Pular para o conteúdo principal

Controles Internos, Compliance e Gestão de Pessoas

Há algum tempo venho me deparando que as pessoas mesmo sabendo que existem regras, procedimentos e obrigações, estão cada vez mais arredias e sem postura para respeitar as normas internas das empresas.

Há algum tempo venho me deparando que as pessoas mesmo sabendo que existem regras, procedimentos e obrigações, estão cada vez mais arredias e sem postura para respeitar as normas internas das empresas.

Por mais que as empresas implementem metodologias de trabalhos, alguns profissionais insistem em não seguir e cumprir, e seguem seus “próprios caminhos”, e se você comenta alguma coisa, ficam irritados e começam a dar “piti” (ataque histérico), abandonam projetos, trabalhos e processos, por que foram contrariados.

As empresas tem sofrido muito com as postura de alguns profissionais da geração Y, existem até estudos para entender melhor o processo de gestão de pessoas, mas tem marmanjo que é pior que os meninos, falta maturidade profissional.

Outro problema enfrentado pelos profissionais de controles internos, compliance, riscos e segurança da informação, é o tal do BYOD (Bring Your Own Device), isto significa que os funcionários estão usando tablets e smartphones no seu dia a dia e querem trazê-los para seus ambientes de trabalho.

Segundo Cézar Taurion, Gerente de novas tecnologias da IBM Brasil, “o BYOD libera os funcionários para usar os dispositivos que mais os agradam para a realização das suas tarefas profissionais. Como os consumidores finais estão hoje à frente da vanguarda tecnológica, as empresas perceberam que é muito mais negócio abraçar essa ideia do que proibir. Afinal, elas não podem fechar os olhos para esta tendência, que segundo analistas de mercado, é impossível de bloquear. 

Como reagir diante deste novo cenário? O setor TI não é mais dono do ambiente tecnológico dos usuários. O tradicional paradigma da homologação e definição por TI do que pode ou não entrar na empresa já não vale mais. Como fazer frente a este tsunami?”

Quando falamos de tecnologia, podemos dizer que é até compreensível, mas para as tarefas de trabalho do dia-a-dia, é complicado, e por mais que orientamos, parece que mais complicado fica, e segundo um dos componentes do COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission), indica a tal de informação e comunicação, ferramenta de suma importância, mas será que as pessoas estão preparadas para ouvir, ou só ouvem aquilo que interessa? 

Portanto hoje o profissional de controles internos, compliance, riscos e segurança da informação necessitam incorporar uma boa parte de psicologia, para que possamos sobreviver neste no cenário, onde muitos acham que sabem tudo e poucos conseguem convence-los que não sabem, é tudo uma questão de conjunto, esforço coletivo e trabalho em equipe, e que mesmo assim temos vários obstáculos, imagine quem não faz, quantos problemas tem!!!

Por Marcos Assi

Marcos Assi é consultor da MASSI Consultoria - Prêmio Excelência e Qualidade Brasil 2013 e Comendador Acadêmico com a Cruz do Mérito Acadêmico da Câmara Brasileira de Cultura, professor de MBA na FIA, Saint Paul Escola de Negócios, UBS, Centro Paula Souza, USCS, Trevisan Escola de Negócios, entre outras, autor dos livros “Controles Internos e Cultura Organizacional”, “Gestão de Riscos com Controles Internos” e “Gestão de Compliance e seus desafios” pela Saint Paul Editora. www.massiconsultoria.com.br


Fonte: ITFORUM 365

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…