Pular para o conteúdo principal

Externalidade Econômica no SPED (e no eSocial)

Assim, quando uma pessoa faz a limpeza de uma calçada (passeio) , por livre iniciativa, em um bairro caracterizado como sujo ou malcuidado, está gerando uma externalidade positiva aos seus vizinhos. Seja porque eles possivelmente terão ganhos na qualidade de vida ou mesmo na valorização dos imóveis da redondeza. Esta externalidade é positiva. De outra forma, quando uma penitenciária instala-se num bairro, supostamente, os imóveis próximos à ela  perderão valor, gerando uma externalidade negativa.
No caso da regularização proposta pelo ambiente do SPED – Sistema Público de Escrituração Digital – poderemos perceber, também, estas externalidades. Estão tanto na condição de controle de documentos fiscais emitidos ou recebidos, nas relações de trabalho (eSocial) ou no controle contábil eficiente (e auditável). E poderão ser percebidos tanto como positivos, quanto como negativos, conforme cada caso.
Por exemplo, uma organização que concorre num ambiente de baixa formalização e é diferente das demais por ser adepta de práticas fiscais regulares, terá uma externalidade positiva no ambiente do SPED. Ao contrário dos demais concorrentes, que atualmente tem lucratividade maior, porém sob maior risco fiscal. Contudo, num ambiente de competição saudável, onde todos (ou quase todos) seguirão as normativas legais, a empresa regular terá uma visão positiva do mercado, seja pela eficiência ou pela segurança do investidor pelo baixo risco de passivos “ocultos”.
No ambiente proposto pelo SPED, quanto aos documentos fiscais eletrônicos, temos esta mesma situação: com a adoção de nota fiscal eletrônica para consumidores finais (NFC-e) o ”mercadinho da esquina” terá a mesma condição e obrigação dos grandes varejistas. Os riscos tributários estarão em patamar de igualdade. Tanto para o grande varejista haverá externalidade positiva, pois seus investidores perceberão que os mercados potenciais poderão ser explorados em condições de igualdade com os menores, como para o pequeno empresário que sendo alvo de melhores controles, em teoria implantará melhores políticas e processos, dando a ele melhor visão sobre suas operações.
A cruel decisão: “se eu não fizer operações ilícitas outro pequeno fará e tomará meu mercado consumidor” cairá na obsolescência. Ou seja, em visão de longo prazo, as boas práticas se coadunam para o crescimento da economia formal, gerando externalidade positiva (não foram os investidores privados que geraram novas condições de operação pelo SPED/eSocial).
Assim, os primeiros impactos do eSocial ou do SPED trarão perdas a maioria das companhias que usam da lógica de ganhar lucros imediatos, nem sempre lícitos. E o papel de qualquer governo de incentivar as pequenas empresas deve ser mantido, obviamente, já que é preciso viabilizar econômico-financeiramente os pequenos. Porém, sempre dentro da legalidade.
Por fim, é fácil perceber que quando um agente econômico gera risco para toda a sociedade, há geração de externalidade negativa. Por exemplo, numa contratação de trabalhadores para manipulação de cargas sem seguros previdenciários, chamados “chapas”. Caso haja uma situação em que é possível uma indenização, não sendo contratado o seguro prévio pelo INSS (registro do autônomo), a sociedade ganhará mais uma família a demandar dos programas sociais.

Por Mauro Negruni

Fonte: Mauro Negruni via José Adriano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…