Pular para o conteúdo principal

Governos erram ao dar tratamento uniforme para microempresas

Estudo do Ipea afirma que políticas públicas desconsideram que o setor é muito heterogêneo e dão remédio único para estabelecimentos diferentes



Sem distinção entre as empresas, políticas de inovação têm efeito pouco
  intenso na produtividade das MPEs, segundo pesquisadores do Ipea

Foto: Monkey Business Images/Shutterstock

As políticas públicas brasileiras falham em estimular de fato a sobrevivência e o crescimento de micro e pequenas empresas, por tratarem esse segmento como algo uniforme. A crítica foi feita num estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), parte de uma publicação especial sobre o setor no Brasil.

“Considerar as MPEs como integrantes de um grupo homogêneo é como considerar todos os mamíferos, da baleia ao ornitorrinco, como um único grupo e formular as mesmas ações de preservação para espécies tão distintas”, escrevem os autores, Mauro Oddo Nogueira e João Maria de Oliveira, ambos técnicos de planejamento e pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Ipea.

“Falar em MPEs é falar em empreendimentos que vão desde uma desenvolvedora de robôs para inspeção de dutos de petróleo, instalada em uma incubadora tecnológica de uma instituição de pesquisa, até uma pizzaria localizada no município de Paracaima, em Rondônia”, afirma o texto, intitulado “Da Baleia ao Ornitorrinco: contribuições para a compreensão do universo das micro e pequenas empresas brasileiras”, um dos estudos apresentados em abril do ano passado na 25ª edição da Radar, publicação periódica do Ipea.

A mira desajustada afeta um setor fundamental para o país. Embora ressaltem que faltam estudos consistentes sobre o peso e o perfil das MPEs, os pesquisadores mostram dados que deixam clara a importância do setor. Segundo informações de 2011 do Ministério do Trabalho, esse tipo de empresa representa 99% (6,1 milhões) do total de estabelecimentos devidamente registrados e empregam 51,6% da mão de obra formal. As estimativas sobre a participação no Produto Interno Bruto (PIB) são mais controversas, mas em geral se situam em torno de 20%. Os números sobre empresas informais, igualmente controversos, indicam que elas são 8 milhões.

Ao tentar lidar com esse enorme setor na elaboração de políticas públicas, os governos adotam crivos diferentes. Algumas medidas recorrem ao critério do IBGE e do Sebrae: o número de pessoal ocupado é que define o que é uma micro e pequena empresa. O problema, apontam os autores, é que isso não distingue bem as firmas: abrange tanto uma start-up de alta tecnologia como um salão de beleza.

Outro critério é o faturamento – usado, por exemplo, na lei que criou o Simples. Aqui, o problema é que os valores não são reajustados regularmente. “Assim, à medida que a inflação vai se acumulando, há uma aparente tendência de crescimento no porte médio das firmas do país. No momento em que os valores são reajustados, há a tendência a uma abrupta queda no porte médio das empresas”, observam os pesquisadores. Numa lei ligada a beneficio fiscal, isso “caba induzindo as empresas ao ‘esforço’ de não crescerem, permanecendo assim nas faixas que fazem jus aos benefícios”.

Além disso, os programas raramente levam em conta diferencias regionais, setoriais, de domínio de tecnologia ou de uso de ferramentas de gestão.

A falta de um foco adequado produz medidas que não têm impacto suficiente. Um dos pontos analisados pelo estudo são os programas de incentivo a inovação. Em geral, as políticas públicas enfatizam avanços na camada mais sofisticada da economia, mas isso não necessariamente transborda para a estrutura produtiva como um todo.

Para grande parte das micro e pequenas empresas, políticas de modernização seriam mais úteis, num primeiro momento, do que de inovação. “Para uma pequena lanchonete em um subúrbio do Rio de Janeiro, inovação é a simples aquisição de um descascador mecânico de batatas”, exemplificam os pesquisadores. Eles defendem que iniciativas para modernizar processos produtivos e de gestão podem ajudar a levar inovação às MPEs.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…