Pular para o conteúdo principal

Estudo diz que só empresas ganham com desoneração

Adotada em 2011 como parte do arsenal do governo para combater os efeitos da crise mundial, a redução da tributação sobre a folha salarial de 56 setores parece ter sido benéfica para as empresas, mas nem tanto para os trabalhadores. É o que mostra estudo elaborado pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sindifisco).

Os dados apontam que o faturamento dos setores beneficiados cresceu, enquanto o número de empregos e a massa salarial permaneceram estacionados. Esse comportamento é verificado na indústria de transformação. No período de janeiro de 2011 a abril de 2014, o faturamento cresceu 17,1%. Já o rendimento teve evolução de 7,1% e o emprego, de 2,24%.

"Com certeza, as empresas estão se apropriando desse ganho", disse o presidente do Sindifisco, Cláudio Damasceno. Os fiscais, categoria que ele representa, são contrários à desoneração, que tem fragilizado a arrecadação previdenciária, sem gerar a contrapartida esperada de maior crescimento econômico.

"O objetivo era trazer maior espaço para investimento das empresas", comentou. "Mas a verdade é que, se houve algum benefício econômico, foi tímido e localizado." Ele ressalta que os setores beneficiados não contrataram mais pessoas. E, no momento, a economia brasileira registra dois trimestres consecutivos de queda no Produto Interno Bruto (PIB), o que caracteriza recessão técnica.

Por outro lado, observou, a arrecadação dos tributos da Previdência Social sofre redução gradativa. Isso porque o sistema de desonerações dispensou as empresas de recolher a contribuição patronal ao INSS, de 20% sobre a folha. Em troca, elas passaram a recolher 1,5% ou 2,5% sobre o faturamento, o que representou um alívio tributário para a maioria. A projeção para 2014 é que as empresas deixem de recolher de R$ 24,1 bilhões em contribuições ao INSS, crescimento de 94% em comparação ao ano passado.

Para o presidente do Sindifisco, as consequências podem ser graves. "Mais da metade dos municípios brasileiros têm como mola propulsora o pagamento de benefícios previdenciários", disse Damasceno.

Até o momento, o governo tem protegido as contas da Previdência de prejuízos. Para tanto, vem cobrindo integralmente as perdas decorrentes da desoneração da folha com recursos do Tesouro Nacional.

Isso, porém, gera outro tipo de questionamento. "Independentemente de valores, é certo que o Tesouro arca com eventuais perdas relacionadas à desoneração da folha de pagamentos, comprometendo assim sua capacidade de fazer frente a outras destinações de recursos", diz o estudo do Sindifisco.

Segundo o documento, os R$ 24,1 bilhões que o governo deixará de recolher este ano por causa da desoneração respondem por um terço do déficit do sistema previdenciário. E correspondem a um quarto da meta de superávit primário do setor público. "Ou seja, a desoneração da folha, sustentada com recursos do Tesouro, contribui para fragilizar a situação fiscal."

Em outubro do ano passado, o Ministério da Fazenda divulgou um estudo segundo o qual a desoneração da folha desacelerou as demissões. Também houve redução das importações dos bens produzidos pelos setores beneficiados, e a queda nas exportações desses setores desacelerou. A Pasta não quis comentar o estudo do Sindifisco.

Fonte: Agência Estado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…