Pular para o conteúdo principal

Mundo Tributário | O desafio da localização tributária


Há tempos que a complexidade tributária e a imagem de um Brasil pouco transparente são consideradas as principais barreiras para a vinda de investimentos estrangeiros ao País. Como resultado, a impressão que nos fica é que, apesar de líder econômico na América Latina, o Brasil ainda permanece apenas como uma promessa e não consegue consolidar seu crescimento como Índia e China, por exemplo, estão fazendo.

Hoje, porém, a economia nacional tem motivos de sobra para atingir um patamar de credibilidade forte o bastante para reverter esta imagem negativa, amparada por diversos fatores, como multinacionais brasileiras emergentes que se destacam globalmente, o etanol e a própria camada pré-sal que compõem duas importantes promessas energéticas, além de eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, que movimentarão a economia do País. Com essa imagem sendo firmada, os olhos dos investidores se voltam então para o setor tributário, que também está sofrendo mudanças com o projeto SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), que promete justamente facilitar o modelo de arrecadação.

Diversas obrigações fiscais já estão sendo unificadas, outras estão sendo extintas e uma intensa movimentação no mercado de soluções fiscais permite automatizar os cálculos tributários que até então eram o pesadelo não só de empresários nacionais, mas de investidores estrangeiros acostumados a controlar e pagar impostos de forma muito mais simplificada em seus paises. Este tipo de infraestrutura tecnológica, mais do que um auxílio, se mostra fundamental para as empresas que pretendem iniciar suas operações no Brasil.

O grande perigo é que muitas dessas empresas só se dão conta da necessidade de soluções fiscais especializadas quando já estão em andamento com o processo de abertura da filial brasileira. Com isso, elas acabam sendo surpreendidas com um custo maior do que o planejado, resultando no abandono da operação ou em projetos emergenciais, que geralmente aumentam os riscos do investimento.

A boa notícia é que existem algumas opções que podem baratear e agilizar bastante a vinda dessas empresas, principalmente das que querem começar com uma operação menor e com um budget mais restrito. Nestes casos, além do custo, a demora e a complexidade da implementação são fatores que devem ser levados em conta na escolha das tecnologias que suportarão a atividade da empresa.

As ofertas SaaS (software as a service) tanto de sistemas de gestão como de soluções fiscais podem ser ótimas opções, pois  eliminam a necessidade de infraestrutura física, barateando e agilizando significativamente a implementação. Neste caso, um ponto de atenção é a escolha de um fornecedor que possua escalabilidade suficiente para acompanhar a evolução do negócio, já prevendo operações mais robustas, semelhantes às experiências internacionais da empresa.

Este movimento como um todo abre uma excelente oportunidade para a exploração de novos nichos de mercado por empresas brasileiras. Cabe a nós, portanto, acompanhar a evolução deste cenário e ajudar a desmistificar as barreiras que ainda existem.

Paulo Dimas Mique, gerente comercial da Synchro Solução Fiscal Brasil e Gilberto Lima, diretor de Consultoria Estratégica da IT Convergence

Fonte: www.tiinside.com.br

Veja Também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…