Pular para o conteúdo principal

A importância de minimizar o risco no uso das tecnologias disruptivas na "Era da Digitalização"

Nos últimos anos, os CIOs têm estado sob pressão para se adequar aos novos rumos da tecnologia e transformar o seu negócio em um negócio digital. Isto requer um ato de equilíbrio entre integrar o que já existe e as tecnologias disruptivas – que geralmente chegam para substituir algo existente, dominante no mercado, por algo mais novo, inovador e com maior performance –, enquanto ainda precisam extrair o máximo valor dos ativos de TI e superar os desafios operacionais.

Existe uma saída prática para solucionar este problema: a modernização da estrutura existente de TI pode ajudar os executivos a enfrentar esses obstáculos e se adequar as transformações. De acordo com a Consultoria Gartner, os CIOs de hoje em dia enfrentam o desafio de englobar a segunda e já uma terceira era da TI corporativa, chamada de "Era da Digitalização". Cloud, mobile, BYOD (Bring Your Own Device), big data, virtualização e as crescentes exigências do usuário final, são agora itens obrigatórios. O IDC, consultoria especializada em pesquisa e mercado de TI, prevê que quase um terço do total de gastos com TI incidirá nestes setores. Muitos comentaristas concordam com a contínua expansão e proliferação de tecnologias móveis e da crença de que, em um mercado digital amadurecido, as aplicações serão cada vez mais frequentes.

Os CIOs têm a tarefa de mover o seu negócio para a nova era digital a fim de capitalizar as estratégias de inovação. Isso significa que as organizações devem ter total domínio sobre o núcleo de TI, tanto em relação à funcionários quanto a clientes.  O problema é que muitos desses serviços dependem de sistemas legados e proprietários, que normalmente estão armazenadas em um mainframe, tornando a sua integração e alinhamento com as novas tecnologias disruptivas vital para que os investimentos tenham o retorno esperado. Um projeto de modernização de aplicativos pode transformar o mainframe em uma plataforma aberta, tornando-o capaz de se compatibilizar as novas demandas tais como adequação ao omni-channel e aplicações em nuvem privada e pública, e assim entregar uma solução comprovadamente rentável.

Uma pesquisa encomendada pela Micro Focus, revelou toda a extensão deste problema.  Dos 590 tomadores de decisão de TI que possuem mainframes com aplicações em tela verde em suas organizações, mais da metade não sentem que seus sistemas centrais estejam cumprindo sua tarefa adequadamente.

O levantamento destacou a necessidade de contar com aplicações que melhorem o desempenho e a usabilidade desses equipamentos, caso contrário, os negócios podem enfrentar uma perda de competitividade. Ao implantar uma estratégia de modernização, esses aplicativos permitem que novos dispositivos se integrem naturalmente  à infraestrutura atual, fazendo com que as implementações Mobile e BYOD se tornem viáveis, com redução de custos  e com menor risco , sem a necessidade de alterações significativas no código. Isso tudo será fundamental para minimizar o risco nessa transformação para novos modelos de negócios digitais.

por Marco Leone

Marco Leone, country manager da Micro Focus no Brasil.

Fonte: convergecom.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…