Pular para o conteúdo principal

Modelo de fiscalização do Brasil está sujeito a falhas

O Brasil tem um dos melhores sistemas de cruzamento de informações do mundo. Atualmente, cada passo dado pelo contribuinte pode ser monitorado pela Receita Federal e Banco Central, que têm condições de saber quanto gasta determinado indivíduo com seu cartão de crédito, número de viagens que faz ao exterior, empréstimos e financiamentos efetuados, depósitos e saques promovidos em sua conta corrente. Isso é possível pelo aparato tecnológico existente a favor dessas autoridades e pelas inúmeras declarações exigidas de pessoas físicas, empresas, cartórios e instituições financeiras.

O detalhamento de informações pode ir mais longe se consideramos que hoje grande parte dos consumidores requer notas fiscais eletrônicas com CPF nas compras que efetuam e, por consequência, deixam registrados nos sistemas dos Fiscos seu perfil de compras e gastos mensais.

Apesar desses dados estarem à mão das autoridades e a privacidade do cidadão estar cada vez menor, grandes esquemas de fraude e sonegação não deixaram de existir. Nesse contexto, a pergunta que se faz é se esse sistema, considerado um dos mais avançados do mundo, é falho.

A análise de quem lida diariamente com problemas dessa natureza, ou seja, advogados criminalistas e tributaristas, é de que do outro lado do aparato tecnológico estão as pessoas autorizadas (os funcionários) que vão avaliar, valorar os milhões de dados que entram diariamente no banco de dados do governo e gerenciá-los.

“Essa sensação de o sistema ser falho não corresponde à realidade”, avalia o presidente do conselho superior do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), Gilberto Amaral. Prova disso, segundo ele, é que em 2013 a Receita promoveu autuações fiscais que alcançaram R$ 191 bilhões. O que ocorre, em sua opinião, é que não há mão de obra suficiente para analisar todos os dados disponíveis e movimentações diárias que podem ou não ser atípicas.

Além disso, no caso da Receita, o papel do órgão não é evitar, mas constatar fraudes e erros. Do Coaf, é o de identificar movimentações financeiras atípicas e evitar a lavagem de dinheiro. As possíveis investigações, ficarão sempre a cargo das polícias e do Ministério Público. “Muitas vezes, para a configuração de um crime é preciso mais de um ano de acompanhamento”, afirma Amaral.

Para criminalistas que preferem não se identificar, falhas no sistema estão sempre relacionadas à quem o opera. Podem ser no tratamento das informações, na quantidade de pessoas disponíveis para fazer esse trabalho e mesmo no requinte de ocultação de quem comete uma fraude ou outro tipo de crime. “Além disso, há sempre a possibilidade da existência de corrupção e ingerência política na seletividade desses processos”, diz um criminalista.

Por Zínia Baeta | De São Paulo

Fonte: Valor Econômico via Notícias Fiscais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…