Pular para o conteúdo principal

Remoção de conteúdos ofensivos da Internet: Possibilidade técnica e a atividade pericial

Você está movendo uma ação para compelir o provedor de serviços a retirar determinado conteúdo de um site. Ele resiste, alegando que a obrigação é impossível. A tutela antecipada é indeferida, mas na sentença você obtém o provimento, para que o provedor, sob pena de multa diária, retire o conteúdo.

Ele apela e a apelação tem efeito suspensivo sendo que o conteúdo continua no ar. Anos depois, a apelação é julgada e o Tribunal confirma a decisão de primeiro grau. Aí vem o espanto, pois em recurso especial e extraordinário o provedor recorre alegando que o conteúdo já havia sido removido há muito tempo, buscando se livrar da conversão em perdas e danos e da multa moratória. O que não é verdade.

Mas e agora, como provar que o conteúdo esteve no ar até recentemente?

Isso vale também para o recurso autocomplementar de alguns buscadores ou mesmo para o pesquisas relacionadas, que as vezes pode associar pessoas e empresas a termos pejorativos. Você registra um print screen para embasar a sua ação e na contestação o provedor informa que a “associação ao termo pejorativo nunca existiu” e ainda aduz que você está agindo de má-fé.

Estes são apenas dois exemplos onde a perícia digital é fundamental. Casos onde o provedor alega que cumpriu a obrigação e a parte contrária diz que não, forçosamente, vão passar por um perito em informática. Mas como o perito em tecnologia da informação vai formar seu entendimento? Certamente consultando o estado atual da Internet, que pode não refletir a ofensa que a vitima sofria no passado ou há dias atrás.

Daí a importância de, em ações desta natureza, ocorrer um registro constante dos sites e associações ofensivas, de preferencia em períodos não maiores que 7 (sete) dias, durante todo o trâmite processual. A perícia ou assistência técnica pode ser contratada para auditar periodicamente, registrar e custodiar em laudo as constatações semanais, com adendos ao laudo pericial, atestando que o conteúdo continua no ar.  Outro meio de prova pode ser as próprias testemunhas que consultam os sites ofensivos.

Mas o meio mais efetivo é a ata notarial, prevista na Lei 8.935, de 18 de novembro de 1994 (Lei dos Notários e Registradores). Com ela é possível registrar por fé pública a ocorrência de um fato no ambiente cibernético, como por exemplo, associações ofensivas no recurso auto complementar do buscador ou mesmo resultados de pesquisa relacionados que difamem um cliente.

Assim, mesmo que durante o processo, misteriosamente, a associação “desapareça” (e isto pode ocorrer), a existência da ofensa está comprovada por um tabelionato, com fé pública.

Uma ferramenta interessante é o web archive, da Internet Archive, que é uma organização sem fins lucrativos dedicada a manter um arquivo de recursos multimídia. http://archive.org/web/ Nela é possível ver snapshots de sites no passado, o que pode ser útil para comprovar até quando uma ofensa estava no ar. Basta digital a URL e verificar o grande cache da Internet.

Por fim, importa dizer que tem sido comum nomeação de perito em informática nos casos em que o provedor alega “impossibilidade técnica” de remover o conteúdo de resultados de busca, sites ofensivos ou do fornecimento de dados de usuários que usam os serviços para más finalidades. Recentemente, em 22/01/2014, uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo reconheceu a capacidade técnica e determinou ao Google que controle sua pesquisa, em relação ao Autor da ação (http://www.tjsp.jus.br/Institucional/CanaisComunicacao/Noticias/Noticia.aspx?Id=21486) o que abre um precedente no Brasil.

Aos peritos, em casos desta natureza, recomenda-se que não se contentem com uma perícia de mera revisão dos autos, mas como braços do Juiz e base técnica do Judiciário, que solicitem informações dos provedores e requeiram diligências em seu parque tecnológico, igualmente, traçando comparativos com outros casos existentes no Brasil e no mundo.

Obrigado e até o próximo!

Fonte: ITWEB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…