Pular para o conteúdo principal

eSocial: Será prorrogado para 2017, 2020 ou 2025? Aliás, a essa altura, isso é importante?

De toda forma, reforço que devemos aproveitar o
momento “eSocial” para darmos atenção às práticas
adotadas, não somente em recursos humanos e
administração de pessoal, mas, principalmente,
em gestão estratégica nas relações de trabalho.
Circula pela internet uma matéria que o eSocial será prorrogado para 2017. Ou seria 2020? 2025?

De fato, essa prorrogação tem sido aventada há algum tempo, inclusive pelo Comitê Gestor, até em razão do atraso no cronograma das atividades internas da equipe de desenvolvimento (entre elas, a qualificação cadastral em lote).

Todavia, é bom deixar claro que, até o exato momento, não há qualquer publicação nesse sentido na imprensa oficial (tenho contato direto com os responsáveis e a prorrogação do prazo está em franco debate).

Refletindo um pouco sobre a pergunta que intitula esta matéria (“eSocial: Será prorrogado”), chama a atenção um fato sempre recorrente em nosso País, sobretudo, quando falamos na implantação de uma obrigação acessória a ser cumprida pelas pessoas físicas ou jurídicas, sem distinção: Antes de vencer o prazo de entrega da obrigação, aliás, antes mesmo de pensarmos em cumpri-la, já estamos pleiteando sua prorrogação (pegando como exemplo a RAIS, conheço profissionais que, no dia da publicação do ato normativo regulamentando a forma e prazo de entrega – praticamente três meses antes de vencer o prazo – já estão me perguntando se o mesmo será prorrogado).

É certo que, para toda regra, há uma exceção, e, neste caso não é diferente, pois, conheço muitas empresas e muitos profissionais extremamente rigorosos na observância dos preceitos estabelecidos.

De toda forma, reforço que devemos aproveitar o momento “eSocial” para darmos atenção às práticas adotadas, não somente em recursos humanos e administração de pessoal, mas, principalmente, em gestão estratégica nas relações de trabalho.

E quando afirmo que devemos dar atenção às práticas adotadas, não estou propondo grandes investimentos, mas, um olhar crítico sobre as nossas práticas, de forma a questionarmos se elas estão realmente corretas, se poderiam ser melhoradas, se existem alternativas mais viáveis sob o ponto de vista econômico e social.

Olho para as empresas e vejo constantes distorções na (falta de) gestão de contratações, jornadas de trabalho, escalas de revezamento, concessão de férias, banco de horas, afastamentos por incapacidade, políticas de qualidade de vida e prevenção de acidentes, processos de desligamento, entre outros temas que, há décadas, clamam pelo cumprimento da legislação vigente, mas, em nome das “metas empresariais”, acabam perdendo o seu já limitado grau de importância.

Compreendo quando o empresário diz que a legislação trabalhista encontra-se defasada, embora, muitas vezes eu não concorde plenamente com isso, pois, observo que muitos não querem uma “flexibilização”, mas, uma “desregulamentação” ou “desconstrução” de direitos que, com muito suor e sangue, foram conquistados.

Eventual flexibilização deve estar muito mais voltada para uma “transação”, do que uma “renúncia” de direitos, aliás, neste ponto, eu elencaria uma série de assuntos que poderiam ser flexibilizados ou negociados (por exemplo, salário e jornada, sim, os dois mais importantes pilares do vínculo empregatício, são temas plenamente aptos à negociação coletiva), mas, ou cedem espaço para convenções e acordos coletivos materialmente nulos por falta de reciprocidade nas concessões ou que simplesmente não conseguem ser negociados por abusos cometidos pelos próprios representantes do sindicato – neste caso, seria melhor debatermos o verdadeiro papel do sindicato e as deformações que sofrem em nossa pátria amada, inclusive, refletirmos até que ponto realmente nos interessamos pela prática sindical que, em sua essência, é uma associação formada por interessados, empresários e trabalhadores >>> é a velha história de quem vive em condomínio… não adianta reclamar da assembléia se você nunca está presente para votar, imagine se candidatar, não interage, não mobiliza outras pessoas em prol do que acha correto, afinal, como diz Destouches parafraseado por Mario Sergio Cortella, os ausentes nunca têm razão).

Para não me estender ainda mais, ao menos nesta breve publicação, proponho refletirmos exatamente sobre onde deve estar o foco da questão, evitando sobrecarregar de reclamações a implantação de um novo sistema que, na verdade, somente se parametrizará com as regras da velha legislação.

Esta reflexão nos ajudará a concluir, inexoravelmente, se a preocupação do empresário, de fato, está voltada para o correto conhecimento e cumprimento da legislação SOCIAL, ou, se somente traduz um enorme receio com as multas que eventualmente poderão ser geradas pelo eSOCIAL.

Enfim, o eSocial é uma realidade, conte com a Central do Empresário neste desafio!

por Fabio João Rodrigues
Fabio João Rodrigues – Advogado e Consultor Jurídico-Empresarial

Fonte: o autor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…