Pular para o conteúdo principal

Receita Federal apresenta novos projetos aos seus Auditores Fiscais

A presidente da ANFIP, Margarida Lopes de Araújo, e integrantes do Conselho Executivo e da Fundação ANFIP participaram hoje (23), em Brasília, da apresentação de projetos da Subsecretaria de Administração Aduaneira e Relações Internacionais (Suari) a entidades representantes da Auditoria da Receita Federal do Brasil (RFB). Também participaram do encontro o Sindifisco Nacional e o Sindireceita.

Ao abrir os trabalhos, o subsecretário da Suari, Ernani Checcucci, deu as boas-vindas à ANFIP e aos sindicatos como legítimos representantes dos servidores. "É interesse nosso fomentar o diálogo e o debate com todos os interessados e o corpo funcional é o maior tesouro da instituição", enfatizou.

Na sequência, o auditor-fiscal Marcelo Silva detalhou o projeto Portal Único do Comércio Exterior, o Portal Siscomex, que tem o objetivo de integrar os sistemas de controle dos órgãos governamentais que atuam no comércio exterior.  A intenção é otimizar e simplificar a intervenção estatal nos fluxos logísticos internacionais. Com a iniciativa, é possível fortalecer o comércio internacional e ampliar a competitividade brasileira.

Por fim, a auditora-fiscal Virgínia Medeiros explicou a implantação do Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA). A iniciativa é uma forma moderna de controle de cargas que cria a figura do OEA, um operador de comércio exterior de baixo risco em relação à segurança física da carga e ao cumprimento da legislação. Além de agilizar a liberação das cargas de empresas cadastradas como OEA, melhorando o fluxo do comércio entre países, o modelo permite liberar recursos humanos para concentrar esforços nos operadores de comércio exterior considerados de alto risco. Para ser certificada como OEA, a empresa interessada tem de cumprir uma série de exigências. O programa está em fase piloto e deve ser aplicado efetivamente em 2015.

A presidente Margarida Lopes de Araújo considerou importante modernizar os processos da aduana, mas enfatizou que é preciso assegurar número suficiente de Auditores-Fiscais para as atividades e para toda a RFB. "Nossa preocupação é que o número de auditores não acompanha a necessidade da fiscalização e da organização como um todo", constatou. Ela observou que, embora as ações estejam sendo racionalizadas, é preciso garantir o efetivo necessário de auditores, fazendo concurso com número suficiente de vagas. "Hoje, pede-se um concurso com mil vagas e apenas 278 são aprovadas", completou.

Cota para compras no exterior

O subsecretário Ernani Checcucci ainda confirmou a suspensão da redução de US$ 300 para US$ 150 da cota para brasileiros que fazem compras no exterior e ingressam no país por fronteira terrestre. A medida, anunciada no início da semana, deve vigorar a partir de julho de 2015, quando deverão estar instaladas as lojas francas nas cidades gêmeas de fronteira. Segundo Checcucci, países vizinhos como Argentina, Uruguai e Paraguai já adotam a cota de US$ 150.  Depois de implantada a mudança, o brasileiro poderá comprar US$ 150 nas nações vizinhas e mais US$ 300 nas lojas francas.

Comentários

  1. A auditoria de forma eletrônica agilizaria muito esse processo. É possível com o uso de papéis inteligentes em os códigos de barras são assinados digitalmente pelos emissores dos selos. Com um leitor a distância a fiscalização envia a um sistema de controle e visualiza e de uma só vez o lote de mercadoria. Descrição, preços e vendedor etc... Não é utopia, Basta um acordo entre os países do Mercosul.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Regina. Isso deixou de ser utopia há muito tempo

      Excluir

Postar um comentário

Compartilhando idéias e experiências sobre o cenário tributário brasileiro, com ênfase em Gestão Tributária; Tecnologia Fiscal; Contabilidade Digital; SPED e Gestão do Risco Fiscal. Autores: Edgar Madruga e Fabio Rodrigues.

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…