Pular para o conteúdo principal

MP-MG realiza operação para desbaratar esquema de sonegação fiscal praticado por hotel do Centro de Belo Horizonte

Empresário que usava estabelecimentos de fachada para encobrir receitas foi preso. O administrador do hotel é considerado foragido.
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), em conjunto com a Receita Municipal de Belo Horizonte e a Polícia Civil, realizou, na manhã desta terça-feira, 15 de outubro, a operação Três em Um, com o objetivo de interromper e desbaratar um esquema de sonegação de impostos praticado em Belo Horizonte.
Na ação foi preso o proprietário do Minas Sol Hotel, localizado à rua da Bahia, n.º 1.040, acusado de utilizar outros três hotéis de fachada para sonegação de impostos. O administrador do Minas Sol, que está em viagem ao exterior, também teve o pedido de prisão temporária decretado e é considerado foragido. A Justiça determinou ainda a intervenção judicial do estabelecimento, além do bloqueio de contas das pessoas físicas e jurídicas envolvidas e a indisponibilidade de bens imóveis e veículos.
Os estabelecimentos Classic Hotel Ltda, C. S. Pereira Hotel (Hotel FM) e Power Hotel existem apenas no papel e nada recolhem aos cofres públicos a título de Imposto sobre Serviços (ISS), apesar da grande movimentação financeira detectada em suas contas bancárias. As investigações do MPMG identificaram duas formas de execução da fraude.
A primeira se dava nos pagamentos com cartão de crédito feitos por clientes no balcão do Minas Sol Hotel. Com as máquinas registradas em nome do Classic Hotel, ocultavam-se os reais valores de receita do empreendimento. Também os pagamentos pelo aluguel de espaços para eventos de empresas ou órgãos públicos eram realizados em nome das empresas de fachada.
De acordo com o Caoet e o fisco do município, o débito atual do Minas Sol, referente ao ISS devido até 2008 é de cerca de R$ 4,5 milhões. A partir de 2008 estima-se que o rombo, considerando tributos declarados e o valor ocultado, supere os R$ 3 milhões.
Espera-se, com a intervenção determinada pela juíza da Vara de Inquéritos da Capital – que passa a gestão da área financeira e contábil para o administrador judicial nomeado – apurar o montante exato da sonegação, além de esclarecer em detalhes a fraude praticada pelo contribuinte.
As investigações, que contaram com a colaboração do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Combate ao Crime Organizado (Caocrimo), indicaram, ainda, que tanto o proprietário quanto o administrador já foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) em virtude de administração fraudulenta da Casa do Rádio Administradora de Consórcio Ltda., que deixou uma dívida milionária na praça, causando prejuízo superior a R$ 80 milhões junto ao fisco estadual.
Após a operação, foi realizada uma entrevista coletiva na sede do MPMG, que contou com a participação do coordenador do Caoet, promotor de Justiça Renato Froes, do promotor de Justiça Glauber Tatagiba; do gerente de Tributos Mobiliários da prefeitura de Belo Horizonte, Eugênio Veloso; e do delegado da Polícia Civil, Denílson dos Reis Gomes.
Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação Integrada
Diretoria de Imprensa

Fonte: MP – MG via juraniomonteiro.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…