Pular para o conteúdo principal

Juro de recursos do FCO está 1,5 ponto porcentual mais alto

Taxa subiu de 5,5% para 7% ao ano, mas dinheiro do fundo continua uma alternativa mais barata para as empresas obterem recursos destinados ao financiamento de projetos 



Pelo quarto ano consecutivo, o empresário goiano vai pagar mais caro para tomar dinheiro emprestado dos fundos subsidiados pelo governo. As principais taxas de financiamentos do Fundo Constitucional de Financiamento de Centro-Oeste (FCO) e Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO) sofreram acréscimo médio de 1,5 ponto porcentual, voltando ao patamar de 2011. Apesar do forte incremento, especialistas acreditam que este não será um inibidor isolado para a contratação do crédito.

Com financiamento para quitação em até 12 anos, carência de 24 meses e juros mais baixos que os cobrados no mercado, os fundos constitucionais ainda são considerados uma das melhores alternativas para captação de recursos para investimentos.



BÔNUS

A alíquota da linha de crédito para investimentos de empresa de pequeno e médio porte, em caso de bônus, ou seja, pagamento em dia, saiu de 5,5% para 7% ao ano. Para aquisição de insumos e matéria-prima a taxa saltou de 9% para 11% ao ano (veja quadro).

Apesar do baque, conforme especialistas, a tendência é de que a medida não deva inibir os planos de negócios de médio e longo prazo. Inclusive, sem informar o volume, o secretário executivo do Conselho de Desenvolvimento do Estado do FCO, Orcino Gonçalves Júnior, afirma que nos últimos anos a oferta de recursos vem avançando menos que a procura.

Segundo ele, a demanda reprimida é ocasionada, sobretudo, pelas baixas taxas de juros vigoradas nos últimos anos, entre 2,5% (final de 2012) e 3,5% (2013). “Por isso, acreditamos que uma possível elevação da taxa pouco deve afetar a demanda”, diz. Embora o cronograma do fundo seja liberado, oficialmente, em meados de fevereiro, Orcino estima que o Estado deva receber valores próximos aos do ano passado, em torno de R$ 1,7 bilhão.

Na avaliação do consultor especializado em captação de recursos financeiros, Leandro Reis Bernardes, o incremento não deve inibir o investidor, mas é uma sinalização de que o empresário deve ser mais técnico. “As chances de erro diminuíram. Ele precisa reinventar, identificar novas oportunidades e se preparar para o novo ciclo de desenvolvimento econômico”, diz.

Para ele, analisar as condições de um financiamento deve estar associado a uma identificação mais ampla do negócio. “Não acho que vai impactar o empresário que tiver investimentos sérios planejados”, diz Leandro, que é proprietário da Prátika Empresarial.

O coordenador do curso de MBA de contabilidade e direito tributário do Instituto de Pós-Graduação (Ipog), Edgar Madruga, ressalta que a elevação da alíquota em 1,5 ponto percentual é substancial, não pode ser desprezada e pode inviabilizar alguns negócios, sobretudo, no setor de infraestrutura. Mas, em se tratando de indústria, de forma geral, o plano de negócio incorpora esse incremento.

“Não acho esse seja um problema mais grave. Regionalmente, a qualidade e distribuição de energia é um fator mais complicado”, afirma. Ele afirma que, ainda assim, o FCO é a linha de crédito mais atrativa do setor. “As taxas de juros no País são tão surreais que mesmo com essa elevação, continua atrativa”, diz.



ESTRATÉGIA

Para Leandro Reis essa mudança na taxa de juros faz parte de estratégia econômica da nova equipe liderado pelo ministro da fazenda, Joaquim Levy. A medida contribui para reduzir os gastos do tesouro nacional a fim de atingir a meta de superávit primário. “Essa medida é importante para o atual cenário econômico”, diz.

Isso, complementa, se o ajuste fiscal for coerente e levado a sério. Caso contrário, a modificação da taxa de juros de financiamento a longo prazo pode desestimular investimentos e reduzir a capacidade produtiva. “Se for levada a sério, o arrocho de agora pode refletir em uma redução dos juros de forma sustentável e consciente daqui a um ano”, defende.

Na prática, com a nova taxa de juros (7%), o empresário que contratar R$ 200 mil, considerando carência de 2 anos e prazo de pagamento de 12 anos, no total, vai pagar R$ 295.555,06. Já a taxa em vigor até 2014 (5,5%), o valor total final seria de R$ 275.571,71, uma diferença de R$ 19.983,35. Diluindo em 12 anos, a diferença mensal seria de R$ 166,22.

DEMAIS LINHAS

Os encargos financeiros das operações rurais realizadas com FCO Rural não sofrem alteração até, pelo menos, dia 30 de junho de 2015. Com isso, as linhas de investimentos, com ou sem custeio associado para produtores de pequeno-médio porte, permanece a 4,5% ao ano, por exemplo (considerando pagamento em dia).

Já o Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO), cujas operações são acima de R$ 30 milhões, sofreu alteração de 6,5% a 7,5% para 7,5% a 9%.

1.755894

Karina Ribeiro 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

eSocial: 53 Dúvidas Respondidas por Zenaide Carvalho

Zenaide Cavarlho é uma das pessoas que admiro, contadora, administradora, especialista em Auditoria e Controladoria, pós-graduanda em Direito do Trabalho e em Pedagogia Empresarial. Professora de pós-graduação em Análise Tributária, ministro treinamentos na área trabalhista e previdenciária para empresas privadas e órgãos públicos em todo o país. Mantém um o site http://www.zenaidecarvalho.com.br. Ela responde uma série de dúvidas  que chegaram a ela por email no Seminário pela UNIFENACON.
eSocial – Dúvidas Respondidas (parte 4) 1) Existe alguma Instrução Normativa que fale sobre a obrigatoriedade e o prazo das empresas em fazerem o SPED – Folha e DCT-PREV? Zenaide:  Não. O que saiu até hoje (23/10/2013) foi o Ato Sufis 05/2013 em julho, disponível no site WWW.esocial.gov.br. Lá diz que a agenda será disponibilizada em ato específico (que ainda não foi publicado). 2) Tem alguma previsão sobre qual o cronograma de ingresso para as empresas sem fins lucrativos? Zenaide:  tem uma agenda e…