Pular para o conteúdo principal

Mundo Tributário | O desafio da localização tributária


Há tempos que a complexidade tributária e a imagem de um Brasil pouco transparente são consideradas as principais barreiras para a vinda de investimentos estrangeiros ao País. Como resultado, a impressão que nos fica é que, apesar de líder econômico na América Latina, o Brasil ainda permanece apenas como uma promessa e não consegue consolidar seu crescimento como Índia e China, por exemplo, estão fazendo.

Hoje, porém, a economia nacional tem motivos de sobra para atingir um patamar de credibilidade forte o bastante para reverter esta imagem negativa, amparada por diversos fatores, como multinacionais brasileiras emergentes que se destacam globalmente, o etanol e a própria camada pré-sal que compõem duas importantes promessas energéticas, além de eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, que movimentarão a economia do País. Com essa imagem sendo firmada, os olhos dos investidores se voltam então para o setor tributário, que também está sofrendo mudanças com o projeto SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), que promete justamente facilitar o modelo de arrecadação.

Diversas obrigações fiscais já estão sendo unificadas, outras estão sendo extintas e uma intensa movimentação no mercado de soluções fiscais permite automatizar os cálculos tributários que até então eram o pesadelo não só de empresários nacionais, mas de investidores estrangeiros acostumados a controlar e pagar impostos de forma muito mais simplificada em seus paises. Este tipo de infraestrutura tecnológica, mais do que um auxílio, se mostra fundamental para as empresas que pretendem iniciar suas operações no Brasil.

O grande perigo é que muitas dessas empresas só se dão conta da necessidade de soluções fiscais especializadas quando já estão em andamento com o processo de abertura da filial brasileira. Com isso, elas acabam sendo surpreendidas com um custo maior do que o planejado, resultando no abandono da operação ou em projetos emergenciais, que geralmente aumentam os riscos do investimento.

A boa notícia é que existem algumas opções que podem baratear e agilizar bastante a vinda dessas empresas, principalmente das que querem começar com uma operação menor e com um budget mais restrito. Nestes casos, além do custo, a demora e a complexidade da implementação são fatores que devem ser levados em conta na escolha das tecnologias que suportarão a atividade da empresa.

As ofertas SaaS (software as a service) tanto de sistemas de gestão como de soluções fiscais podem ser ótimas opções, pois  eliminam a necessidade de infraestrutura física, barateando e agilizando significativamente a implementação. Neste caso, um ponto de atenção é a escolha de um fornecedor que possua escalabilidade suficiente para acompanhar a evolução do negócio, já prevendo operações mais robustas, semelhantes às experiências internacionais da empresa.

Este movimento como um todo abre uma excelente oportunidade para a exploração de novos nichos de mercado por empresas brasileiras. Cabe a nós, portanto, acompanhar a evolução deste cenário e ajudar a desmistificar as barreiras que ainda existem.

Paulo Dimas Mique, gerente comercial da Synchro Solução Fiscal Brasil e Gilberto Lima, diretor de Consultoria Estratégica da IT Convergence

Fonte: www.tiinside.com.br

Veja Também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…