Pular para o conteúdo principal

Desoneração deixa conta bilionária para 2015

A renúncia fiscal com a desoneração da folha de salários continuará a afetar a gestão fiscal em 2015, mesmo que o governo decida não prorrogar a vigência dessa medida. O governo não é claro sobre o tamanho da renúncia fiscal estimada para essa medida em 2014, mas os números divulgados indicam que ela pode deixar uma conta bilionária para ser compensada no próximo ano.

Nas informações complementares ao Projeto de Lei do Orçamento de 2014, o governo estimou uma renúncia fiscal com a desoneração dos salários de R$ 24 bilhões para este ano, número que não foi oficialmente revisado no decreto de reprogramação financeira de fevereiro, quando o valor de compensação à Previdência foi reestimado de R$ 17 bilhões para R$ 11 bilhões este ano. Entretanto, parte dessa verba (54% ou R$ 5,9 bilhões) ainda refere-se à compensação de 2013. Depois de acertar as contas do ano passado, sobrarão R$ 5,1 bilhões correspondentes a 2014. Se a conta deste ano chegar mesmo aos R$ 24 bilhões estimados quando o orçamento foi feito, sobraria uma conta de R$ 19 bilhões para ser acertada em 2015.

Como o dinheiro sai do Tesouro e entra na Previdência, ele não impacta o superávit primário. Ele compromete, porém, parte da receita do ano que vem, reduzindo o montante que poderia ser direcionado para outros gastos públicos.

O valor de R$ 24 bilhões para 2014 pode parecer exagerado diante da renúncia de R$ 13,2 bilhões estimada pela Receita Federal para 2013. Os valores do primeiro bimestre, contudo, mostram crescimento expressivo. Foram R$ 3,5 bilhões, bem acima do R$ 1,6 bilhão do início de 2012.

Com base na renúncia de R$ 2 bilhões estimada pela Receita Federal para fevereiro, o economista José Roberto Afonso, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), calcula que o valor do ano pode chegar perto de R$ 27 bilhões. Fevereiro, lembra ele, é o primeiro mês em que o cálculo envolve todos os 56 setores beneficiados e a medida continuará em vigor para esse grupo até o fim do ano.

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Anfip) também tem batido na tecla de que os valores estão subestimados. A associação fez a conta de 2013 e estima que o governo federal abriu mão de R$ 19,1 bilhões, mais que os R$ 13,2 bilhões relatados pela Receita Federal no ano passado.

No relatório de avaliação de receitas e despesas primárias do primeiro bimestre, o governo explicou que reduziu o valor estimado de compensação à Previdência para R$ 11 bilhões em função da "revisão da estimativa do impacto das desonerações a partir da execução observada a partir de agosto de 2013". Além disso, ponderou que as despesas com benefícios previdenciários foram reduzidas devido à atualização dos parâmetros econômicos e incorporação dos dados de 2013 e de janeiro de 2014, cujo valores ficaram inferiores à projeção feita com os parâmetros disponíveis quando o orçamento foi feito. O governo, porém, não apresentou nova estimativa de renúncia anual em substituição aos R$ 24 bilhões informados no projeto do Orçamento de 2014.

No decreto bimestral, os valores de compensação referentes a janeiro e fevereiro deste ano (a serem remetidos em junho e julho à Previdência) foram estimados em R$ 912 milhões, cada. A Receita Federal, contudo, registrou valores maiores de renúncia para os dois meses: R$ 1,5 bilhão em janeiro e R$ 2,038 bilhões em fevereiro.

Afonso, do Ibre, pondera que fevereiro foi o primeiro mês com todos os 56 setores desonerados e que, como todos permanecerão beneficiados até o fim do ano, pode-se esperar valor semelhante por mais dez meses e um valor maior para a parcela relativa ao décimo terceiro salário, quando não existe um recolhimento sobre o faturamento que possa atenuar a parcela devida ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS). Somados esses valores à renúncia do bimestre, chega-se ao total de R$ 27 bilhões.

Para Felipe Salto, economista da Tendências Consultoria, o nível de renúncia estimado para fevereiro não deve ser mantido até o fim do ano porque o ritmo da atividade tende a arrefecer. O crescimento da massa salarial, pondera ele, já vem sendo menor e ele determina a base de comparação para o cálculo. "Uma perspectiva menor de aumento na arrecadação também implica em renúncia tributária menor", diz Salto. No ano de 2013, argumenta, os valores mensais não foram lineares.

Em 2013, a Receita Federal estimou (nos relatórios de arrecadação) que a renúncia fiscal chegou a R$ 13,2 bilhões. O Tesouro, por sua vez, informou que repassou R$ 9,2 bilhões para a Previdência, valor que incluía uma parcela (R$ 1,9 bilhão relativa a 2012). Pela lei que criou a desoneração, a arrecadação "perdida" pela Previdência com a troca da contribuição patronal ao RGPS pela alíquota sobre o faturamento deve ser integralmente compensada pelo Tesouro, pagamento que pode ser feito com "atraso" de quatro meses, segundo o decreto que regulamentou essa movimentação de contas.

Entidades, sindicalistas e economistas envolvidos no debate da desoneração concordam que o atraso não é o maior problema. A questão, ponderam, é que os valores de renúncia fiscal estão sendo subestimados pelo governo.

Para José Roberto Afonso, a discussão é de transparência porque a sociedade precisa saber, de fato, qual o custo e o benefício dessa medida. Ele não considera o repasse que ficará para 2015 como uma "herança" e a maior ou menor remessa à Previdência não o incomoda porque no Brasil ela foi universalizada e qualquer "buraco" que houver vai ser compensado pelo Tesouro, seja qual for sua origem.

"A questão é que o custo da desoneração é maior do que se fala", argumenta ele, referindo-se aos valores de 2013 e 2014 e o risco que o governo decida prorrogar essa medida para 2015. Do ponto de vista fiscal, observa, o impacto acontece uma vez e é dado pelo valor não arrecadado. Este ano, pode chegar a R$ 27 bilhões pelas suas contas. Por isso, ele insiste na transparência dos dados.

Para os sindicalistas, o problema é outro. Ao projetar valores menores, o compromisso de compensação diminui e o repasse menor aumenta o déficit da Previdência Social. Com isso, crescem as críticas e demandas por redução dos benefícios, observa o vice-presidente de Assuntos Fiscais da Anfip, Vanderley Maçaneiro.

Entre 2012 e 2013, o Ministério da Previdência Social informou que o déficit da Previdência cresceu 14,8% em termos reais e alcançou R$ 51,2 bilhões, aumento de R$ 6,6 bilhões. Se nos dois anos a compensação tivesse sido integral (mesmo pela estimativa oficial), o déficit teria crescido 6%, ou cerca de R$ 2,6 bilhões.

Sérgio Luiz Leite, presidente da Federação dos Trabalhadores Químicos e Farmacêuticos do Estado de São Paulo e representante da Força Sindical na comissão tripartite criada pela lei para acompanhar a desoneração da folha, faz coro à preocupação da Anfip. Ele defende a desoneração, acha que é uma medida válida, mas deveria ter sido acompanhada de alguma contrapartida a favor dos trabalhadores. "Quando começam a faltar recursos, a corda arrebenta no lado mais fraco e vêm as discussões para reduzir benefícios", diz ele, listando o debate para rever as regras do seguro-desemprego.

Procurado, o Ministério da Fazenda não explicou os cálculos de renúncia e a diferença entre os dados da Receita Federal e do Tesouro Nacional e também não comentou a possibilidade dos mesmos estarem subestimados, seja para 2013, seja para 2014.



© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Fonte: Valor Econômico

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…