Pular para o conteúdo principal

Governo promete volta atrás na cobrança de 20% para MEI

HELIO ALMEIDA
Rio - O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, garantiu ontem, durante visita à redação do DIA, que o governo vai tornar sem efeito a lei que aumenta em 20% os custos de contratação dos Micro Empreendedores Individuais (MEIs). Ontem, no Rio, Afif apresentou para políticos e empresários o novo sistema para desburocratização e desoneração tributária do setor.

Afif Domingos disse que a Receita não vai fazer a cobrança por orientação da Presidência da República

“Vamos mudar a lei (do MEI), por meio do projeto que está em tramitação no Congresso Nacional. Vamos voltar com a palavra ‘excepcional’. Até que tudo isso aconteça, a lei está em vigor. Então, por enquanto, não contrate o microempreendedor, é a orientação”, explicou o ministro. “Quanto aos retroativos (referentes aos 20%), ainda não foram cobrados. Mas a Receita não vai cobrar ainda por orientação da Presidência da República”, completou.
Afif explicou que quando o MEI foi aperfeiçoado, em 2011, haveria incidência da contribuição apenas para os profissionais da construção civil, porque havia receio de se usar o novo modelo de formalização dos microempreendedores como forma de precarizar a relação de trabalho. Ante essa exceção, a Receita fez uma interpretação do dispositivo em que todas as contratações de MEIs estariam sujeitas ao recolhimento dos 20%.

SITE ATÉ JULHO

A alteração na proposta foi um dos itens apontados por Afif como fundamentais para o sucesso do Simples. A outra proposta é a unificação, via internet, das obrigações dos microempreendedores.
Por meio do Novo Simples Nacional e da Rede Nacional para Simplificação do Registro e da Legalização de Empregos e Negócios (Redesim), os microempresários vão poder fazer pagamentos pelo site, que deve começar até fim de julho.
O ministro também se reuniu ontem com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, para mostrar aos órgãos públicos que é possível facilitar a vida do empreendedor com sistema integrado.
Setor pode ter 8 milhões de vagas
Uma campanha sobre a formalização por meio do Microempreendedor Individual vai ao ar hoje na TV. Segundo o ministro, são 3,85 milhões de MEIs criados em três anos.
“Vamos começar uma campanha nacional pesada, forte, é um ativo impressionante. Vamos mostrar da facilidade de ser MEI. Por isso, ficamos bravos quando aconteceu esse golpe da burocracia dos 20%, porque você está impedindo a formalização da empresa”, acrescenta o ministro.
Afif diz que vai incentivar a criação de um milhão de MEIs por ano. Para ele, a lei vigente não incentiva o empreendimento se expandir. “A empresa começa a crescer para o lado. E a perda de eficiência é total”, afirma o ministro.
De acordo com Afif, o microempreendedor que se formaliza ajuda no crescimento do emprego: “Se a gente facilita a vida desse microempresário e ele gera um emprego a mais, eu tenho oito milhões de empregos.”

Fonte: Jornal O Dia

Comentários

  1. E um cara de pau esse ministro , com essa medida eu que sou MEI vou perder muitos clientes afinal nenhuma empresa vai querer bancar essa cobrança absurda .
    Pelo que eu vi vão deixar a matéria para ser votada ano que vem , para não perder votos ... mas assim que passar as eleições vão detonar conosco.
    Deste jeito vou deixar de ser MEI e vou viver de bolsa esmola

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Compartilhando idéias e experiências sobre o cenário tributário brasileiro, com ênfase em Gestão Tributária; Tecnologia Fiscal; Contabilidade Digital; SPED e Gestão do Risco Fiscal. Autores: Edgar Madruga e Fabio Rodrigues.

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…