Pular para o conteúdo principal

Novos módulos do SPED e as alterações relevantes para 2014 e 2015 e os reflexos para questões práticas atuais

Pessoal,

Depois da Copa é preciso retomar o curso natural da vida, e nada melhor do que encontrar com as principais referências sobre os projetos andamento, Projeto Sped, Bloco K( Livro de controle da produção e do Estoque - P/3), EFD CONTRIBUIÇÕES, ECF - Escrituração Contábil Fiscal, e a e-Social. 

Vejam os detalhes abaixo:

  
"Novos módulos do SPED e as alterações relevantes para 2014 e 2015 e os reflexos para questões práticas atuais"

    



 Público Alvo

Advogados, Diretores e Gerentes Jurídicos de Empresas, Empresários, Contadores, Controladoria de Tributos, especialistas e consultores de imposto, Consultores de RH e demais interessados no assunto.

Objetivo 

Demonstrar as evoluções sobre as regras relacionadas aos módulos do SPED, sob a visão Jurídica, Contábil e Empresarial. Baseado incialmente no tripé Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), Escrituração Contábil Digital (ECD) e Escrituração Fiscal Digital (EFD) e os reflexos nos cruzamentos eletrônicos de informações fiscais, esse cenário vem modernizando a relação entre Estado e os contribuintes tanto para pessoas físicas como as jurídicas, através das coobrigações tributárias acessórias e promovendo as integrações fiscais entre a União, Estados e Municípios.


Convidados


Jonathan José Formiga de Oliveira 
Auditor-Fiscal da RECEITA FEDERAL DO BRASIL - Supervisor da Escrituração Fiscal Digital das Contribuições sobre Receitas

Edgar Madruga 
Professor e Coordenador de pós-graduação, Administrador de Empresas e Auditor

Samuel Kruger 
Auditor Fiscal e Supervisor Nacional do eSocial na Receita Federal do Brasil 


Tânia Gurgel
Professora de pós-graduação, Advogada Tributarista e Contadora e especialista em tributos, com ênfase nos módulos do SPED e eSocial, Coordenadora da Comissão de SPED e NFe pela OAB/SP

Fábio Rodrigues 
Professor de pós-graduação na FIPECAFI, UNISO, IBG, ITE e IPOG. 

Jorge Campos 
Palestrante da Rede Social SPED Brasil e da rede 360º com 34 mil membros. 

Clovis Belbute Peres
Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil


Elias da Silva Jr. 
Gerente de Controle Tributário na Petrobras Distribuidora S.A.


 Temas Abordados


Melhores práticas do cenário SPED no Brasil, cases e o futuro do SPED

- EFD Contribuições obrigatoriedade para o Segmento Financeiro - Tipos societários e Obrigações Tributárias -Mudança na escrituração contábil da SCP – sócio ostensivo deve declarar em separado – procedimentos;


- EFD ICMS/IPI -  BLOCO K  a ser implantado 2015 – cruzamento com a Nfe e NFCe- controle de Estoque e os reflexos nos controles de ICMS e IPI;


- eSocial - a escrituração digital da folha de pagamento e das obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas a todo e qualquer vínculo trabalhista contratado no Brasil;


- A importância da transparência no setor público e a auditoria eletrônica das informações fiscais - O papel do Fisco no projeto SPED;


- EFD do IRPJ e da CSLL - obrigação para empresas do Lucro Presumido e Lucro Real - fim da DIPJ e o cruzamento para ECD (Escrituração Contábil Digital)


- EFD Contribuição - PIS/COFINS: os reflexos tributários dos incentivos fiscais na base de cálculo do PIS e COFINS, ampliação do conceito de faturamento e de insumos na tomada de crédito, os reflexos do PIS e COFINS na Lei 12.973/2014 com a conversão da MP 627, cruzamento das informações com EFD ICMS/IPI e ECD,  Inadequação – riscos de autuação sobre o faturamento;


- Desoneração da folha de pagamento, a incidência do INSS, FGTS e IRRF em verbas Indenizatórias e adequações ao SAT/RAT ;


- SPED no cenário jurídico e corporativo. 
De quem é a responsabilidade? 
Gestão do SPED em Grandes Empresas.


Quais politicas e normas para a segurança da informação?



Coordenação Científica:

Tânia Gurgel



Colaboração:

Jorge Campos


Carga Horária: 9 Horas
Local: Pullman SP Vila Olímpia | Caesar Business Faria Lima 
Rua Olimpíadas, 205 Vila Olímpia – CEP: 04551-000 – São Paulo – SP


Data: 08/08/2014


Faça já a sua inscrição!


Tel: (11) 3291-5050 
E-mail: info@abat.adv.br 

Fonte: SPED Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…