Pular para o conteúdo principal

Imposto atrasado? Cuidado!


Guilherme estava com alguns problemas de contas atrasadas em sua empresa e não sabia como resolvê-los. Acostumado com o famoso “jeitinho brasileiro”, decidiu atrasar uma conta aparentemente menos importante para quitar outra. Escolheu os impostos para deixar em atraso, pois os juros eram mais baixos e ninguém vinha “bater em sua porta” para cobrar esse dinheiro.

Sua intenção era deixar de pagar os impostos somente até conseguir se restabelecer e depois regularizaria a situação. Mas a falta de liquidez da sua empresa era constante, sempre surgiam “emergências” e a dívida com o governo aumentava gradativamente.

Proporcional ao crescimento dessa dívida, crescia em Guilherme uma grande insatisfação com os impostos. Seus filhos estudavam em escola particular, ninguém da sua família utilizava hospitais públicos, ele não recebia nenhum dos benefícios do governo… A seu ver, não tinha motivo algum para pagar esses impostos.

Então, após dez meses sem efetuar os pagamentos, Guilherme acabou desistindo de quitar a dívida e começou a declarar um valor menor para pagar um “imposto simbólico”.

Quando o sócio ficou sabendo, questionou se não era arriscada essa prática, devido à fiscalização eletrônica da Receita Federal, que cruza as informações na declaração e pagamento dos impostos, mas Guilherme alegou que por tratar-se de uma pequena empresa a infração não haveria de ser descoberta. O sócio insistiu, dizendo que ele ainda poderia retificar as declarações e recolher o imposto devido, pagando uma pequena multa, sem grandes prejuízos, mas Guilherme, que era o responsável direto pelas finanças da empresa, não lhe deu ouvidos e manteve a sua decisão.

O empresário utilizou esse dinheiro por um tempo, para pagar os gastos da empresa e trocar os carros dos sócios, mas chegou o dia que a Receita Federal enviou uma notificação e ele teve que pagar mais que o dobro do valor do tributo não recolhido. Imediatamente lembrou-se das palavras do sócio e percebeu que não havia feito “um bom negócio”.

Ao buscar ajuda para resolver esse problema, foi orientado a avaliar sua carteira de clientes, diminuir as vendas a prazo, vender produtos com mais Margem Bruta (preço – custo), analisar o giro do seu estoque, criar um programa de redução de gastos e implantar o Fluxo de Caixa com o objetivo de sobrar mais dinheiro no caixa (liquidez) para pagar as parcelas do imposto atrasado.

Após essa experiência, Guilherme continuou insatisfeito com o retorno dos tributos pagos, mas passou a pagar o que lhe era devido, pois aprendeu que andar nos caminhos da lei sai mais barato e ainda é a melhor forma de lutar contra a corrupção desse país.


Matéria de Francisco Barbosa Neto, Engenheiro Mecânico e de Produção especializado em Administração, Finanças, Qualidade e Sócio – Diretor da Projeto DSD Consultores – publicada no blog do Projeto DSD Consultores.

Fonte: Grupo Skill

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…