Pular para o conteúdo principal

Big data é a próxima ruptura da sociedade

Filósofo inaugura 16ª edição do IT Forum com reflexão sobre instauração da sociedade orientada por dados
Cada vez mais pautada pela tecnologia e os impactos provocados pelos seus avanços. Essa é a sociedade em que vivemos, chamada por muitos teóricos de hipermodernidade, na qual a saturação da técnica e da ciência produz novas transformações, inclusive na forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo.

Individualistas e centrados em seus projetos “selfie”, narcisistas, ambivalentes e românticos, cheios de dúvidas e incertezas. Essas foram algumas das características pontuadas pelo filósofo e professor Luiz Felipe Pondé ao buscar desenhar um retrato sobre o mundo contemporâneo e os traços que moldam o sujeito pós-moderno durante sua palestra de abertura do IT Forum 2014, que ocorre de 30 de abril a 4 de maio na Praia do Forte, Bahia.

Sob o tema central “Sociedade em Transição”, o especialista explorou diversas peculiaridades dos novos tempos a uma plateia composta por CIOs das maiores companhias do país e representantes da indústria de tecnologia. E nesse contexto, a tecnologia exerce um papel central no direcionamento do modo de vida, em particular, um conceito que empresas de tecnologia e o mundo do negócio vêm explorando bastante nos últimos anos: o big data.

Como um pensador, Pondé foi além dos aspectos técnicos e ampliou ainda mais os reflexos e impactos do big data, o que chamou de ciência e economia de troca de ideias: “O big data, claramente é a próxima ruptura da sociedade”, afirmou. Como ele próprio destacou, tudo ainda é muito recente e, por isso, tantas incertezas e tentativas de lidar com esse novo mundo de dados.

Fingir que não existe o big data já não é mais opção para empresas, mas há uma jeito certo para estabelecer as relações pautadas no uso desses dados? Lidar com os dados assim como bancos lidam com dinheiro, é um caminho vislumbrado pelo filósofo. A técnica e a tecnologia evoluem para que as empresas consigam resolver as questões práticas, principalmente relacionadas a coleta, análise, armazenamento de dados. Mas a inteligência que fará a diferença em meio a uma grande quantidade de informações vai além.

O que fará a diferença para as empresas que vão sair na frente nessa nova era que se instaura? As perspectivas apontadas por Pondé você confere na cobertura completa do ITForum 365 na próxima edição impressa. 

Fonte: itforum365

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…