Pular para o conteúdo principal

Teles insistem em NFC no SIMcard, mas prometem focar em conveniência

As operadoras móveis não jogaram a toalha em relação ao NFC (tecnologia de comunicação por proximidade). Pelo menos na França, terra que concentra alguns dos principais fabricantes de SIMcards, as teles ainda demonstram otimismo na adoção de soluções com NFC no SIMcard, elemento controlado pelas operadoras, que podem cobrar o aluguel do espaço para a instalação de aplicações de terceiros. Isso ficou claro na palestra de abertura da Cartes 2014, em Paris, realizada pelo diretor do programa de NFC da operadora francesa Orange, François-Xavier Godron, nesta terça-feira, 4.

O executivo abriu sua palestra apresentando os números mais recentes do mercado francês em NFC. Atualmente, um em cada dois aparelhos vendidos pela Orange possuem a tecnologia. E SIMcards com essa tecnologia estão disponíveis em todas as lojas da empresa. Ele estima que 65% da base de aparelhos na França já esteja habilitada para o uso desse canal de comunicação de dados por proximidade. Grandes redes varejistas, como Carrefour, estão adaptando seus caixas para receberem pagamentos por NFC. E no ano que vem 30% dos caixas nas agências de Correios da França estarão habilitados. Paralelamente, a Orange tem contribuído para o lançamento de diversos serviços envolvendo NFC, tanto de pagamento, quanto de identificação. Há desde ônibus e trens adotando a solução, com o celular substituindo o tíquete, até companhias aéreas, como a AirFrance, testando o cartão de embarque dentro do telefone, além de serviços de pagamento móvel.

O diretor da Orange aproveitou para comparar a solução do elemento seguro no SIMcard com aquela na nuvem, proposta pelo Google com a funcionalidade de HCE (Host Card Emulation), presente nas versões do Android a partir do KitKat. O executivo destacou que o elemento seguro no SIMcard é comprovadamente menos suscetível a fraudes, além de estar ligado a um ecossistema mais maduro. E o principal: tem a conveniência de funcionar mesmo sem rede de dados ou quando a bateria acaba. O único ponto positivo a favor do HCE que Gondron reconheceu é a facilidade do provisionamento do cartão, feito diretamente pelo emissor para o usuário final, sem necessidade de intermediação pelas operadoras.

Conveniência

Se a segurança é um forte da solução baseada em SIMcard, por outro lado, a indústria móvel reconhece que precisa aprimorar a conveniência dos serviços com essa tecnologia. "Sabemos que "trust is a must". Sem segurança, serviços convenientes podem se tornar um pesadelo. Se já garantimos a segurança (na solução baseada em SIMcard), agora a palavra de ordem é conveniência, conveniência e conveniência", disse Oyvind Rastad, chairman da consultoria Eurosmart.

Fernando Paiva, de Paris*

Fonte: Mobile Time

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…