Pular para o conteúdo principal

Os queridinhos dos recrutadores

Conheça o ranking dos profissionais mais disputados pelo mercado — para eles nunca faltam vagas

Mercado imobiliário contrata: crédito fácil e escalada no preço do metro quadrado elevaram a procura por corretores


São Paulo - Quem são os profissionais para quem nunca faltam oportunidades? Aqueles que podem escolher onde trabalhar e se dar ao luxo de desdenhar ofertas que seriam consideradas vantajosas pelos demais?

A resposta está num levantamento feito pelo site de empregos Catho, a pedido da VOCÊ S/A, sobre as 15 carreiras de nível superior com salário acima de 3.000 reais e maior quantidade de vagas anunciadas de 2011 a 2013. Entre as campeãs de contratações, aparecem funções como executivo de vendas, gerente comercial, supervisor de produção e gerente operacional.

Para os especialistas em mercado de trabalho, são carreiras que atendem à atual necessidade das empresas de fazer mais com menos para alcançar suas metas, em tempos de crescimento moderado da economia. “É preciso aumentar a produtividade e só há duas maneiras de fazer isso: vendendo mais ou aprimorando processos de gestão”, diz Juliano Ballarotti, diretor da empresa de recrutamento Hays, em São Paulo.


1º Corretor de Imóveis 

O acesso facilitado ao crédito e o aumento do preço dos imóveis nos últimos anos deixaram a profissão em alta. Entretanto, a remuneração com base em comissões faz com que a carreira tenha grande rotatividade, o que também explica o alto número de vagas para corretores.

Salário médio: 5 733 reais



2º Executivo de Vendas

Responsável por identificar e prospectar clientes, esse executivo analisa as tendências do mercado e a concorrência para mapear oportunidades e planejar estratégias de vendas que permitam à empresa alcançar suas metas.

Salário médio: 3 400 reais



3º Gerente Comercial

O gerente comercial define estratégias para a comercialização de produtos e serviços, por meio de estudos sobre potencial de vendas, para aumentar a participação da empresa no mercado e fazê-la atingir os resultados planejados.

Salário médio: 5 066 reais



4º Gerente de Contas

Por gerenciar a carteira de clientes e captar negócios, esse profissional é fundamental na elaboração de propostas comerciais e na negociação de contratos.

Salário médio: 5 200 reais



5º Contador

Com o aumento do controle do governo sobre a contabilidade das empresas e a complexa legislação tributária brasileira, a procura pelos contadores tem crescido.

Salário médio: 4 067 reais



6º Programador Java

Esse especialista desenvolve, testa e implementa sistemas que usam a linguagem Java. A multinacional Cisco foi uma das que contrataram profissionais da área no ano passado, com a inauguração de um centro de inovação no Rio de Janeiro. Novas oportunidades ainda devem ser criadas pela empresa, que anunciou investimento total de 1 bilhão de reais para os próximos quatro anos no Brasil.

Salário médio: 4 800 reais



7º Analista Programador

Esse profissional implementa novos sistemas e dá manutenção nos já exis­tentes fazendo atualizações e ajustes para acompanhar as mudanças nas necessidades dos usuários.

Salário médio: 3 900 reais



8º Gerente Financeiro

Faz o planejamento financeiro e elabora planos para a melhoria do desempenho econômico-financeiro da empresa, o que o torna decisivo em tempos de crescimento moderado dos negócios e necessidade de cortar custos.

Salário médio: 7 000 reais



9º Supervisor de Produção

Promove o uso adequado de instalações e equipamentos de uma fábrica, monitorando custos e qualidade. Esses profissionais terão oportunidades na fábrica da Ambev em Ponta Grossa, no Paraná, que vai abrir 500 vagas até a inauguração, em dezembro.

Salário médio: 3 667 reais



10º Gerente Operacional

Pode atuar tanto na indústria como no setor de serviços, garantindo que a empresa atenda adequadamente às necessidades dos clientes. Por estar envolvido no aumento da produtividade da organização, está em alta no mercado.

Salário médio: 5 933 reais



11º Coordenador de vendas 

Com o crescimento da economia brasileira com base no consumo, o varejo ficou aquecido e colocou em destaque esses profissionais, responsáveis por coordenar as vendas, orientar os representantes e analisar o desempenho da equipe, buscando o cumprimento das metas.

Salário médio: 3 700 reais



12º Gerente de projetos

Esse profissional planeja e acompanha a execução de um projeto, a fim de cumprir metas, prazos e custos estabelecidos. A carreira deve continuar em alta, já que 422 hotéis serão construídos no país até 2016, segundo o Ministério do Turismo.

Salário médio: 8 733 reais



13º Supervisor de logística

Gerencia atividades de expedição e logística monitorando a descarga, o envio e a armazenagem dos produtos. Com o consumo em alta, muitas empresas estão construindo novos centros de distribuição e abrindo vagas para esses profissionais.

Salário médio: 3 400 reais



14º Auditor

O auditor analisa documentos contábeis e os controles internos da empresa para assegurar a execução adequada dos procedimentos administrativos e comerciais. Em companhias de capital aberto, garantem a transparência das contas.

Salário médio: 3 867 reais



15º Analista de Projetos

Planeja, controla e acompanha os projetos criando controles detalhados, alinhando prazo de entrega, prioridades e qualidade.

Salário médio: 3 367 reais



Denise Ramiro, da Você/AS

Fonte: Exame.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…