Pular para o conteúdo principal

Por que o barato pode custar caro para o seu negócio

Especialista em empreendedorismo afirma que práticas informais impactam em uma grande desvalorização de qualquer tipo de negócio


Aqui se faz, aqui se paga

Caro empreendedor, você deve ter inúmeros motivos para manter a sua empresa, ou parte dela, na informalidade: a burocracia é excessiva e os impostos são altíssimos, por exemplo. Além disso, seu dinheiro invariavelmente é mal gasto pelo governo, seja pela má gestão ou pela corrupção dos nossos políticos, o que torna ainda mais desanimadora a tarefa de formalizar e profissionalizar seu negócio.

No entanto, o objetivo desse texto é fazê-lo refletir sobre algumas razões para “colocar tudo por dentro” como se diz na gíria dos negócios, principalmente em negócios de rápido crescimento.

Na Endeavor usamos a máxima “aqui se faz, aqui se paga” para traduzir a nossa visão de que não vale a pena adotar práticas informais. Afinal, acreditamos que um dia a conta chega: vem na multa de um fiscal da Receita ou do Ministério do Trabalho, cada vez mais competentes em descobrir irregularidades; ou então na dificuldade de atrair e reter jovens talentos, que não estão dispostos a arriscar sua carreira em uma empresa que trabalha no “jeitinho”; e ainda na complexidade de gerenciar um negócio com diversas contabilidades, CNPJs e folhas salariais.

Como resultado, essas práticas impactam em uma grande desvalorização da sua companhia, talvez seu principal patrimônio, no momento de entrada de um investidor ou na venda para um estratégico. Acredite, é a velha história do barato que sai caro.

Sabemos que, muitas vezes, é difícil mudar a mentalidade de sobrevivência do empreendedor, que recorre à informalidade para resistir à hostilidade do ambiente empreendedor no país, mas exemplos para comprovar que vale a pena se formalizar e se profissionalizar não faltam. Só no portfolio da Endeavor temos dezenas de casos de empresas que decidiram não pegar nenhum atalho e se valorizaram muito por isso.

Um bom exemplo de empreendedor que conseguiu usar a profissionalização do negócio a seu favor foi o Wilson Poit, da Poit Energia, vendida por 400 milhões de reais em 2012. A valorização da empresa se deu principalmente porque a casa estava organizada enquanto a de outras companhias do mesmo setor não estava.

Ele disse uma vez em entrevista à Endeavor que a concretização da venda da Poit para a Agrekko só aconteceu porque ele sempre procurou fazer tudo certo desde o começo. Os resultados fizeram tudo valer a pena.

Escrito por Juliano Seabra, especialista em empreendedorismo, e Luiz Guilherme Manzano

Juliano Seabra é diretor geral da Endeavor Brasil e Luiz Guilherme Manzano é gerente de Apoio a Empreendedores na Endeavor.

Fonte: Exame.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…