Pular para o conteúdo principal

NF-e NT 2015.003 versão 1.40 - EC 87-15 - DIFAL - GNRE - CEST

Pessoal,

Foi publicada ontem a NT 2014.003 VERSÃO 1.40, trazendo a definição da reunião da COTEPE sobre o cálculo do DIFAL na operação interestadual com consumidor final. Entanto, tenho acompanhado alguns questionamentos, nesta rede, e acho importante alinharmos alguns conceitos, a saber: 

Sobre a COTEPE:


O Conselho Nacional de Política Fazendária – CONFAZ, constituído pelos Secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação de cada Estado e Distrito Federal e pelo Ministro de Estado da Fazenda, é um órgão deliberativo instituído em decorrência de preceitos previstos na Constituição Federal, com a missão maior de promover o aperfeiçoamento do federalismo fiscal e a harmonização tributária entre os Estados da Federação.

Para atingir esse intuito, as Secretarias de Fazenda de todos os Estados mantêm uma Comissão Técnica Permanente (COTEPE), que se reúne regularmente, com o objetivo de discutir temas em finanças públicas de interesse comum, para que possam ser decididos nas reuniões periódicas do CONFAZ.

Tais decisões são operacionalizadas por meio de convênios, protocolos, ajustes, estudos e grupos de trabalho que, em geral, versam sobre concessão ou revogação de benefícios fiscais do ICMS, procedimentos operacionais a serem observados pelos contribuintes, bem como sobre a fixação da política de Dívida Pública Interna e Externa, em colaboração com o Conselho Monetário Nacional.

As reuniões ordinárias do CONFAZ são realizadas trimestralmente, em data, hora e local que o Conselho fixar.
Presididas pelo Ministro da Fazenda ou por representante de sua indicação, contam também com a participação de representantes da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional - PGFN, da Secretaria da Receita Federal - SRF e da Secretaria do Tesouro Nacional - STN.

Fonte: sefaz MT

Do Cálculo:

Foi apresentado o cálculo do DIFAL com a base dupla, em duas situações:

1.com o imposto embutido( cálculo por dentro), e
2. sem o imposto embutido

E, o que motivou estas duas modalidades de cálculo?

Porque foi definido pelo ENCAT, que não seria criado " campos " no danfe para destacar o imposto. Diante disto, a empresa não consegue cobrar o cliente pessoa física, se não embutir o imposto. 

Em relação ao cliente pessoa jurídica, a legislação define que o cliente é o responsável pelo DIFAL, inclusive, na operação o difal sobre o frete FOB.

Ah! Sobre o ENCAT:

ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES E ADMINISTRADORES TRIBUTÁRIOS ESTADUAIS – ENCAT


SEÇÃO I 

Da finalidade e da composição


Art. 1º - O Encontro Nacional de Coordenadores e Administradores Tributários Estaduais – ENCAT tem por finalidade desenvolver e disseminar as modernas técnicas de gestão tributária, mediante o intercâmbio de experiências, soluções e sistemas, nas áreas de arrecadação, fiscalização, tributação, informações econômico-fiscais e outras de interesse da Administração Tributária, além da uniformização dos procedimentos entre os Estados e o Distrito Federal, visando à implementação conjunta de soluções consensuais para os problemas comuns às unidades federadas.

Art. 2º - O ENCAT será constituído pelos Coordenadores e Administradores Tributários dos Estados e do Distrito Federal.

Parágrafo único - Os componentes do ENCAT serão designados por ato específico dos Secretários de Fazenda, Finanças ou Tributação e Gerente de Receita, preferencialmente, o dirigente máximo da Administração Tributária, por prazo indeterminado.

Neste ponto, vale esclarecer que o DIFAL da operação interestadual, não tem nada a ver com o ICMS-ST, assim, não pode ser utilizado o " campo " do ICMS-ST, para aposição dos valores do DIFAL.

Sobre o recolhimento, estão definidas duas modalidades, 

Recolhimento por GNRE: http://goo.gl/B5k7gD( exceto SP, RJ e ES, que possuem ambiente próprio para recolhimento).

Apuração via GIA-ST Nacional( exemplo Sefaz SP - código> “606 - Inscrição no Estado para estabelecimento que está localizado em outro Estado, exceto Subst. Trib”.)

Para a apuração via GIA-ST, o contribuinte remetente( vendedor) deverá solicitar uma inscrição estadual para a sefaz dos Estados de destino( se opera no Brasil todo, serão 26 inscrições).

Sobre o Seminário da SEFAZ-SP

Paradoxalmente, os representantes da Sefaz apresentaram o modelo de cálculo com a BASE SIMPLES, ou seja, diferente do que foi definido na COTEPE. Afinal, a COTEPE não é formada por representantes das SEFAZ? 

Diante disto se a empresa remeter produto para São Paulo deverá calcular com a base simples. Lembrando que o cálculo da base simples, é aquele que encontramos na Lei Complementar 87/96.

Por fim, outra questão importante, é que o contribuinte substituído no estado ao realizar uma operação estadual para consumidor final, assume a posição de substituto, e deverá calcular o ICMS-ST na sua ótica. Isto posto, ele vai gerar créditos de ICMS-ST, passíveis de ressarcimento, e poderá solicitar o ressarcimento ao Estado.

Sobre o fundo de pobreza

Importante destacar que cada UF tem um critério definido para o Fundo de Pobreza, como nos mostra a própria nomenclatura deste fundo. Tem Estado que definiu itens de luxo para o cálculo do DiFal, como fez o Estado de São Paulo, recentemente, colocando o fumo - capitulo 24 da Tipi e o as bebidas alcoólicas na posição 22.03

Mas, o Estado do Rio de Janeiro, definiu sobre o faturamento e não sobre os produtos.

Portanto, é necessário uma análise detalhada por UF operada.

Pois bem, esclarecidos estes detalhes, segue informações da NT 2015.003 versão 1.40

Alterações introduzidas na versão 1.40

  • Apresenta a sistemática de cálculo aplicada nas operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final, conforme definido na 162ª reunião ordinária da Comissão Técnica Permanente do ICMS – COTEPE, com fundamento na cláusula 2ª. Do Convênio ICMS 93/2015.

  • Alterada a regra de validação N23-10 obrigando a informação do CEST na NFC-e com data de emissão a partir de 01-jan-2016 para os CST ou CSOSN citados.
70. SOBRE O DANFE


Não haverá alteração no leiaute do DANFE, mas as empresas remetentes devem informar, no campo de “Informações Complementares”, os valores descritos no grupo de tributação do ICMS para a UF de destino.



Fonte: SPED Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…