Pular para o conteúdo principal

O Dilema do Preso, a carga tributária e os serviços públicos

“O sucesso econômico (e social) está intimamente relacionado com o sucesso dos
empreendedores. Se a atividade econômica está em expansão, os tributos
arrecadados, provavelmente, estarão também. Com mais recursos, a
prestação de serviços, por parte do Estado, será melhor e mais
abrangente” Mauro Negruni.
Em 1994 John Nash recebeu o prêmio Nobel de Economia. O ilustre matemático norte americano, professor e inspirador do filme “Uma Mente Brilhante” (2001), sofre de Esquizofrenia e ainda assim ensina matemática na Universidade Princeton em Nova Jérsei, Estados Unidos.

A brilhante contribuição com a Ciência Econômica, assim como retratado no filme, está na nova relação proposta na teoria de Nesh. Ao contrário de todas as teorias de competição e proveito próprio, Nesh propõe algo novo: um  ambiente competitivo onde todos os participantes tiram proveito do coletivo. É fácil entender a lógica objetiva do conceito, por exemplo, pelo jogo Dilema do Preso. Eu prefiro utilizar uma outra situação, mais drástica e no limite da percepção humana:

- imagine um local lotado de pessoas, por exemplo, um cinema, teatro ou estádio;

- imagine que inicia um incêndio;

- é natural que todas as pessoas irão correr para as saídas de emergências, mesmo que o mais recomendado seja agir com calma e organização e então mais pessoas serão salvas – e será que estaremos entre estas?;

- todos sabem que, se houver tumulto, todos serão prejudicados e muitos poderão perder a vida, mas no mais irracional instinto de sobrevivência se aglomerarão nas saídas, provavelmente.

Utilizando-se o exemplo acima, as pessoas têm ciência que seu comportamento trará benefício ou prejuízo a alguns, todavia, no intuito de salvar a si próprio, tendem a agir sem pensar no coletivo.

Trazendo este cenário para a economia, há casos em que esta teoria é muito bem aplicada. Por exemplo, nos Shoppings Centers, onde todos os lojistas beneficiam-se em compartilhar recursos mesmo disputando os clientes que pelo empreendimento circulem. Ou seja, apesar da concorrência é melhor estar dentro do Shopping do que isolado em uma esquina, provavelmente – óbvio que há várias exceções.

Também é assim quando há reconhecidos locais que especializaram sua atuação, tais como a famosa Rua Vinte e Cinco de Março em São Paulo, o bairro Santa Felicidade em Curitiba e tantos outros exemplos onde apesar da concorrência próxima há o benefício para todos pela proximidade e pela criação de uma identidade comercial com benefício de todos.

Nas relações entre os contribuintes e o Estado há esta mesma relação, ou pelo menos deveria existir. O estado arrecada tributos dos contribuintes exatamente para que haja serviços a disposição da sociedade. Ou seja, se um contribuinte não recolhe a sua cota de contribuição ao fundo comum (Estado), a prestação de serviços estará ameaçada. Então, ainda que haja uma “vantagem” individual o coletivo estará ameaçado.

Por outro lado, se o Estado impõe maior carga tributária, os contribuintes estarão sob risco de manutenção de suas atividades. Na verdade, o sucesso econômico (e social) está intimamente relacionado com o sucesso dos empreendedores. Se a atividade econômica está em expansão, os tributos arrecadados, provavelmente, estarão também. Com mais recursos, a prestação de serviços, por parte do Estado, será melhor e mais abrangente.

O limite desta relação é quase imperceptível, pois o Estado no intuito de mais arrecadar poderá ser gatilho para a desaceleração econômica (gerando maiores custos nos produtos através de mais tributos). Por outro prisma, se o Estado não arrecadar o suficiente para a manutenção dos serviços públicos a sociedade organizada teria o caos, sem recolhimento de lixo, saúde, bombeiros, etc.

Talvez este limite e a relação de custo-benefício dos serviços públicos esteja presente em todas as relações entre o cidadão e o Estado, mas a percepção de retorno pelos serviços oferecidos faça a balança desequilibrar.

Quando pagamos os tributos através do consumo, operações financeiras e afins, , estamos gerando tributos e quando utilizamos os serviços da justiça ou polícia, por exemplo, estamos utilizando serviços públicos. Quando compramos comida, pagamos tributos. Esses tributos servirão, por exemplo, para a manutenção da vigilância sanitária que inspeciona os estabelecimentos que comercializam alimentos. Ocorre que quando o Estado não presta seus serviços alinhados à expectativa dos contribuintes, ou há privilégios para alguns, poderá vir à mente do contribuinte:  “porque pagar este imposto que não tem serventia?” Ou, “por que eu tenho que pagar esses tributos, se apenas alguns da mais alta corte de justiça terão benefícios que não estão ao alcance dos demais cidadãos?” ou questionará qual é a lógica de benefícios aos responsáveis pelo “ônus da conta” (contribuinte).

Nesh, realmente tem razão em propor uma teoria de benefícios pela ajuda mútua, ainda que haja concorrência entre os atores econômicos. O mais incrível é o caso da relação entre os cidadãos e o Estado: sequer há concorrência e mesmo assim a percepção, de muitos, é que o retorno em relação ao investimento é parco.

Por Mauro Negruni

Mauro Negruni é Diretor de Serviços da Decision IT e membro do grupo de empresas participantes dos projetos piloto do SPED

Fonte: Coluna de Mauro Negruni no Baguete via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…