Pular para o conteúdo principal

Mundo SPED | Pesquisa releva impacto do SPED sobre o empreendedorismo


Com 795 participações, estudo “Empreendedorismo contábil no mundo pós-SPED” mostra, entre outros problemas, que somente 22,7% cursaram mais de 40 horas de treinamentos sobre a NF-e

Cinco anos após o início da padronização das normas contábeis e da implementação dos projetos do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), 41,9% e 34,9% dos profissionais da contabilidade, respectivamente, nunca participaram de cursos e eventos de capacitação sobre estes dois importantes temas.

Preocupantes, por conta da complexidade envolvida em ambas as sistemáticas, os resultados fazem parte da pesquisa on-line “Empreendedorismo contábil no mundo pós-SPED”, a mais completa já realizada sobre o assunto, aplicada de 19 de julho a 25 de agosto, e que obteve 795 respostas. A margem de erro é de 4% para um nível de confiança de 95%.

Coordenado pelo professor Roberto Dias Duarte, autor da série de livros “Big Brother Fiscal”, o levantamento envolveu a efetiva colaboração de outros oito profissionais de destaque, que ajudaram a formular as 37 perguntas de múltipla escolha disponíveis no estudo, além de tabular e analisar os resultados.

Outros dados inquietantes mostram que apenas 22,7% dos profissionais contábeis cursaram mais de 40 horas de treinamentos operacionais sobre Nota Fiscal eletrônica (NF-e), EFD-ICMS/IPI (21,5%), EFD-Contribuições (16,6%) e SPED Contábil (12,3%).

A situação fica ainda pior quando analisados outros tipos de investimentos. De acordo com a pesquisa, a maior parte das empresas (61,3%) não investiu em marketing ou eventos para clientes, adequação à IFRS (60%) e consultoria organizacional (58,6%). Além disso, menos da metade das empresas (44%) investiu em infraestrutura tecnológica e (43,4%) reverteu recursos em sistemas de informação.

“A reclamação sobre a complexidade de adaptação ao SPED e as constantes mudanças legislativas é compreensível, mas não justifica toda esta falta de capacitação profissional e desinteresse das empresas contábeis em investir em seus colaboradores”, avalia Duarte.

De acordo com a pesquisa, aproximadamente sete em cada dez profissionais (66,9%) avaliaram a EFD-Contribuições como difícil ou muito difícil. A legislação foi citada por 45,9% dos entrevistados como sendo a principal dificuldade enfrentada pelos profissionais. Para 63% dos participantes, os impactos do SPED são positivos para as empresas de Lucro Real.

Carga tributária

Uma das percepções iniciais do SPED, a queda gradual da carga tributária no médio e longo prazo, parece não ser algo plausível para os profissionais contábeis. A maioria, ou 71,7%, acredita que a sistemática não reduzirá a carga tributária, enquanto 64,4% têm a mesma opinião de que a complexidade neste campo não diminuirá.

Outro cenário mostra que 58,4% dos participantes acham que o SPED não reduzirá os custos operacionais das empresas, e 55,6%, os custos operacionais dos escritórios contábeis. Entretanto, 53,1% apostam no aumento do valor das consultorias em sistemas; 49,3%, no preço das licenças de software; e 46,4% na remuneração das consultorias tributárias.

Perfil dos profissionais e das empresas

• 68,7% das respostas foram registradas por profissionais da contabilidade; 59,6% ocupam cargos de liderança, sendo 29,2% empresários;

• 71% trabalham em empresas com mais de 10 anos de existência;

• 27,7% das empresas informaram ter faturamento anual acima de R$ 10 milhões e 42,6% até R$ 1 milhão;

• 52,4% têm até 100 clientes;

• 71,6% têm na escrituração fiscal sua atividade principal;

• 32,9%, ou uma em cada três empresas, declarou ter aumentado em mais de 30% o tamanho de sua base de clientes desde 2007.

• 37,5% apresentaram um crescimento nas receitas acima de 30% desde 2007.

• A íntegra da pesquisa acesse o link:  http://www.slideshare.net/TaniaGurgel/pesquisa-empreendedorismo-contbil-no-mundo-pssped-14180219

Especialistas

Participaram da pesquisa: Edgar Madruga (administrador de empresas e auditor), Edson Lima (contador, sócio-diretor do Grupo Skill), Fernando Sampaio (diretor da SinergiX Soluções Empresariais Inteligentes), Jorge Campos, (SPED Brasil e EFD-Social).

José Adriano Pinto (contador e sócio-diretor da BlueTax e moderador do portal JAP’s-SPED), Mauro Negruni (diretor da Decision IT e membro do GT 48), Tânia Gurgel (contadora e advogada, sócia da TAF Consultoria) e Tiago Coelho (contador e tributarista, diretor da FiscALL Soluções).

Fonte: www.robertodiasduarte.com.br

Veja Também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…