito do setor público brasileiro (NBCASP e IPSAS).
Atuação em gestão e auditoria de aplicação de recursos públicos inclusive via contratos e convênios.




Diferenciais do Curso:

Professores de referências nacionais em suas disciplinas;
Temática profissional de alta aplicabilidade prática;
Formação curricular multidisciplinar inédita;
Foco na prática, as aulas são construídas em cima de estudos de caso e resolução de questões reais;
Aulas presenciais que ocorrem em apenas um fim de semana por mês




Carga Horária:

Carga horária do curso é de 480h/a, dividida em 20 módulos cada módulo ministrado uma vez por mês durante um final de semana.

Sexta-feira – 18:00h as 23:00h.
Sábado – 08:00h as 19:00h.
Domingo – 08:00h as 13:00h.


Grade Curricular:

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO

GESTÃO DO TEMPO E FERRAMENTAS DE PRODUTIVIDADE

DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO

CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PUBLICAS

ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SETOR PÚBLICO

CUSTOS NO SETOR PÚBLICO

CONTRATOS DE CONCESSÃO E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

AUDITORIA E CONTROLE INTERNO

ELABORAÇÃO DE PROJETOS GOVERNAMENTAIS

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO I

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO II

LICITAÇÕES, CONTRATOS E CONVÊNIOS

RETENÇOES PERTINENTES AO SETOR PÚBLICO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

A ETICA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO PÚBLICA

GESTÃO PÚBLICA - ANÁLISE E NORMATIZAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PÚBLICO

O SISTEMA DE PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NO SETOR PÚBLICO (ESOCIAL E OUTROS)

RESTAÇÃO DE CONTAS (ACCOUNTABILITY) E CONTROLE EXTERNO (TCU/TCE e MP),



Conheça o Instituto de Pós Graduação - IPOG
 www.ipog.edu.br


Coordenadores:

EDGAR MADRUGA
Administrador de Empresas e Auditor. Pós Graduado em Informática Pericial. Professor e Palestrante especialista em Empreendedorismo Tributário e Inovação Fiscal. Coordenador do MBA em Contabilidade e Direito Tributário e do MBA em Administração e Contabilidade Pública, ambos do IPOG. Co-autor dos livros SPED e Sistemas de Informação e Contabilidade e Gestão de Tributos  todos da editora Revista dos Tribunais / Fiscosoft

DIOGO DUARTE BARBOSA
É especialista em contabilidade pública e responsabilidade fiscal e graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.
Autor da obra Manual de Controle Patrimonial nas Entidades Públicas, editora Gestão Pública, e co-autor do livro NBCASP – Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público sob a ótica das IPSAS: um estudo comparativo, publicado pelo Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Também é um dos revisores do livro Processo Licitatório e a Lei Complementar n.º 123-2006 - Microempresa e Empresa de Pequeno Porte: Teoria e Prática.
Como consultor e instrutor em nível nacional, capacita milhares alunos por ano. É Sócio-Diretor da CASP Online (www.casponline.com.br) e professor em disciplinas de pós-graduação em contabilidade aplicada ao setor público.
Integra a Comissão de Estudos de Contabilidade Aplicada ao Setor Público do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul - CRC-RS.

MILTON MENDES BOTELHO
Pós-graduado em Direito Público pela Faculdade de Direito Vale do Rio Doce - FADIVALE e em Administração Pública Municipal pela Faculdade de Ciências Humanas de Pedro Leopoldo/ MG; bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Vale do Rio Doce - UNIVALE e em Direito pela Faculdade de Direito Vale do Rio Doce - FADIVALE. Contador, auditor, professor universitário, palestrante, consultor e assessor especializado em Administração e Contabilidade Pública. Delegado CRCMG, Membro da Comissão de Contabilidade Pública do Conselho Federal de Contabilidade. Ministra cursos e palestras para gestores públicos nas áreas de Licitações, Controle Interno e Contabilidade Pública. Atua na área pública desde 1986.
Autor dos livros: “Manual de Controle Interno – Teoria & Prática – 2003” e “Manual Prático de Controle Interno na Administração Pública Municipal” – 2006, dentre outros.

CRISTINA AMÉLIA FONTES LANGONI
Educadora por vocação e por opção. Graduada em Ciências Contábeis pela Faculdade de Ciências Contábeis e Adm. de Cachoeiro de Itapemirim - FACCACI (1992), Especialista em Administração Contábil e Financeira pela FACCACI (1999) e Mestre em Economia Empresarial pela Universidade Cândido Mendes/RJ (2010). Atualmente atua em cursos de Pós-graduação no IPOG - Instituto de Pós-graduação de Goiânia, FUCAPE Business School, na UVV - Universidade de Vila Velha, na Faculdade de Ciências Contábeis e Adm. de Cachoeiro de Itapemirim. Presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Espírito Santo gestão 2012-2013 e atual Vice-presidente de Desenvolvimento Profissional, com experiência na área de Ciências Contábeis e Finanças Empresariais, com atuação, também, em consultoria e treinamento envolvendo Gestão de Custos, Planejamento Financeiro, Auditoria e Perícia Contábil, entre outras.

MAURO FERNANDO GALLO
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo (1975), mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica pelo Centro Universitário Álvares Penteado (2002) e doutorado em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é sócio da Gallo Planejamento Ltda. e professor pesquisador do Mestrado de Ciências Contábeis da Fundação Escola de Comércio Alvares Penteado. Foi suplente do Conselho Municipal de Contribuintes da Prefeitura Municipal de Bauru. Tem experiência nas áreas de Administração, Economia e Ciências Contábeis, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão e Planejamento Tributário, Contabilidade Tributária e Economia do Setor Público.

FABIO RODRIGUES DE OLIVEIRA
Diretor de Projetos da Systax; Advogado; Contabilista; Mestre em Ciências Contábeis; Coautor de diversos livros em matéria tributária; Consultor de Imposto de Renda, CSLL, PIS, COFINS, Direito Societário e Contabilidade; Pesquisador, palestrante e professor em cursos de pós graduação.


Maiores Informações:  mba-adm-e-contabilidade-publica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…