Pular para o conteúdo principal

Aprenda a ser um empreendedor melhor com Game of Thrones

Você é um fã de GoT? Já está vibrando com a 4ª temporada, que estreou no último domingo? Se sim, você já deve ter notado que há muito o que aprender com alguns dos personagens da saga. Se não, essa é uma boa hora para começar a assistir a adaptação para TV da bem sucedida série literária Crônicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin. A ficção se passa em ambiente medieval e conta com a luta de diferentes personagens em busca do trono do reino de Westeros.

Ninguém nesta história pretende abrir uma empresa ou conquistar mercado, mas as atitudes, o planejamento e a dedicação de cada um são dignas de serem utilizadas no mundo dos negócios. Veja como a postura e atitudes de alguns personagens colaboraram para suas conquistas.

Atenção: este texto contém SPOILERS das três primeiras temporadas de Game of Thrones!

Busque um diferencial, como Daenerys Targaryen

O capital é muito importante em uma guerra, e isso não seria diferente em Game of Thrones. Mas a rainha Daenerys, nascida na tormenta, tinha algo além disso e que ninguém mais tinha: seus dragões. Empresas que possuem um diferencial sempre se destacam no mercado. Busque e aperfeiçoe o seu.

Supere obstáculos, como Jon Snow

O filho bastardo de um Lorde não é lá muito respeitado ou considerado em Westeros, mesmo sendo filho de Eddard Stark. Levando uma vida sempre a sombra dos irmãos legítimos, Jon era um típico revoltado por sua condição de bastardo, mas, ao entrar para a Patrulha da Noite, sua origem e sua vida antes de vestir o negro são uma boa alavanca para o sucesso.

Fique de olho na sua esquipe, como Rob Stark

O rei do norte sabe que não conseguiria conquistar seus objetivos sozinho. Após a morte de seu pai, Eddard Stark, e de se rebelar contra o jovem rei Joffrey Baratheon, Rob precisou da ajuda de outras casas e comandantes de guerra, reconhecendo a importância de seu trabalho. Rob trata muito bem os envolvidos nos confrontos com os inimigos e sempre considera suas opiniões.

Adapte-se às mudanças, como Stannis Baratheon

Ao perder a batalha da Água Negra, após a aliança dos Tyrell e dos Lanisters, Stannis foi forçado a se recolher de volta a Pedra do Dragão e rever sua posição na Guerra dos Tronos. Mesmo estando em uma nova (e pouco confortável) situação, o irmão mais velho do falecido Rei Robert se obrigou a aceitar a situação e se dedicar a novas maneiras de chegar ao trono de ferro. Aprenda com os erros, como Sor Barristan Selmy. Mesmo tentando acertar, ninguém está livre de falhas. Sor Barristan Selmy era comandante da Guarda Real de Aerys Targaryen e depois da guarda de Robert Baratheon. Com a morte dele, jurou proteger seu filho, Joffrey, e foi expulso e humilhado pelo jovem rei. Arrependido por sua “traição” à familia Targaryen, Sor Barristan Selmy procurou Daenerys para se redimir e servir sua rainha, ajudando-a em sua batalha para reconquistar o trono de ferro.

Saiba a hora de arriscar, como Tywin Lannister

Verdade seja dita, poucos personagens são tão corajosos e destemidos como o senhor de Rochedo Casterly. Graças a ele, Robert Baratheon derrotou Aerys Targaryen e Joffrey venceu a batalha da Baia da Água Negra, derrotando seu “tio” Stannis. Embora cruel, Tywin é sagaz e sabe quando deve se arriscar e quando deve se manter nas sombras. Prova disso é o famoso Casamento Vermelho, onde Rob Stark, o Rei do Norte, sua família e vassalos são massacrados durante o casamento de Edmure Tully e uma das filhas de Lorde Frei.

Além de emocionante, GoT é uma série cheia de bons exemplos. Na busca pelo poder, cada personagem mostra algumas das atitudes necessárias para ter sucesso no universo empreendedor. Aprenda você também.

Nícolás Párraga é digital marketing analyst da Staples no Brasil e na Argentina.


Fonte: Administradores via IPOG.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…