Pular para o conteúdo principal

EFD Fiscal com Livro da Produção e do Estoque

Mercadorias geralmente são decorrentes de processos fabris que com entrada de insumos adequados geram novos produtos que ao final da cadeia de produção serão entregues como produtos acabados destinados a comercialização.

Obviamente, uma indústria poderá realizar a totalidade da cadeia, em outros casos a uma complexa operação da linha de produção entre fornecedores de matérias-primas e produtos semi-acabados. Em alguns casos, as unidades produtoras realizarão apenas parte do beneficiamento da cadeia, etc. Não obstante a esse sistema complexo e sensível está o controle de produção. Nele, mais conhecido como PCP – Planejamento e Controle da Produção derivado do inglês: Production, Planning and Control, se deposita as variáveis de tempo, capacidade, embalagens, energia, ciclos, mão-de-obra, intervenções entre outras tantas variáveis para obter-se a capacidade de produção e a programação do uso do sistema produtivo da empresa.

Então, a partir da capacidade instalada pode-se obter a produção possível e a realizada, bem como os custos gerados que contabilmente transformar-se-ão em custo da produção, ou seja, simplesmente CP. Neste caso os custos que valoram os produtos produzidos num espaço de tempo (geralmente um mês) que serão lançados na contabilidade como produtos acabados, ou semi-acabados, em processos, etc conforme o ciclo de produção. Afinal os produtos que estão sendo construídos podem levar anos, como um navio, um prédio ou segundos como uma fábrica de latas, por exemplo. Os materiais são transformados e seus registros são computados na contabilidade.

O livro que desde 1970, estabelecido pelo convênio ICMS S/N, demonstra esta transformação nas indústrias é chamado de livro P3. E a partir da publicação do Ato COTEPE 52/2013 trouxe a sua versão de ingresso no SPED – Sistema Público de Escrituração Digital. Nele está especificado a forma e o conteúdo para geração e entrega das informações da produção e sua valoração.

Este modelo de livro esteve em discussão no âmbito do GT48 por vários anos, sendo a Unidade Federativa mais audaciosa Minas Gerais, tanto que chegou a publicar a resolução 3.884/07 estabelecendo um livro digital no então chamado “SPED Mineiro”. Foi reformada resolução da própria SEF/MG 4.532/13 que ainda vigora (entrega por demanda).

Algo que poderá passar despercebido, e não deve, é que o ato COTEPE acima mencionado, alterou também o bloco H, no registro H010, incluindo o valor do estoque para efeitos de imposto de renda. Aqui neste blog www.mauronegruni.com.br já falamos em inúmeros artigos sobre as distinções quanto aos critérios contábeis e fiscais sobre a contabilidade.

Cabe lembrar por fim que uma indústria que em seu planejamento tributário aponte para o regime do lucro presumido terá que informar os controles dos registros 0210, H010 e também o bloco K, pois em sua instrução no próprio ato informa que é obrigatório para todos os contribuintes.

Para alguns fabricantes haverá alguma dificuldade em explicar que alguns produtos não são produzidos exatamente como descritos nas ordens de produção, pois no momento da efetiva execução da rotina houve substituições que geraram perdas maiores ou produção mais eficiente. Isso é natural da rotina de produção, porém, o controle deverá registrar os fatos que geraram tal desempenho ao menos para informar aos Fiscos. Veja-se pelo lado bom, afinal o Fisco pela sua exigência fará com que todos os produtores passem a controlar e a registrar precisamente seus custos e movimentações de materiais.

Por Mauro Negruni – Diretor de Serviços da Decision IT e membro do Grupo Empresas Participantes do Projeto Piloto da EFD Contribuições.

Fonte: Decision IT via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…