Pular para o conteúdo principal

81% DOS BRASILEIROS PREFEREM TER SERVIÇOS PÚBLICOS MELHORES A PAGAR MENOS IMPOSTOS

PESQUISA DO INSTITUTO DATA POPULAR MOSTRA QUE SERVIÇOS COMO SEGURANÇA, EDUCAÇÃO, SAÚDE E TRANSPORTE SÃO MAL AVALIADOS PELA POPULAÇÃO

SEGURANÇA FOI O ITEM COM A PIOR AVALIAÇÃO
(FOTO: GETTY IMAGES)
A maioria dos brasileiros prefere ter acesso a serviços públicos melhores a pagar menos impostos, caso pudessem escolher entre os dois cenários. Esse é um dos resultados da pesquisa divulgada nesta quinta-feira (24/04) pelo instituto Data Popular, que ouviu 3 mil pessoas em 53 cidades de todas as regiões do país.

Entre os entrevistados, 81% ficariam com a primeira opção, enquanto 12% optariam por tributos mais baixos. “O problema não é pagar, é não ver contrapartida”, afirma Renato Meirelles, diretor do Data Popular. "Mesmo pagando mais impostos, por causa da alta do emprego formal, o brasileiro preferiria contar com serviços melhores."

A pesquisa mostra que o descontentamento com os serviços públicos, um dos principais motivos das manifestações de junho passado, ainda é uma realidade. A pior avaliação foi para a segurança, que recebeu nota 3,64 dos entrevistados.  "Quanto maior a população da cidade, mais o item segurança aparece com uma avaliação ruim. Outro fator para que ele seja mal avaliado é que a segurança afeta a todos, mesmo quem não usa hospital e escola pública, por exemplo", explica Meirelles.

Nenhum serviço, no entanto, se saiu bem no levantamento. O segundo pior avaliado foi a saúde, com nota 3,73. Em seguida, aparece transportes, com 3,87 e, no topo da lista – mas não muito distante do último colocado – está a educação, reprovada com nota 4,56.

“Fizemos comparações com a avaliação de serviços privados equivalentes, como escola e hospital, e os serviços públicos sempre aparecem como pior avaliados", diz Meirelles. "Um grande motivo de irritação é o fato de o brasileiro não ter para quem reclamar, de não haver um 'Procon' para serviços públicos. 79% dos entrevistados acham que um código de defesa do consumidor melhoraria a situação."

Quem paga a conta?
A pesquisa também mediu a opinião dos brasileiros sobre quem deve pagar pelos serviços considerados básicos. Hospitais e postos de saúde, educação básica e creches são aqueles que mais pessoas (91%) acreditam que devem ser totalmente pagos pelo governo – ou seja, ser gratuitos para a população. Em seguida vêm os remédios - 84% acham que devem ser de graça, enquanto 15% acreditam que o governo deve pagar metade e 1% afirmam que o consumidor deve pagar sozinho.

No caso dos transportes, outra questão muito discutida nas manifestações de junho, 56% acham que deve ser gratuito, 32% afirmam que o governo deve bancar metade da tarifa e 10% crêem que a população deve pagar integralmente o serviço. Esse percentual só é maior quando a questão é sobre internet, que para 22% deve ser paga totalmente pelo usuário, enquanto 54% defendem o acesso gratuito. “Percebemos que cresce o número de pessoas que acham que o transporte deve ter subsídio, mas não ser gratuito”, afirma Meirelles.

Vida melhorou
Apesar da má avaliação dos serviços públicos, a maioria não está descontente com a situação pessoal. Para 67%, a vida melhorou no último ano. Entre eles, 52% acreditam que esse progresso foi resultado do próprio esforço. Num dado curioso da pesquisa, a segunda razão mais apontada foi Deus, por 31% dos entrevistados. Para 13%, o motivo foi a família. O governo (2%), a sorte (1%) e o patrão foram as explicações menos citadas.

Fonte: Época Negócios

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…