Pular para o conteúdo principal

Gestão e planejamento tributário: “Dai a César o que é de César”

Normalmente ninguém gosta de pagar tributos, sobretudo quando verifica que a parte de seus rendimentos e recursos que lhe foi retirada pelos governos é utilizada de forma errada ou até mesmo irresponsável pelos dirigentes do País. Neste caso, a sociedade não consegue ver que os recursos que entrega aos governos retornem na forma de benefícios.

Muitas revoluções já ocorreram no mundo em razão dos tributos. No Brasil, o principal movimento foi a Inconfidência Mineira, que redundou com a morte na forca de seu líder, Joaquim José da Silva Xavier, que tinha a alcunha de Tiradentes.

A rejeição por tributos sempre foi tão grande que até algumas expressões que utilizamos em nossa língua são oriundas dos tributos, tal como “quinto dos infernos”, em referência ao quinto, imposto no valor de 20% que os demais países deviam pagar para Portugal quando compravam mercadorias do Brasil, na época colonial.

Para evitar o pagamento dos tributos, muitos cidadãos e empresas buscam formas ilegais, o que constitui crime contra a ordem tributária, conforme determina a Lei n.º 8.137/90, porém os fiscos, seja federal, estadual ou municipal, estão se aperfeiçoando no combate a tal situação, havendo inclusive a troca de informações entre os mesmos.

Desde a criação da nota fiscal eletrônica, o comportamento dos contribuintes precisou ser alterado, pois os fiscos passam a conhecer as compras de todos os agentes da sociedade, sejam elas pessoas físicas ou jurídicas, mesmo antes que a mercadoria saia do estabelecimento do vendedor. Além disso, os SPEDs fiscal e contábil foram criados de forma a ampliar o controle sobre as empresas.

Com toda esta situação, somente a gestão e o planejamento tributário, que constituem um gerenciamento fiscal de forma lícita - portanto legal -, possibilitam tanto aos cidadãos como às empresas a possibilidade de pagar menos tributos sem incorrerem em crime de sonegação ou risco fiscal.

Inicialmente, o planejamento tributário era praticado na área jurídica, com os advogados discutindo os textos legais e suas interpretações – processo denominado de planejamento tributário contencioso administrativo ou judicial. Nessa modalidade, muitas vezes um resultado efetivo pode demorar até mais de dez anos para transitar em julgado, o que dificulta a obtenção de seus reais benefícios.

No entanto, há aproximadamente dez anos, deu-se início a utilização do processo que se conhece como gestão e planejamento tributário - chamado de operacional -, no qual se faz necessária e importante a presença do profissional da contabilidade.

A grande diferença, nestes casos, é que, com a inclusão do profissional da contabilidade na gestão contábil e tributária, seja em conjunto ou não com advogados, os reais benefícios tributários são obtidos de imediato, desde o primeiro mês de atividade de tais profissionais, que possuem um conhecimento específico no sentido de analisar a legislação de forma a operar ao menor custo possível, sem incorrer em penalidades fiscais.

A importância da participação dos profissionais de contabilidade se tornou tão fundamental que os bons escritórios de advocacia tributária procuram manter uma equipe própria ou terceirizada de contadores, visando a obter os maiores resultados possíveis e de maneira mais rápida.

A gestão e planejamento tributário estão disponíveis tanto para as grandes empresas quanto para as médias e pequenas que também podem se utilizar do benefício por intermédio de consultores contábeis tributários.

Finalmente, é muito importante lembrar a mais antiga lição de gestão e planejamento tributário, que encontramos registrada na Bíblia Sagrada:

“ - É lícito pagar tributo a César, ou não?
- Mostrai-me um denário. De quem é a efígie e a inscrição?
- De César.
- Daí, pois a César o que é de César...”


Mauro Fernando Gallo - Doutor em Ciências Contábeis, professor da disciplina “Benefícios Fiscais e Planejamento Tributário” no MBA Contabilidade e Direito Tributário do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…