Pular para o conteúdo principal

Os bons filhos também precisam de cuidados!

A carreira de nível superior menos valorizada no período compreendido entre 2002 e 2014 foi a do fisco. É o que diz o Boletim de Indicadores de Pessoal da Secretaria Estadual de Gestão.

Se considerarmos o ano de 2015 a situação é ainda pior, pois várias carreiras foram contempladas com novos Planos de Cargos e Carreiras e reajustes pré-datados para este ano.

Por uma questão de respeito até mesmo pelo trabalho de convencimento dos sindicatos e da fragilidade da gestão anterior, não vou mencionar as várias carreiras que tiveram uma evolução estratosférica no período.

A arrecadação do estado de Mato Grosso em 2015 está bem, obrigado.

O Grupo TAF tem uma responsabilidade muito grande sobre o equilíbrio fiscal neste ano, pois apoiou totalmente as boas ações da nova gestão.

No entanto, os servidores da fiscalização estão totalmente insatisfeitos, pois entendem não estar recebendo o tratamento adequado ou ao menos o que foi dado às demais carreiras de servidores do poder executivo.

Por exemplo, a verba indenizatória do Grupo TAF, já decidida pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso como legítima e necessária ao desempenho das atribuições de fiscalização, está sem reajuste desde 2004, no entanto os servidores do fisco, com a responsabilidade que lhes são peculiares, se empenham em manter a estabilidade na arrecadação do estado.

No orçamento de 2016, em torno de 65% dos R$ 16,5 bilhões são receitas próprias e o principal, o ICMS, representa mais de 90% delas.

Está claro que a execução orçamentária dependerá muito mais de seus recursos do que das transferências da União, haja vista a situação de aperto fiscal em que a União sofre.

Em nossa visão, temos o maior potencial de arrecadação de ICMS da região Centro Oeste, no entanto, em 2014 somos apenas o terceiro estado em eficiência, ficando atrás de Goiás e Distrito Federal.

O fisco de Mato Grosso tem 709 servidores do Grupo TAF e arrecadou de ICMS em 2014, R$ 8,038 bilhões, ao passo que Goiás, com economia parecida com a nossa, arrecadou R$ 13,252 bilhões com 790 auditores fiscais, ou seja, a eficiência foi 49% maior em nosso estado vizinho.

Os problemas já foram identificados e este sindicato já encaminhou as propostas de melhorias ao chefe do executivo e também ao Secretário de Fazenda, mas a velocidade do poder público é infinitamente inferior à velocidade das necessidades do cidadão, pois a cada Bilhão de Reais arrecadado, em torno de R$ 500 milhões são destinados diretamente aos municípios, à saúde e à educação do estado.

O fisco de Mato Grosso pode dar a resposta necessária ao estado, mas para isso é necessário não só muito investimento em estrutura e capacitação, mas principalmente nos seus servidores para que as ações de transformação de gestão deem o resultado esperado, principalmente em receita tributária.

O fisco tem sido o filho bonzinho do estado, aquele que recebe menor atenção, que ordinariamente é dada aos filhos problemáticos, pois ainda aguarda o reconhecimento mesmo apresentando bons resultados durante o ano, ao passo que outras carreiras, mesmo já tendo recebido seu reconhecimento, vão às ruas e travam o estado atingindo os cidadãos com a suspensão de serviços públicos. Até quando?

por Ricardo Bertolini

Ricardo Bertolini, Fiscal de Tributos Estaduais e presidente do SINDIFISCO – Sindicato dos Fiscais de Tributos Estaduais de Mato Grosso.

Fonte: Mato Grosso Mais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…