Pular para o conteúdo principal

Resposta para o Jornal A Gazeta




Resposta para o Jornal A Gazeta 

Caro editor, 

Na edição do dia 18 de dezembro, a matéria com o título “Entidade alerta para erros contábeis” não deu espaço para a classe contábil responder as generalizadas calúnias contra a categoria. 
Em defesa da sociedade, o Conselho Regional de Contabilidade de Santa Catarina (CRCSC) atua justamente para orientar, fiscalizar e assim coibir práticas irregulares e o mau exercício profissional. 

Portanto, sabemos que na ampla maioria os profissionais da Contabilidade trabalham com retidão e competência dentro de suas habilidades. 

Sendo assim, gostaríamos de um espaço de igual tamanho para responder as críticas infundadas. 

Grato pela atenção 
Adilson Cordeiro 
Presidente do CRCSC 



RESPONSABILIDADES DIVIDIDAS   


A Contabilidade brasileira vem avançando a cada ano e, desde 2008 assumiu o compromisso de fazer a convergência às Normas Internacionais, o que revela empenho da categoria em estar cada vez mais na vanguarda. 

Sobre o papel do contador, cabe-nos alertar que muitas das atividades atribuídas à classe dependem diretamente das informações repassadas pelo cliente, seja pessoa jurídica ou pessoa física. 

Ou seja, a responsabilidade do profissional contábil é dividida solidariamente com o cliente, empresário ou não.  

Os erros que possam existir, em sua grande maioria, ocorrem por falta de entrega da documentação ao profissional contábil ou envio correto dos arquivos do SPED Fiscal. Por exemplo, não é o profissional da Contabilidade que faz o arquivo do SPED Fiscal por exemplo, e sim, são capturados no próprio software da empresa. 

Quanto ao Micro Empreendedor Individual (MEI), alertamos que o limite mensal de receitas é de apenas R$ 5.000,00 por mês e que este pode ter apenas um empregado registrado. Um MEI com uma sala comercial alugada, com um empregado registrado, com seus custos de produção ou de comercialização, provavelmente não conseguirá ficar no patamar de faturamento estabelecido na Lei. Quanto à Contabilidade, a Lei o dispensa, mas, no caso de um MEI crescer e se transformar numa empresa, sem a Contabilidade, como ele dará origem a todo o seu estoque e imobilizado adquirido? A Contabilidade é a mais eficiente arma de defesa para todos os empresários, independente do seu porte. 

Estamos com mais de 30 mil empresas do Simples na malha fiscal do Estado, chamada de Operação Concorrência Leal II. A Contabilidade é o primeiro e único braço de apoio na defesa do empresário, por sua vez, observamos que em muitos casos foram detectadas notas emitidas e não enviadas à Contabilidade. 

A profissão contábil é regulamentada, tendo o profissional que estar registrado no Conselho Regional de Contabilidade. O cliente também deve pedir esse registro para ter certeza que o mesmo responderá por possíveis falhas cometidas. 

Em Santa Catarina temos uma fiscalização efetiva, em grande parte orientativa, mas há punições em alguns casos, sempre seguindo a legislação que regula a profissão.  

Quando o cliente detecta problemas ou mesmo suspeita da falta de zelo com seus dados, deve imediatamente fazer denúncia no CRCSC. As medidas cabíveis serão tomadas. 

A classe contábil catarinense é uma das mais organizadas e serve como referência para o país por ter um trabalho forte de qualificação em todas as regiões, integrando o CRCSC com sindicatos de escritórios e sindicatos de contadores.  

Temos um Programa de Educação Continuada que somente em 2014 realizou 532 cursos. Tudo isso colabora para uma prestação de serviços cada vez mais qualificada, profissional e competente. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…