Pular para o conteúdo principal

O custo de não fazer nada pela saúde



Por Edgar Madruga



Ao longo de minha vida profissional tenho compartilhado temas ligados à área tributária e feito convites para pensarmos de forma estratégica a gestão do risco fiscal. Hoje, quero fazer algo diferente. Continua sendo um convite, mas um convite para que você se cuide!

Falo da campanha Novembro Azul, em prol da prevenção do câncer de próstata. Queria lhe perguntar: você já foi fazer a gestão do risco de sua saúde? Para nós, tão acostumados com a importância do aprendizado constante na área profissional, por que também não utilizarmos estas técnicas no campo pessoal?

As respostas não são tão simples, pois estamos falando de comportamento, de pessoas. Para quem já tomou esta decisão, parabéns! E os demais? Vamos esperar tomar um susto, tal qual uma multa fiscal em decorrência de um “desafio” não corretamente observado? Desejo sinceramente que não.

Como homem, sei – em causa própria – o quanto somos mais resistentes que as mulheres à ideia de ir regularmente ao médico. Mas este comportamento leva ao risco de descobrirmos a doença em estágio já avançado, dificultando em muito o tratamento.

Conforme a Sociedade Brasileira de Urologia, o câncer de próstata é o câncer mais frequente no sexo masculino. Estatísticas apontam que a cada seis homens, um é portador da doença. Na fase inicial, em que não há qualquer sintoma do mesmo, as chances de cura são de cerca de 90%.

Conversei com amigos médicos e eles me informaram que a “gestão do risco” recomendada é que homens a partir de 50 anos procurem um urologista para realizar exames de prevenção. Estes exames consistem numa coleta de sangue para medir a dosagem do PSA e o exame digital retal. Aqueles com maior risco da doença devem procurar o urologista a partir dos 45 anos. Detalhes que não domino, o urologista com certeza explicará melhor do que eu.

Philip Kotler tem uma frase que muito uso em minhas palestras: “As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.” Então, parafraseando Kotler, lhe convido a preocupar-se com o custo de não fazer nada por sua saúde.



Edgar Madruga é professor e coordenador do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (Ipog)

Publicado no Jornal O Popular de 25/11/2014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…