Pular para o conteúdo principal

Fazenda aponta semelhanças entre suas propostas e as da CNI para o crescimento

Brasília, 01 - Em um novo esforço do Ministério da Fazenda de demonstrar preocupação não apenas com o ajuste fiscal, mas também com a retomada do crescimento econômico, a Secretaria de Política Econômica (SPE) divulgou documento nesta terça-feira, 1, apontando as semelhanças entre as propostas da Fazenda e da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Os técnicos da SPE, a pedido do ministro Joaquim Levy, se debruçaram nas medidas defendidas pela entidade industrial para estimular o crescimento e redigiram um documento mostrando o que o governo tem feito - ou mesmo estudado fazer.

Há a defesa indireta da terceirização no mercado de trabalho e também dos acordos específicos fechados entre os sindicatos e as empresas. Os dois pontos são considerados "avanços" na legislação trabalhista pela CNI e contam também com apoio de parte do movimento sindical. A Fazenda defende as medidas, ainda que ressalte a importância de serem mantidos os "direitos trabalhistas".

O documento também aponta uma defesa clara, por parte da Fazenda, de uma atualização do marco tributário da cadeia de petróleo, "que deverá ser enfrentada nos próximos 18 meses, através do diálogo com entidades". São citados o Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).

A Fazenda também dá novas indicações sobre a aguardada reforma de simplificação do PIS/Cofins, dois dos tributos mais complexos do País, que incidem sobre o faturamento das empresas. "O Ministério da Fazenda também estuda a possibilidade de se mudar o recolhimento do PIS/Cofins, que poderia ser feito pelos agentes financeiros no momento das transações entre pessoas jurídicas", diz a SPE, comandada pelo economista Afonso Arinos, braço direito de Levy.

No modelo em estudo, o imposto seria descontado de toda receita advinda de pessoa jurídica (pelo CNPJ), deduzidos os créditos acumulados pela empresa. Esses créditos seriam criados a partir de cada pagamento efetuado pela empresa para outra pessoa jurídica, de acordo com as alíquotas de cada setor. "O mecanismo traria transparência e harmonização de fluxos, reduzindo o capital de giro requerido para a condução de negócios", diz a Fazenda.

A reforma PIS/Cofins é aguardada por praticamente todos os setores empresariais, em especial a indústria, porque poderá reduzir drasticamente o tempo gasto pelos empresários para o pagamento de impostos. Os planos do governo são de simplificar primeiro o recolhimento do PIS e, depois, da Cofins. Ao final, ambos serão unificados em um único imposto.

O documento conta também com a defesa de maior abertura comercial, para estimular as exportações e cita os acordos de investimentos fechados com México, Colômbia e Chile.

Nas últimas semanas, as críticas do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, têm ganhado força. Lula e o PT avaliam que Levy está excessivamente concentrado em medidas de restrição fiscal, como aumentos de impostos e cortes de gastos, e pouco atento à retomada do crescimento, em um cenário de forte recessão e aumento do desemprego.

Ao jornal "O Estado de S. Paulo", o ministro da Fazenda afirmou, na semana passada, estar "preocupado" em fazer "a economia brasileira rodar em 2016". Ele admitiu não ter sido "explícito" na defesa de medidas pró-crescimento.

No documento da SPE, divulgado nesta terça-feira, essa preocupação fica novamente clara. "Não obstante os desafios de curto prazo, resultado da deterioração dos termos de troca da economia brasileira e da expansão fiscal dos últimos anos, o Ministério da Fazenda tem perseguido uma série de ações estruturais em prol do crescimento no curto e no médio prazo", diz o texto, que também é uma rara manifestação pública do comandante da SPE. Arinos não concedeu nenhuma entrevista coletiva desde que assumiu o cargo, em janeiro.

Fonte: em.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…