Pular para o conteúdo principal

Nova era contábil nas empresas

Nova lei além de exigir auditoria nas demonstrações contábeis, obrigou-as a se adequarem às normas emitidas pelo IFRS

Desde a emissão da lei 11.638, sancionada pelo Governo Federal Brasileiro no final de 2007, alterando a lei 6.404/76 (Lei das S.A.s), as empresas de grande porte passaram a ter a exigência de auditar seus balanços por auditorias independentes registradas na Comissão de Valores Mobiliários.

Entende-se por empresa “de grande porte”, aquela que obtenha ativos total superior a R$ 240 milhões ou receita bruta anual superior a R$ 320 milhões. Essa nova lei além de exigir auditoria nas demonstrações contábeis, obrigou-as a se adequarem às normas emitidas pelo IFRS. Essa exigência tem aumentado o volume de empresas auditadas no país.

A CVM há tempos se pronuncia sobre o assunto afim de elucidar alguns pontos, que aparentemente não ficaram tão claros, pois antes da lei 11.638, a auditoria só era obrigatória para sociedades anônimas registradas como companhias abertas na Comissão e para empresas reguladas, como instituições financeiras e seguradoras, embora haja também clientes voluntários, além das subsidiárias locais de multinacionais.

Para o VP de Auditoria da b2finance, Julio Baffini, a regulamentação é realmente necessária, pois irá balizar os informes que devem ser elaborados já no exercício, "bem como apresentar grandes corporações ao mercado, antes não alcançadas pelas normas e ainda terão a obrigatoriedade de terem suas peças contábeis analisadas por auditores independentes"..

A forma encontrada para monitorar o cumprimento da lei, surgiu primeiramente com a inclusão do campo obrigatório na Escrituração Contábil Digital do Sped (inciso II do Art. 4º da Instrução Normativa DREI N.º 11, de 5/12/2013 - (Departamento de Registro Empresarial e Integração), onde deve conter o nome do auditor e o registro na CVM, e em 25 de março de 2015, fechou o cerco com a emissão da deliberação JUCESP n° 02, obrigando a publicação de seus balanços anuais, sem os quais não serão registradas as atas de reunião ou assembleia de sócios de sociedades de grande porte.

"Isso significa que as empresas que não tiverem auditoria, terão que correr para se adaptar à referida lei, o trabalho de auditoria dos balanços deve ser feito obrigatoriamente por profissionais registrados na CVM’, conclui Baffini. Ter informações oriundas de uma auditoria favorece o negócio, incorpora uma visão externa, orienta o modelo de gestão e a exposição ao risco da companhia. Posted by: Portal Administradores

Sua contabilidade o atende? E ao Fisco?

Imagine uma empresa cujos diferentes departamentos não conversem entre si, de forma que todas as informações referentes a eles sejam tratadas de maneira individualizada e sem considerar o contexto geral do negócio.

Para piorar, os sócios deste estabelecimento não sabem separar a vida pessoal da profissional.

Os lucros gerados pela pessoa jurídica são incorporados às contas da pessoa física sem a menor cerimônia, deixando nas mãos do contador a inglória tarefa de organizar – se é que isso é possível – os dados contábeis e fiscais e transmiti-los à Receita Federal.

Como empresário contábil há mais de 50 anos e vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), habituei-me a ver situações como essas desabarem diante do olhar atento do fisco e resultarem em multas altamente dispendiosas ou até na dissolução total e irrevogável do empreendimento.

Com a implantação do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) - que trouxe consigo a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), o eSocial, a Escrituração Fiscal Digital (EFD), além de uma série de outras ferramentas para aprimorar o envio e o monitoramento dos dados fiscais de maneira eletrônica, tornou-se ainda mais eficiente o cruzamento de informações na Receita referentes ao negócio e, consequentemente, à fiscalização e às punições inerentes a quem não realiza essas tarefas corretamente.

Nem mesmo os empresários devidamente cuidadosos e conscientes de suas obrigações estão 100% protegidos de uma eventual ação do fisco, sobretudo se não tiverem como comprovar documentalmente a idoneidade de suas operações.

Diante de todos esses avanços tecnológicos dos órgãos fiscalizadores, tem crescido substancialmente a importância da contabilidade para dar segurança jurídica e oferecer as informações necessárias às decisões estratégicas da empresa, ao realizar os controles internos e utilizar sistemas próprios para inter-relacionar os dados gerados das diversas áreas do estabelecimento, desde os estoques até o contas a pagar.

Um grande erro que se comete nos empreendimentos comerciais, Brasil afora, é acreditar que, por estar enquadrado no Simples Nacional, se é isento de investir numa contabilidade capaz de operacionalizar informações que vão muito além do que se está disposto nos livros caixa.

Ignoram, por exemplo, que abastecer o livro caixa dá muito mais trabalhoso do que realizar uma contabilidade efetiva, sem considerar a possibilidade sempre real de operacionalizar tais informações de forma inconsistente com as exigências dos fiscos municipal, estadual e federal.

Da mesma forma que os contadores meramente cumpridores de obrigações fiscais estão às vésperas da extinção, as empresas que conservarem essa visão ultrapassada da contabilidade terão sérios problemas, não apenas em lidar com as exigências fiscais, mas também em planejar estrategicamente a sua empresa para se manter competitiva, obter lucros cada vez maiores e saber quantificar corretamente esses dividendos.

Por tudo isso, é altamente arriscado dispensar uma contabilidade séria e capaz de contribuir para a gestão empresarial do seu negócio.

Cabe ao contador realizar registros, escriturações e demonstrações contábeis, analisar balanços, intermediar o relacionamento fisco-contribuinte e, principalmente, prestar assessoria contábil, ponderando os dados da empresa, fazendo projeções para auxiliar efetivamente o empreendedor nas tomadas de decisões, a optar acertadamente pelo regime mais adequado para o seu tipo de negócio, e assim reduzir a sua carga tributária de acordo com as previsões legais.

Com o chamado “Big Brother Fiscal” que vem sendo gradualmente implantado, já não há mais espaço para erros, a profissionalização da empresa se faz imprescindível e as fraudes e a sonegação estão com os dias contados.

Para não errar nessa importante escolha para o seu negócio, certifique-se de procurar uma empresa contábil com qualidade comprovada e solicitar uma proposta por escrito, em que constem os deveres e obrigações do prestador de serviço e do próprio cliente, bem como os prazos, regras e periodicidade de reuniões e de apresentação dos trabalhos.

Só assim o seu estabelecimento estará protegido dos olhares do fisco e preparado para crescer de maneira segura e sustentável no longo prazo. 

Posted by: José Maria Chapina Alcazar - vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…