Pular para o conteúdo principal

MP-MG realiza operação para desbaratar esquema de sonegação fiscal praticado por hotel do Centro de Belo Horizonte

Empresário que usava estabelecimentos de fachada para encobrir receitas foi preso. O administrador do hotel é considerado foragido.
O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), em conjunto com a Receita Municipal de Belo Horizonte e a Polícia Civil, realizou, na manhã desta terça-feira, 15 de outubro, a operação Três em Um, com o objetivo de interromper e desbaratar um esquema de sonegação de impostos praticado em Belo Horizonte.
Na ação foi preso o proprietário do Minas Sol Hotel, localizado à rua da Bahia, n.º 1.040, acusado de utilizar outros três hotéis de fachada para sonegação de impostos. O administrador do Minas Sol, que está em viagem ao exterior, também teve o pedido de prisão temporária decretado e é considerado foragido. A Justiça determinou ainda a intervenção judicial do estabelecimento, além do bloqueio de contas das pessoas físicas e jurídicas envolvidas e a indisponibilidade de bens imóveis e veículos.
Os estabelecimentos Classic Hotel Ltda, C. S. Pereira Hotel (Hotel FM) e Power Hotel existem apenas no papel e nada recolhem aos cofres públicos a título de Imposto sobre Serviços (ISS), apesar da grande movimentação financeira detectada em suas contas bancárias. As investigações do MPMG identificaram duas formas de execução da fraude.
A primeira se dava nos pagamentos com cartão de crédito feitos por clientes no balcão do Minas Sol Hotel. Com as máquinas registradas em nome do Classic Hotel, ocultavam-se os reais valores de receita do empreendimento. Também os pagamentos pelo aluguel de espaços para eventos de empresas ou órgãos públicos eram realizados em nome das empresas de fachada.
De acordo com o Caoet e o fisco do município, o débito atual do Minas Sol, referente ao ISS devido até 2008 é de cerca de R$ 4,5 milhões. A partir de 2008 estima-se que o rombo, considerando tributos declarados e o valor ocultado, supere os R$ 3 milhões.
Espera-se, com a intervenção determinada pela juíza da Vara de Inquéritos da Capital – que passa a gestão da área financeira e contábil para o administrador judicial nomeado – apurar o montante exato da sonegação, além de esclarecer em detalhes a fraude praticada pelo contribuinte.
As investigações, que contaram com a colaboração do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Combate ao Crime Organizado (Caocrimo), indicaram, ainda, que tanto o proprietário quanto o administrador já foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) em virtude de administração fraudulenta da Casa do Rádio Administradora de Consórcio Ltda., que deixou uma dívida milionária na praça, causando prejuízo superior a R$ 80 milhões junto ao fisco estadual.
Após a operação, foi realizada uma entrevista coletiva na sede do MPMG, que contou com a participação do coordenador do Caoet, promotor de Justiça Renato Froes, do promotor de Justiça Glauber Tatagiba; do gerente de Tributos Mobiliários da prefeitura de Belo Horizonte, Eugênio Veloso; e do delegado da Polícia Civil, Denílson dos Reis Gomes.
Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação Integrada
Diretoria de Imprensa

Fonte: MP – MG via juraniomonteiro.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…