Pular para o conteúdo principal

Mudanças na legislação fazem crescer demanda por formação

Imagine um piloto que faz um plano de voo prestando atenção apenas na paisagem. Ele sabe que, se não olhar para o painel de controle pode colocar em risco a sua vida e a dos seus passageiros. É assim também com os empresários: se só olharem para o movimento, mas não para a contabilidade, podem pôr em risco o seu negócio e o emprego da sua equipe. Quem faz esta analogia é Diego Germán Báez, sócio- executivo da Heartman House, consultoria especializada em planejamento estratégico e em reestruturações, que tem ajudado os seus clientes a entender a contabilidade como um benefício na gestão, e não como um problema.Báez é um dos vários agentes do mercado que vêm percebendo uma evolução do trabalho do contador no Brasil, que deixou de ser apenas um informante fiscal do governo e tem se tornado, cada vez mais, uma peça importante na gestão empresarial.  "A contabilidade sempre foi estática, mas de uns tempos pra cá têm acontecido mudanças do mundo analógico para o digital", explica Márcio Massao Shimomoto, sócio-diretor da King Contabilidade, sobre as novas exigências que a receita tem feito para informatizar os processos contábeis e facilitar a fiscalização. Para Marcelo Lico da Costa, sócio no Brasil da auditoria internacional Crowe Horwarth, o mercado atual exige que o profissional de contabilidade tenha conhecimento em questões tributárias, contabilidade internacional, conceitos de riscos e finanças corporativas, pontos que definem a estratégia de um negócio. "Quem não tiver estes conhecimentos ficará para trás. O contador atual não pode ser um mero conhecedor de práticas contábeis, precisa estar antenado", recomenda.
A contabilidade brasileira vem se modernizando nos últimos dez anos e boa parte dos processos de contabilidade e de escrituração, como o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) , vem sendo digitalizada. Todas essas mudanças na legislação têm impactado a profissão, valorizando o trabalho do contador e provocando uma corrida às salas de aula. Para Eduardo Flores, professor do curso de Ciências Contábeis da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap),  as novas gerações que estão se formando após 2010  começam a aprender que a contabilidade é muito mais que preenchimento de números e compreendem a extensão da contabilidade para o negócio. "Antes, os alunos eram filhos de contadores e trabalhavam atendendo o governo e o Fisco. Hoje a contabilidade é usada para a tomada de decisão nas empresas", diz Flores, que agora recebe entre seus alunos advogados, administradores e economistas, que buscam a contabilidade como segunda formação. Eles correspondem hoje a mais da metade dos alunos da Fecap. 
Aliás, nos últimos três anos, o professor conta, o número de alunos nas salas da Fecap mais que dobrou, de 200 para 429 alunos. É o caso também da Faculdade Santa Marcelina. "Houve um aumento de procura no nosso curso porque há uma maior valorização da profissão de contador no mercado", diz Reginaldo Gonçalves, coordenador do curso de Ciências Contábeis. A procura por vagas nas universidades se reflete em um aumento de profissionais na área nos últimos dez anos. 
O aumento da procura de cursos especializados e as inovações nos currículos universitários, no entanto, vão levar um tempo para serem sentidas de fato no ambiente empresarial, que ainda não tem as suas demandas plenamente atendidas. Um relatório do Banco Mundial sobre normas e códigos de contabilidade,  contemplou, entre as suas principais recomendações, o reforço do currículo do ensino de contabilidade em instituições de ensino superior, além de sugerir um programa de educação continuada obrigatório para todos os contadores registrados, e não apenas de auditores, como acontece atualmente. "O diagnóstico é muito importante e não tem nada de exagerado", diz Flores sobre o relatório.  
Outro dos problemas citados é que as universidades que estão antenadas com esses novos padrões estão concentradas especialmente no eixo São Paulo-Rio de Janeiro.  "O problema é capacitar o número de profissionais do mercado. Em função das exigências do governo, o tempo acaba sendo bastante restrito", diz o coordenador da Santa Marcelina.
A falta de escolas especializadas e atualizadas para atender às novas exigências da legislação, especialmente a transição do registro manual para o digital, tem se tornado uma oportunidade para empresas como a Universidade Wolters Kluwer Prosoft, especializada em educação a distância, que tem oferecido e dado treinamentos em todo o País. "Atendemos contadores no Brasil inteiro e em regiões remotas. A legislação federal é comum a todos e temos  treinamentos específicos para legislações estaduais. Estamos em todas as capitais do Norte, Nordeste e do Centro-Oeste", diz Mauricio Martos, diretor de serviços dessa universidade. Ao todo, a Wolters Kluwer Prosoft, atende 30 mil clientes, a maioria empresas, e tem mais de cem mil usuários. Com essas ferramentas, as empresas podem acompanhar o aproveitamento dos seus colaboradores nos treinamentos, por exemplo. 
Há também no mercado cursos de atualização para quem já é formado. A BlueTax, de São Paulo, oferece cursos de um a três dias de duração, que custam entre R$ 500 e R$ 2.000. 
Segundo José Adriano Pinto, coordenador científico da BlueTax, há demanda para esses cursos desde 2006, mas a procura ainda é menor do que eles avaliam da demanda real.  "O contador trabalha com calendário de entrega, não de forma preventiva", diz.

Fonte: DCI via Contábeis

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…