Pular para o conteúdo principal

A importância de minimizar o risco no uso das tecnologias disruptivas na "Era da Digitalização"

Nos últimos anos, os CIOs têm estado sob pressão para se adequar aos novos rumos da tecnologia e transformar o seu negócio em um negócio digital. Isto requer um ato de equilíbrio entre integrar o que já existe e as tecnologias disruptivas – que geralmente chegam para substituir algo existente, dominante no mercado, por algo mais novo, inovador e com maior performance –, enquanto ainda precisam extrair o máximo valor dos ativos de TI e superar os desafios operacionais.

Existe uma saída prática para solucionar este problema: a modernização da estrutura existente de TI pode ajudar os executivos a enfrentar esses obstáculos e se adequar as transformações. De acordo com a Consultoria Gartner, os CIOs de hoje em dia enfrentam o desafio de englobar a segunda e já uma terceira era da TI corporativa, chamada de "Era da Digitalização". Cloud, mobile, BYOD (Bring Your Own Device), big data, virtualização e as crescentes exigências do usuário final, são agora itens obrigatórios. O IDC, consultoria especializada em pesquisa e mercado de TI, prevê que quase um terço do total de gastos com TI incidirá nestes setores. Muitos comentaristas concordam com a contínua expansão e proliferação de tecnologias móveis e da crença de que, em um mercado digital amadurecido, as aplicações serão cada vez mais frequentes.

Os CIOs têm a tarefa de mover o seu negócio para a nova era digital a fim de capitalizar as estratégias de inovação. Isso significa que as organizações devem ter total domínio sobre o núcleo de TI, tanto em relação à funcionários quanto a clientes.  O problema é que muitos desses serviços dependem de sistemas legados e proprietários, que normalmente estão armazenadas em um mainframe, tornando a sua integração e alinhamento com as novas tecnologias disruptivas vital para que os investimentos tenham o retorno esperado. Um projeto de modernização de aplicativos pode transformar o mainframe em uma plataforma aberta, tornando-o capaz de se compatibilizar as novas demandas tais como adequação ao omni-channel e aplicações em nuvem privada e pública, e assim entregar uma solução comprovadamente rentável.

Uma pesquisa encomendada pela Micro Focus, revelou toda a extensão deste problema.  Dos 590 tomadores de decisão de TI que possuem mainframes com aplicações em tela verde em suas organizações, mais da metade não sentem que seus sistemas centrais estejam cumprindo sua tarefa adequadamente.

O levantamento destacou a necessidade de contar com aplicações que melhorem o desempenho e a usabilidade desses equipamentos, caso contrário, os negócios podem enfrentar uma perda de competitividade. Ao implantar uma estratégia de modernização, esses aplicativos permitem que novos dispositivos se integrem naturalmente  à infraestrutura atual, fazendo com que as implementações Mobile e BYOD se tornem viáveis, com redução de custos  e com menor risco , sem a necessidade de alterações significativas no código. Isso tudo será fundamental para minimizar o risco nessa transformação para novos modelos de negócios digitais.

por Marco Leone

Marco Leone, country manager da Micro Focus no Brasil.

Fonte: convergecom.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…