Pular para o conteúdo principal

Os queridinhos dos recrutadores

Conheça o ranking dos profissionais mais disputados pelo mercado — para eles nunca faltam vagas

Mercado imobiliário contrata: crédito fácil e escalada no preço do metro quadrado elevaram a procura por corretores


São Paulo - Quem são os profissionais para quem nunca faltam oportunidades? Aqueles que podem escolher onde trabalhar e se dar ao luxo de desdenhar ofertas que seriam consideradas vantajosas pelos demais?

A resposta está num levantamento feito pelo site de empregos Catho, a pedido da VOCÊ S/A, sobre as 15 carreiras de nível superior com salário acima de 3.000 reais e maior quantidade de vagas anunciadas de 2011 a 2013. Entre as campeãs de contratações, aparecem funções como executivo de vendas, gerente comercial, supervisor de produção e gerente operacional.

Para os especialistas em mercado de trabalho, são carreiras que atendem à atual necessidade das empresas de fazer mais com menos para alcançar suas metas, em tempos de crescimento moderado da economia. “É preciso aumentar a produtividade e só há duas maneiras de fazer isso: vendendo mais ou aprimorando processos de gestão”, diz Juliano Ballarotti, diretor da empresa de recrutamento Hays, em São Paulo.


1º Corretor de Imóveis 

O acesso facilitado ao crédito e o aumento do preço dos imóveis nos últimos anos deixaram a profissão em alta. Entretanto, a remuneração com base em comissões faz com que a carreira tenha grande rotatividade, o que também explica o alto número de vagas para corretores.

Salário médio: 5 733 reais



2º Executivo de Vendas

Responsável por identificar e prospectar clientes, esse executivo analisa as tendências do mercado e a concorrência para mapear oportunidades e planejar estratégias de vendas que permitam à empresa alcançar suas metas.

Salário médio: 3 400 reais



3º Gerente Comercial

O gerente comercial define estratégias para a comercialização de produtos e serviços, por meio de estudos sobre potencial de vendas, para aumentar a participação da empresa no mercado e fazê-la atingir os resultados planejados.

Salário médio: 5 066 reais



4º Gerente de Contas

Por gerenciar a carteira de clientes e captar negócios, esse profissional é fundamental na elaboração de propostas comerciais e na negociação de contratos.

Salário médio: 5 200 reais



5º Contador

Com o aumento do controle do governo sobre a contabilidade das empresas e a complexa legislação tributária brasileira, a procura pelos contadores tem crescido.

Salário médio: 4 067 reais



6º Programador Java

Esse especialista desenvolve, testa e implementa sistemas que usam a linguagem Java. A multinacional Cisco foi uma das que contrataram profissionais da área no ano passado, com a inauguração de um centro de inovação no Rio de Janeiro. Novas oportunidades ainda devem ser criadas pela empresa, que anunciou investimento total de 1 bilhão de reais para os próximos quatro anos no Brasil.

Salário médio: 4 800 reais



7º Analista Programador

Esse profissional implementa novos sistemas e dá manutenção nos já exis­tentes fazendo atualizações e ajustes para acompanhar as mudanças nas necessidades dos usuários.

Salário médio: 3 900 reais



8º Gerente Financeiro

Faz o planejamento financeiro e elabora planos para a melhoria do desempenho econômico-financeiro da empresa, o que o torna decisivo em tempos de crescimento moderado dos negócios e necessidade de cortar custos.

Salário médio: 7 000 reais



9º Supervisor de Produção

Promove o uso adequado de instalações e equipamentos de uma fábrica, monitorando custos e qualidade. Esses profissionais terão oportunidades na fábrica da Ambev em Ponta Grossa, no Paraná, que vai abrir 500 vagas até a inauguração, em dezembro.

Salário médio: 3 667 reais



10º Gerente Operacional

Pode atuar tanto na indústria como no setor de serviços, garantindo que a empresa atenda adequadamente às necessidades dos clientes. Por estar envolvido no aumento da produtividade da organização, está em alta no mercado.

Salário médio: 5 933 reais



11º Coordenador de vendas 

Com o crescimento da economia brasileira com base no consumo, o varejo ficou aquecido e colocou em destaque esses profissionais, responsáveis por coordenar as vendas, orientar os representantes e analisar o desempenho da equipe, buscando o cumprimento das metas.

Salário médio: 3 700 reais



12º Gerente de projetos

Esse profissional planeja e acompanha a execução de um projeto, a fim de cumprir metas, prazos e custos estabelecidos. A carreira deve continuar em alta, já que 422 hotéis serão construídos no país até 2016, segundo o Ministério do Turismo.

Salário médio: 8 733 reais



13º Supervisor de logística

Gerencia atividades de expedição e logística monitorando a descarga, o envio e a armazenagem dos produtos. Com o consumo em alta, muitas empresas estão construindo novos centros de distribuição e abrindo vagas para esses profissionais.

Salário médio: 3 400 reais



14º Auditor

O auditor analisa documentos contábeis e os controles internos da empresa para assegurar a execução adequada dos procedimentos administrativos e comerciais. Em companhias de capital aberto, garantem a transparência das contas.

Salário médio: 3 867 reais



15º Analista de Projetos

Planeja, controla e acompanha os projetos criando controles detalhados, alinhando prazo de entrega, prioridades e qualidade.

Salário médio: 3 367 reais



Denise Ramiro, da Você/AS

Fonte: Exame.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…