Pular para o conteúdo principal

O empreendedorismo precisa de pessoas com mentes inquietas

Empreendedor tem que se preparar e estudar para conseguir inovar em um negócio

A empresa pode transformar problemas em inovação (Foto: Divulgação)


Quando adolescente, as pessoas mais sabidas que eu conhecia haviam passado em concurso público. Era algo admirável ser funcionário do Banco Central, procurador da república, juiz federal. Os meus amigos mais brilhantes passaram muito cedo nesses concursos. Alguns abandonaram, outros continuam fazendo um excelente trabalho.

Para minha felicidade e para o bem do país, o que vejo hoje são mentes inquietas e determinadas a empreender. Elas e Eles querem resolver os problemas do país, do mundo, de uma área específica, de uma profissão. É como olhar para algo que vem sendo feito da mesma maneira com um olhar diferente e se perguntar... porque não tentar de outra forma?

Esse é também o lado romantizado do empreendedorismo, uma vez que nem todos querem ser disruptivos e sim donos do seu nariz e das suas prioridades. E nem só de startups, empresas de tecnologia vive o empreendedorismo brasileiro. Aliás, este é um nicho, sempre bom ressaltar, que está apenas começando. Muita coisa já aconteceu, mas muita coisa precisa acontecer para termos um ecossistema maduro.

Mas de verdade, isso é infraestrutura que o país precisa fornecer, não é o mais importante. O que é fundamental é manter o jovem sonhando com a possibilidade de ser famoso, rico, especial e, o mais factível, ter uma experiência formidável e conhecer pessoas interessantes. É uma jornada que precisa de bons enredos para atrair mais e mais aventureiros.

No entanto, a maioria dos empreendedores querem apoio para montar seu pequeno negócio, sua franquia, sua loja virtual. Os quatro dias que passamos na Feira do Empreendedor, comandando um dos maiores estantes do evento, senão o maior, foram elucidativos, até para quem trabalha com empreendedorismo há mais de dez anos.

Eram milhares de pessoas ansiando por esclarecimento. Como dona de estande que estava dando brinde, confesso que alguns estavam ali ouvindo palestra de nuvem para ganhar um squeeze do Windows. A melhor resposta que ouvi na minha vida sobre tecnologia veio de um desses errantes. O que é o Bing, perguntei. A resposta pronta: acho que é o irmão do Google, não? Eu ri. Ganhou camisa e caneca, lógico.

Mas isso é folclore. O que me surpreendeu foi o nível de perguntas sobre serviços de computação em nuvem. Essas pessoas querem saber como fazer backup, qual o custo, como otimizar os serviços em várias plataformas. Estamos falando de pequenos, micro, nano empreendedores interessados em tecnologia.

Por outro lado, todos os serviços oferecidos com humor pelo Sebrae me deixaram animadas. Tinha plantão para regularizar a empresa, abrir CNPJ, pequenas consultorias etc. O Sebrae acertou muito ao transformar a feira em um evento anual. Mais de 100 mil pessoas. Algumas pessoas criticam por dizer que os serviços oferecidos são genéricos. Mas há uma base entre todos os negócios, digitais ou não, que continuam ditando a regra: fluxo de caixa, gerenciamento de pessoas, logística, pesquisa de mercado, entre outros. 

Sem isso, até o mais aclamado dos startupeiros, aquele que acha que a vida vai ser fácil só porque vive nas páginas de revistas, entrará para a lista dos fracassos. Empreendedor que se preze tem que se preparar, estudar, se atualizar como os funcionários públicos fizeram/fazem para passar em concurso. Viva o país dos empreendedores, que foi um dia o país dos concurseiros.

Fonte: Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…