Pular para o conteúdo principal

Desoneração sai cara para empresas enxutas

Troca de imposto em folha por alíquota sobre receita penaliza pequenas e quem terceiriza

Punidos pela desoneração promovida pelo governo desde 2011, setores da economia desistiram de brigar e incorporaram o aumento da carga tributária aos seus custos.
Em tese, deixar de pagar 20% de imposto sobre a folha de pagamento para pagar entre 1% e 2% da receita bruta reduziria a carga tributária.
Mas empresas com poucos funcionários ou que terceirizam os seus processos descobriram que a transição faria com que pagassem até 20% mais impostos.
Entre os setores mais prejudicados estão construção civil --empresas do setor terceirizam boa parte das etapas de uma obra, como a elétrica e a hidráulica-- e tecnologia da informação --muitos dos funcionários são, na verdade, prestadores de serviços.
Além disso, pequenas empresas do setor de serviços, muitas familiares, com folha de pagamento mínima, também saíram perdendo.
Elas queriam que a mudança fosse facultativa, mas não conseguiram.
"Pequenas empresas com dois ou três funcionários, que são a maioria, foram oneradas. Elas estão pagando a conta", diz Luigi Nese, presidente da Confederação Nacional de Serviços (CNS).
Para ele, políticas de desoneração nem sempre significam redução da carga tributária, mas "tirar do bolso de um para pôr no de outro".
"Não temos a mesma porta aberta no governo que outros setores, como a indústria, têm. Mas se tudo tiver de ser acordado com a indústria, que hoje representa apenas 14% do PIB, estamos fritos."
No começo do ano, alguns setores declararam estar estudando a possibilidade de entrar com ações judiciais contra a "desoneração".
O advogado José Maurício Carvalho Abreu, sócio da área tributária do escritório Miguel Neto Advogados, tem quatro clientes que cogitaram ir aos tribunais em abril, mas as ações não foram adiante.
As empresas, diz, assumiram o ônus e reduziram margens ou repassaram, quando possível, os custos adiante.
Os setores prejudicados consideraram o desgaste de ir à Justiça contra o governo maior que a chance de reverter o problema.
EFICIÊNCIA
Outro problema criado ao tirar impostos da folha de pagamento para jogá-los sobre a receita bruta está na perda de eficiência econômica.
Isso porque tal ação acaba privilegiando empresas muito intensivas em mão de obra --ou seja, prejudicando as que investiram no aumento de produtividade dos funcionários, treinando-os para gerir processos automatizados com tecnologia de ponta.
O governo estaria, assim, aliviando a tributação de empresas menos competitivas.
Também seriam prejudicadas empresas que trabalham com gestão aberta de processos --ou seja, que transferem boa parte das fases não essenciais da cadeia de produção a parceiros especializados, conforme recomendam vários especialistas em administração.
Um exemplo é uma montadora que paga uma empresa especializada para pintar seus carros, tornando sua folha de pagamento menor do que a da concorrente que faz isso internamente.
Beneficiar empresas com folha de pagamento grande seria, por esse ponto de vista, valorizar estruturas empresariais à moda antiga.
Nas contas do governo, a desoneração não se limita a prejudicar alguns em detrimento de outros. Os números oficiais apontam que, neste ano, a renúncia fiscal representará mais de R$ 15 bilhões.
Cerca de 50 setores já foram incluídos, de vestuário a derivados de suínos.

RICARDO MIOTO
DE SÃO PAULO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…