Pular para o conteúdo principal

Identificamos (pelo Fantástico), não visitamos o amigo e reclamamos na ONU! Tudo bem, mas e o dever de casa?

A presidente Dilma se saiu mais ou menos na reclamação da espionagem, pelos Estados Unidos, em relação aos dados de cidadãos brasileiros e empresas de capital brasileiro. O presidente Obama por outro lado, deve ter se queixado com os amigos. Pegou a bola do jogo e saiu do campo. Nem compareceu (Que falta de educação!) ao discurso inaugural da Assembleia das Nações Unidas proferido pelo Brasil, e neste ano pela Presidente Dilma. O presidente Obama só chegou depois e nem falou sobre a questão do Brasil especificamente. Falou de uma maneira generalista informando que está analisando a questão. Mandou a mensagem de que não estava tão preocupado com o problema que o Brasil está reclamando.
Não tenho menor dúvida que esta questão ainda vai demorar. Afinal, é o teatro das relações internacionais.
Entendo que tínhamos que reclamar formalmente. E reclamamos. Mas, e agora? Que tal começarmos ou recomeçarmos a fazer o dever de casa. Se queremos mostrar para os investidores do país do presidente Obama que o Brasil pode receber investimentos internacionais e que somos um país sério (?), precisamos mostrar competência e profissionalismo.
Primeiramente temos que olhar para o nosso umbigo. Claro que devemos reclamar da espionagem externa, mas, como fica a espionagem interna ou melhor: a pouca seriedade que se tem com os dados dos cidadãos no ambiente brasileiro? Leis que tratam da privacidade do cidadão se arrastam por anos para serem elaboradas e aprovadas. Ficam paradas às vezes no poder executivo e outras vezes no poder legislativo, a depender das negociações políticas. A Lei de Crime de Informática somente saiu pela repercussão das fotos de uma atriz. Novamente o Fantástico entra em cena. E esta lei de tipificação de crimes em dispositivos informáticos saiu em uma versão de escopo mínimo e com penas brandas, onde a frase “o crime não compensa” deixa a desejar.  Mas, saiu e estamos em uma situação melhor do que sem a lei. Precisamos de leis sérias e penalizações fortes para os crimes relacionados à informação.
Em segundo lugar é necessário tratarmos a gestão da segurança da informação de uma maneira profissional. Periodicamente a mídia apresenta reportagens onde se pode comprar dados de cidadãos ou acessos a sistemas que possuem acessos a dados dos cidadãos, com destaque para o InfoSeg, sistema utilizado pela polícia e Ministério Público para investigação de crimes. Pensando friamente e no mundo prático, o que mais coloca em risco a privacidade do cidadão: a invasão da NSA a dados do governo brasileiro ou um criminoso com acesso aos dados desse cidadão com alta probabilidade de fazer uma fraude financeira usando a identidade do cidadão? Se não fosse a pressão da mídia, os dados de 141 milhões de brasileiros seriam negociados pelo TSE com o mercado de serviços de informação.
Não é com frases de impacto que se realiza um controle. O discurso da presidente Dilma em relação à queixa da espionagem americana foi bom, exceto pela frase “O Brasil sabe proteger-se.” Convenhamos que foi emotivo esta frase. Ainda estamos aprendendo a nos proteger. Ainda dependemos de empresas americanas para implementar criptografia forte nas nossas organizações. Estamos ainda aprendendo. Caso contrário, a Presidência da República não seria surpreendida com a reportagem de um programa de televisão. Não é feio estar aprendendo. Porém, temos que fazer mais e falar apenas quando for necessário.
Segurança da informação anda junto com gestão do conhecimento. Precisamos cuidar daquilo que ainda não foi divulgado no programa na televisão: nossa biodiversidade, nossas plantas medicinais, o conhecimento dos nossos antepassados, a inovação dos nossos cientistas (novos e maduros), nossas reservas de água, nossas reservas de outros minerais e nosso ambiente. Ou vocês pensam que nossos amigos não estão “estudando” este nosso ambiente? O que tem de ONG na Amazônia é de emocionar o bem que os países ricos querem para os nossos índios e para o mico leão-dourado. Mas temos responsabilidades não exercidas. Não podemos perder toda a pesquisa realizada na Base da Antártica que pegou fogo em fevereiro de 2012 simplesmente porque não se tinha cópia de segurança (backup). Ou não podemos ser fracos em controles de segurança, quando há dez anos em um desastre na Base de Alcântara, morreram cerca de 20 cientistas que (praticamente) detinham todo o conhecimento brasileiro do projeto de satélites. Neste último caso, o Brasil parou no tempo.
Evidentemente a presidente Dilma não é a culpada por tudo. Mas, ela tem a responsabilidade de patrocinar e gerar condições para as prioridades para o Brasil. Segurança da informação é uma delas e precisa ter o seu espaço. Com a participação dos militares e de representantes capacitados da sociedade civil.
O passado deve ser tomado como referência. O Brasil precisa hoje definir o que quer para a sua informação. Paciência: nossos inimigos e nossos amigos vão continuar nos espionando. Isto não muda. O que pode mudar é nossa atitude frente a esta questão.  Queremos ser proativos ou simplesmente ficar assistindo televisão?
Prof. Ms. Edison Fontes, CISM, CISA, CRISC
Consultor em Segurança da Informação, Gestão de Risco, Continuidade de Negócio.

Fonte: www.nucleoconsult.com.br via informationweek.itweb.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…