Pular para o conteúdo principal

Força tarefa conclui análise de documentos da Operação Zelotes

Material está sendo preparado para que MPF faça as primeiras denúncias

BRASÍLIA - A força-tarefa da Polícia Federal, Ministério Público Federal e Receita Federal concluiu a análise dos documentos apreendidos na Operação Zelotes e prepara o material para que o MPF faça as primeiras denúncias dos envolvidos no escândalo de compra de sentenças do Conselho Administrativos de Recursos Fiscais (Carf). Segundo fontes ouvidas pelo GLOBO, houve uma mudança de estratégia: agora, os procuradores da República farão denúncias individuais e não mais em grupo de conselheiros e empresas como estava previsto antes. Só depois de abrir os primeiros processos, pensarão em denunciar quadrilha ou organização criminosa.

Muitas das denúncias serão de empresas e conselheiros que nem apareceram no inquérito da PF. Isso porque as investigações se concentraram em apenas um período do ano passado. No entanto, a Receita Federal levantou internamente provas contra casos suspeitos. Isso abasteceu as investigações e agregou provas de corrupção e tráfico de influências.

— Estamos partido das empresas, passando pelas empresas de lobby e chegando aos conselheiros para montar os casos. Estamos selecionando os casos mais maduros para poder fechar cada quebra-cabeça — explica uma fonte a par das investigações. - Essa operação tem um potencial bem explosivo, mas não vai ter um perfil como a Lava-Jato.

Na avaliação de pessoas dentro da força-tarefa dentro das investigações, a apuração poderia ter sido mais eficaz se a Justiça não tivesse suspendido as escutas justamente num momento crucial de investigação de grandes casos de corrupção.

— Mesmo com todos os problemas, a gente avalia que já houve um grande efeito a operação, principalmente, educativo na prevenção da corrupção entre os servidores públicos — diz um outro responsável pela apuração.

Além desse impacto, há outras conquistas como a mudança feita pelo Ministério da Fazenda que impede que conselheiros do Carf atuem como advogados. É uma das alterações já feitas pelo governo após a primeira fase da Operação Zelotes. No entanto, a principal reforma no conselho defendida pela PF e pelo MPF — a exclusão de representantes dos contribuintes — não deve ser feita.

A avaliação do governo é que comprar briga com as entidades empresariais no atual momento de desgaste do Palácio do Planalto seria insano. Além disso, a mudança deveria ser feita por projeto de Lei, que tem de ser aprovado pelo Congresso Nacional onde os empresários têm força. Colocar uma matéria dessa em votação poderia ser mais uma derrota da presidente Dilma, na avaliação de interlocutores do Planalto.

POR GABRIELA VALENTE

Fonte: O GLOBO

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/forca-tarefa-conclui-analise-de-documentos-da-operacao-zelotes-16140469#ixzz3aA50Efwo 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…