Pular para o conteúdo principal

Caixa 2 entre o público e o privado

Fim de semana! Momento de descontração. Você, assalariado, que já pagou o Imposto de Renda e a Contribuição Previdenciária, antes mesmo de receber a sua própria remuneração, sai em seu bairro com R$ 100, compra a sua cerveja, flores para a esposa e quitandas para o lanche da tarde. No retorno, lembra que não lhe foi fornecida a nota fiscal de nenhum dos produtos. Como isto não lhe prejudica, não volta aos pontos de comércio para buscar os seus comprovantes.

Refletindo sobre este assunto, que passa despercebido em nossa vida cotidiana, principalmente nos grandes centros, concluímos que estamos sendo nocivos a nós mesmos, alimentando o “sistema”, como diria o personagem Capitão Nascimento no filme Tropa de Elite. Um “sistema” alimentado pela informalidade, que possui a sua economia própria, emprega muitos brasileiros, e, afinal, gera uma riqueza à margem da legalidade, distanciando o poder público das nossas vidas.

Do ponto de vista contábil e tributário, podemos chamar este “sistema” de “caixa dois” e, pelo simples fato de não exigirmos o nosso direito como consumidores, alimentamos essa prática. O dinheiro sem comprovação de origem ganha força e se insere na economia com seu efeito multiplicador. Dinheiro de caixa dois paga, naturalmente, despesas e gastos de caixa dois, que é receita de caixa dois novamente, alimentando o “sistema” outra vez.

Economicamente, há uma incoerência quando se noticia um PIB baixo e taxas de emprego e renda crescentes. Como se explica este milagre? A informalidade (caixa dois) explica e alimenta estas taxas crescentes. A riqueza é gerada, mas não é mensurada, passando longe dos cofres públicos, distanciando o ente estatal das necessidades da sociedade.

O costume do uso do caixa dois, como forma de sonegar tributo e fugir da elevada carga tributária do nosso País, faz deste fato um hábito entranhado em quase todos os segmentos econômicos do Brasil, desde o pequeno comerciante até o profissional liberal e as campanhas políticas. Ademais, é também utilizado como ferramenta para o tráfico de drogas, o jogo do bicho e as “máquinas caça-níquel”.

Do ponto de vista da fiscalização tributária, o simples fato da falta de emissão de nota fiscal ou de sua emissão com valor inferior ao realizado (subfaturamento) é indício forte de utilização de caixa dois.

O combate a esta prática deve ser melhorado, com a exigência e a cobrança efetiva da contabilidade pelos organismos competentes, que devem refletir, de forma integral, os fatos econômicos, mercantis e financeiros. Ela é uma ferramenta de combate ao Caixa 2 (sendo utilizada para amparar decisões até mesmo do Supremo Tribunal Federal), visto que esta ciência existe desde os primórdios da civilização, quando o ser humano sentiu a necessidade do controle mercantil.

Tributo sonegado é reflexo de quantidade menor de recursos públicos aplicados na gestão estatal e de crime previsto na Lei 8.137/1990.

Se pelo lado moral a sociedade já está cansada de saber dos malefícios desta prática, deveríamos pensar de forma lógica e rever nossos conceitos, colocando em prática atitudes que nos beneficiarão diretamente: se o assalariado volta e solicita sua nota fiscal, ele não permite que o seu salário engrosse a conta da informalidade. O dono do comércio reconhece sua receita de forma fidedigna e efetua em seguida um gasto, cuja origem do recurso é comprovada. Aumenta a arrecadação do país, e esta, em tese, aumenta o investimento público.

Bruno Marçal é auditor fiscal, professor do Ipog e do Instituto Carlos André

Fonte: Jornal O Popular

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…