Pular para o conteúdo principal

O empreendedorismo precisa de pessoas com mentes inquietas

Empreendedor tem que se preparar e estudar para conseguir inovar em um negócio

A empresa pode transformar problemas em inovação (Foto: Divulgação)


Quando adolescente, as pessoas mais sabidas que eu conhecia haviam passado em concurso público. Era algo admirável ser funcionário do Banco Central, procurador da república, juiz federal. Os meus amigos mais brilhantes passaram muito cedo nesses concursos. Alguns abandonaram, outros continuam fazendo um excelente trabalho.

Para minha felicidade e para o bem do país, o que vejo hoje são mentes inquietas e determinadas a empreender. Elas e Eles querem resolver os problemas do país, do mundo, de uma área específica, de uma profissão. É como olhar para algo que vem sendo feito da mesma maneira com um olhar diferente e se perguntar... porque não tentar de outra forma?

Esse é também o lado romantizado do empreendedorismo, uma vez que nem todos querem ser disruptivos e sim donos do seu nariz e das suas prioridades. E nem só de startups, empresas de tecnologia vive o empreendedorismo brasileiro. Aliás, este é um nicho, sempre bom ressaltar, que está apenas começando. Muita coisa já aconteceu, mas muita coisa precisa acontecer para termos um ecossistema maduro.

Mas de verdade, isso é infraestrutura que o país precisa fornecer, não é o mais importante. O que é fundamental é manter o jovem sonhando com a possibilidade de ser famoso, rico, especial e, o mais factível, ter uma experiência formidável e conhecer pessoas interessantes. É uma jornada que precisa de bons enredos para atrair mais e mais aventureiros.

No entanto, a maioria dos empreendedores querem apoio para montar seu pequeno negócio, sua franquia, sua loja virtual. Os quatro dias que passamos na Feira do Empreendedor, comandando um dos maiores estantes do evento, senão o maior, foram elucidativos, até para quem trabalha com empreendedorismo há mais de dez anos.

Eram milhares de pessoas ansiando por esclarecimento. Como dona de estande que estava dando brinde, confesso que alguns estavam ali ouvindo palestra de nuvem para ganhar um squeeze do Windows. A melhor resposta que ouvi na minha vida sobre tecnologia veio de um desses errantes. O que é o Bing, perguntei. A resposta pronta: acho que é o irmão do Google, não? Eu ri. Ganhou camisa e caneca, lógico.

Mas isso é folclore. O que me surpreendeu foi o nível de perguntas sobre serviços de computação em nuvem. Essas pessoas querem saber como fazer backup, qual o custo, como otimizar os serviços em várias plataformas. Estamos falando de pequenos, micro, nano empreendedores interessados em tecnologia.

Por outro lado, todos os serviços oferecidos com humor pelo Sebrae me deixaram animadas. Tinha plantão para regularizar a empresa, abrir CNPJ, pequenas consultorias etc. O Sebrae acertou muito ao transformar a feira em um evento anual. Mais de 100 mil pessoas. Algumas pessoas criticam por dizer que os serviços oferecidos são genéricos. Mas há uma base entre todos os negócios, digitais ou não, que continuam ditando a regra: fluxo de caixa, gerenciamento de pessoas, logística, pesquisa de mercado, entre outros. 

Sem isso, até o mais aclamado dos startupeiros, aquele que acha que a vida vai ser fácil só porque vive nas páginas de revistas, entrará para a lista dos fracassos. Empreendedor que se preze tem que se preparar, estudar, se atualizar como os funcionários públicos fizeram/fazem para passar em concurso. Viva o país dos empreendedores, que foi um dia o país dos concurseiros.

Fonte: Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…