Pular para o conteúdo principal

eSocial - um caso excepcional de Big Data

Muito mais do que um desafio organizacional, o eSocial também levará mudanças tecnológicas para dentro das empresas. O programa, em si, pode ser considerado uma revolução da tecnologia. Estruturado como arquitetura de inteligência fiscal, o projeto terá a capacidade de cruzar as informações, apurar as inconsistências e inconformidades, além de registrar e aplicar as penalidades descritas na legislação. O eSocial pode ser considerado um caso extraordinário de Big Data.

Dentro da Tecnologia da Informação, o Big Data refere-se a um grande armazenamento de dados com grande velocidade. Especialistas da área explicam que ele está baseado em cinco Vs: velocidade, volume, variedade, veracidade e valor. De uma forma simples, o software de Big Data recolhe todos os dados que uma organização gera e permite que os administradores e analistas se preocupem em como usá-los mais tarde.
O que vai diferenciar o Big Data do governo do convencional é que as informações estarão organizadas, até para que seja possível fazer o cruzamento dos dados e obter resultados satisfatórios. Mas o eSocial será, sim, um enorme arquivo de dados com centenas de milhões de informações.

Mudanças dentro das empresas

E já deu pra perceber que não é somente o governo que terá um enorme Big Data. Dentro das empresas, a situação não será muito diferente, pois, para acompanhar o sistema do governo, elas precisarão atualizar os próprios sistemas. Muitas companhias terão que implementar softwares para a integração dos processos, como folha de pagamento, RH, medicina do trabalho, fiscal, tributário, jurídico, entre outros. Afinal, os sistemas das empresas deverão ser compatíveis com as determinações do eSocial, fixadas pela normativa.

O eSocial é considerado o programa mais amplo dentro do sistema SPED (Sistema Público de Escrituração Digital), pois exige diversos tipos de transmissões diferentes que incluem o Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (Sefip/GFIP), o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf), a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) e Arquivos eletrônicos entregues à fiscalização (Manad).

No começo, o eSocial poderá parecer um sistema mais complicado, pois será necessário um grande esforço para iniciar o processo, mas a partir do momento que as informações estiverem organizadas, o andamento ficará facilitado.

Fonte:  ComputerWorld.com e IBM via José Adriano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…