Pular para o conteúdo principal

Como se recupera créditos tributários de ICMS

Muito da complexa tributação nacional se deve ao federalismo. Não que a crítica seja sobre o federalismo enquanto estrutura política, mas o modo como é operado no que tange à fiscalização, recolhimento e utilização dos tributos. Esse é um ponto que gera muita dor de cabeça nos profissionais das áreas tributárias e fiscais.
E quando falamos dos estados da República Federativa do Brasil, é impossível ignorar o ICMS (Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação). Aliás, esse tributo é um dos mais relevantes quando se fala em dificuldade de estabelecer uma nova ordem tributária.
Além disso, é o principal estopim das chamadas guerras fiscais. Isso se explicar por ser o principal meio de contribuição dos estados, e que de certa forma, os mantém com certa independência da União. E por esse motivo, o torna complexo, possuindo alíquotas diferentes em cada estado para cada tipo de mercadoria.
Essa complexidade toda gera diversos equívocos nas empresas, fazendo que elas paguem mais tributos do que realmente devem. Naturalmente, o imposto pago a maior poderá ser reconstituído ou compensado pelo contribuinte. Falaremos disso adiante.
Antes de tudo, é necessário que o profissional contábil tenha em mente a legislação estadual reguladora do ICMS, pois como foi explicado, cada estado possui sua própria. Após, é necessária a devida identificação da carga tributária com base nos registros contábeis da empresa.
A Revisão Tributária de ICMS envolve exames para a observação dos valores computados nas respectivas bases de cálculo e nas contas gráficas deste tributo, com o objetivo de identificar tributação indevida ou a maior, bem como de créditos não aproveitados na escrituração fiscal.
Como regra geral os métodos de compensação são parecidos, e geralmente não são necessárias retificações de declarações e os créditos são usados de forma extemporânea. Porém, é necessária mais atenção nesse caso, tendo em vista que alguns créditos devem ser utilizados por ressarcimento. Por exemplo, o ICMS- ST (Substituição Tributária) em alguns estados são aproveitados por ressarcimento.
É necessário informar que para a compensação, além dos registros contábeis decorrentes do aproveitamento dos créditos, há também a prestação da informação nos livros fiscais, nas GIAS e SPED Fiscal.


Fonte: Blog Studio Fiscal via Jurânio Monteiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…