Pular para o conteúdo principal

Como evitar que pequenas empresas quebrem tanto

Já pensou o que aconteceria se 70% dos pilotos de avião não tivessem feito um exame teórico e prático para tirarem seus brevês? É exatamente isso o que acontece com os empreendedores que resolvem abrir uma empresa sem o conhecimento do que é realmente uma empresa: 70% quebram, fecham ou acabam com os seus sonhos em três anos. Porque infelizmente não foram treinados para serem empreendedores, não conhecem as noções básicas para começar a operar o negócio e, normalmente, quando fecham, ainda ficam com dívidas, nome sujo na praça etc. Digo inclusive por experiência própria: eu não quebrei, mas quase quebrei, e mesmo assim o meu nome ficou sujo por uns bons anos.

Gostaria de deixar aqui uma proposta: todos os empreendedores que queiram abrir uma empresa terão a opção de fazer um curso de capacitação antes. Esse curso preparatório proporcionaria as noções básicas do que considero as 8 principais áreas para se abrir um negócio – comercial, marketing, finanças, compras, produção, gestão de pessoas, tecnologia da informação, gestão corporativa e processos – com duração de 50 horas ou 100 horas. Com ele, você não só estaria mais preparado para empreender, como poderia ter desconto em taxas de juros de empréstimos em bancos (como, aliás, já acontece em alguns casos, como no Banco do Empreendedor do Paraná).

Enquanto para virar advogado você precisa fazer cinco anos de faculdade e passar em um concurso da OAB, e para ser piloto de avião tem que estudar 150 horas teóricas e 40 horas práticas, para se abrir uma empresa basta pagar uma taxa de R$ 2.000,00 e contratar um contador. Me desculpe, mas isto está completamente errado, conhecendo o grau de complexidade que é administrar uma empresa.

Nesses 20 anos como empreendedor, mesmo formado em administração e com pós-graduação em marketing, vou falar, pelo menos por mim: eu não sabia nada o que era uma microempresa quando abri o meu primeiro negócio. Quando você estuda na faculdade, você aprende como administrar uma verba de R$ 200.000.000,00 de marketing, mas não aprende o que pode fazer com R$ 10.000,00 divididos em 5 vezes para pagar, pois esta é a sua verba de marketing – e olha lá quando tem!

A minha vida pareceu mais uma montanha russa da Disney: uma hora estava lá em cima e outra estava lá embaixo dando curva de ponta-cabeça. Empreender é exatamente como na montanha russa, onde a subida é lenta, mas quando cai chega a 150km/h.

Tive a ideia de universalizar esses cursos em junho de 2014, quando estava viajando de férias e agradecendo a Deus por não ter quebrado, ter tido a oportunidade de dar a volta por cima e criado um negócio de sucesso. Pensei: como eu poderia ajudar outras pessoas a não quebrem?, o que seria necessário para ajudá-las?, o que falta hoje no mercado? Pois os índices de quebra ainda são elevadíssimos.

Nesse curso preparatório ninguém precisa aprender a ser um mega empreendedor como Jorge Paulo Lemann. Quando se faz autoescola você não aprende a ser corredor de Fórmula 1, mas aprende as noções básicas de como dirigir, de não bater o carro, quando brecar, quando acelerar. Um tiro mais certeiro de inicio vai economizar muito tempo e dinheiro no projeto. Cada erro custa muito caro – experiência própria novamente.

Uma visão geral do negócio, aprender a montar um business plan, ajudará a pessoa a identificar melhor o que tem aptidão, qual tipo de negócio gostaria de ter etc. Como exemplo, quando falamos em montar um restaurante, existem diferentes modelos e especialidades – pode ser um restaurante por quilo, à la carte, premium – o importante é entender o que você tem mais habilidade e conhecimento para fazer.

O grande índice de mortalidade acontece principalmente porque, quando o empreendedor abre uma empresa, ele normalmente tem aptidão em uma ou duas áreas do negocio, como produzir bem um produto ou ser um excelente vendedor. Mas as outras áreas da empresa, como a formação do preço de venda, carga tributária, normalmente 90% das pessoas não têm conhecimento algum.

Quando você abre uma empresa e não tem dinheiro em excesso (também acredito que devem ser, pelo menos, 90% dos casos), você tem que entender um pouco de tudo, como contabilidade, impostos, leis, marketing, gestão de pessoas etc. As pessoas normalmente não tiveram esse tipo de treinamento, por isso seria fundamental aqueles que querem abrir o seu negocio estudarem e aprenderem a ser empreendedores.

De acordo com o estudo Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o Brasil teve, em 2012, 89% da população adulta querendo empreender. É a maior taxa do mundo!! Vamos mudar esse Brasil! Como Empreendedor Endeavor, posso colocar o meu caso como exemplo da grande diferença que faz ter conhecimento através de profissionais bem sucedidos te mentorando, orientando como fazer o seu negocio crescer sustentavelmente, ajudando a ver o seu negócio por outro prisma.

Na Star Think Uniforms, empresa da qual sou sócio-fundador, depois que começamos o projeto com a Endeavor, há 3 anos, posso dizer tranquilamente que mudamos 180º a direção do nosso negócio. Infelizmente, a maior parte das pessoas não chegam nesse estágio do negócio. Elas quebram antes!

Vamos gerar um país muito mais forte com empreendedores mais estruturados, mais empregos e, principalmente, com mais pessoas conseguindo realizar os seus sonhos!!

Sergio Bertucci da Endeavor

Sergio Bertucci, sócio-fundador da Star Think Uniforms

Fonte: EXAME.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…