Pular para o conteúdo principal

NFC-e: obrigação desnecessária ou Avanço imprescindível?

Prevista para ser implantada em 25 estados de acordo
com cronograma de cada unidade federada, a NFC-e
passará a ser obrigatória no Rio Grande do Sul a partir
de 1º de setembro. O calendário se estenderá até 1º de j
aneiro de 2018, abarcando os demais estados.
Se, por um lado, a Nota Fiscal de Consumo eletrônica (NFC-e) permitirá ganhos fiscalizatórios expressivos, especialmente pela infraestrutura tecnológica presente em sua essência, por outro, levará a um grande intercâmbio de informações de consumo em tempo real, criando uma extensa teia de dados entre o fisco, empresas e clientes.
Prevista para ser implantada em 25 estados de acordo com cronograma de cada unidade federada, a NFC-e passará a ser obrigatória no Rio Grande do Sul a partir de 1º de setembro. O calendário se estenderá até 1º de janeiro de 2018, abarcando os demais estados.
A exemplo das Notas Fiscais eletrônicas (NF-es), a NFC-e cria um novo paradigma na emissão de notas fiscais para o consumidor final, com validade jurídica. A gestão deste volume expressivo de informações pelo fisco e pelas empresas levará maior transparência ao mercado.
Paralelamente, ajudará a reduzir o custo Brasil e será um fator decisivo para promover um ambiente econômico mais competitivo. Até ambientalmente terá reflexos, pois argumenta-se que poderá reduzir o corte de árvores para a fabricação de papel.
A NFC-e também se transformará em um meio inteligente para ajustar certos procedimentos hoje considerados burocráticos e contraproducentes nas empresas, como o uso da Emissora de Cupom Fiscal homologada e os característicos processos de redução Z, mapa-resumo e fechamento de caixa.
Com a implantação do projeto, estes e outros processos serão melhorados, possibilitando, inclusive, a realização de checkout pelo próprio vendedor e a mobilidade do ponto de venda. A nota desburocratizará o varejo, aperfeiçoando seus métodos e promovendo mais flexibilidade, agilidade e qualidade de atendimento ao consumidor.
A infraestrutura tecnológica da NFC-e possibilitará ainda que o cliente compre com mais segurança e rapidez, uma vez que vai flexibilizar a distribuição de pontos de venda, inclusive em locais fisicamente separados das tradicionais ilhas de caixas, com total e irrestrito critério do varejista, sem qualquer intervenção do fisco.
Outra novidade será a possível disseminação do uso, pelo varejo, do QR Code (Quick Response), código de barras bidimensional que pode ser escaneado pela maioria dos celulares e smartphones e realiza a verificação, em tempo real, da validade da compra realizada.
Além disso, a NFC-e admitirá que o consumidor receba o documento via e-mail, SMS e até pelas redes sociais, também em tempo real. É, com toda certeza, uma considerável melhoria na experiência de compra.
A adaptação dos estabelecimentos para a emissão da NCF-e será feita naturalmente, já que praticamente todos eles atualmente operam com a Nota Fiscal eletrônica (NF-e). Em última análise, a partir dessa mudança de mentalidade, a total integração das “vendas de balcão” à emissão de notas fiscais eletrônicas, que as empresas conseguirão internalizar os benefícios da NFC-e.
Antes de ser vista como uma simples obrigatoriedade, a Nota Fiscal de Consumo eletrônica deve ser encarada como um significativo avanço tecnológico para o país.

por Juliano Stedile

Fonte: Jornal do Comércio/RS via Roberto Dias Duarte

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…