Pular para o conteúdo principal

Pontos Críticos do projeto da NFS-e Porto Alegre

Após anos de atrasos injustificáveis, a capital gaúcha adotou definitivamente a Nota Fiscal de Serviços eletrônica (NFS-e) como parte do projeto denominado Nota Legal. Isso ocorre por meio da Instrução Normativa 09/2014, que normatiza a Lei Complementar Municipal 687/12 e o Decreto municipal 18.334/13.

A IN 09/2014 determina que, a partir de 6 de abril de 2015, estarão obrigados a emitir NFS-e os prestadores de serviços com receita igual ou superior a R$ 240.000,00 apurada no exercício anterior ao da prestação de serviço, neste caso 2014. Excluem-se dessa regra as empresas que trabalhem no regime de recolhimento de ISSQN por estimativa, instituições financeiras e concessionárias de serviços públicos.

Sempre buscando contribuir para o desenvolvimento dos projetos relacionados ao SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) nas empresas, a equipe de especialistas da Decision IT apresenta alguns pontos críticos que devem ser observados no projeto “Nota Legal Porto Alegre” a fim de concluí-lo com sucesso:

1. INFRAESTRUTURA COMO MISSÃO CRÍTICA: Em caso de inoperância constatada na infraestrutura do contribuinte, ele não estará autorizado a emitir Notas Fiscais de Serviços em papel, ou seja, não poderá realizar operações, tendo que obrigatoriamente aguardar o reestabelecimento da sua infraestrutura para voltar a operar. Isso reforça a importância crítica do planejamento das questões de infraestrutura neste projeto. Contingências e Alta Disponibilidade serão determinantes para a infraestrutura que suportará a emissão da NFS-e de Porto Alegre.

2. CONTROLES INTERNOS PARA EMISSÃO EM CONTINGÊNCIA: A prefeitura autoriza a emissão de Nota Fiscal de Serviços em papel apenas quando seus servidores estiverem inacessíveis ou inoperantes. Contudo, não há uma forma oficial de verificar se os servidores da prefeitura estão operando. Deste modo, o contribuinte ficará incerto sobre a origem da inoperância: sua infraestrutura interna ou a infraestrutura da prefeitura? Isto gera incerteza sobre a decisão de emitir a NFS em papel. A empresa deve possuir controles internos sobre seus sistemas para administrar essa situação.

3. RECIBO PROVISÓRIO DE SERVIÇOS: Outra observação muito importante é que, em Porto Alegre, não estará autorizada a emissão de Recibo Provisório de Serviços (RPS). O RPS trata-se de um recibo de prestação de serviços previamente autorizado pela prefeitura e emitido em papel durante situações de contingência. Posteriormente, o documento é vinculado à emissão da NFS-e referente à prestação do serviço.

4. GERAÇÃO DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA: O WebService da prefeitura não gera o Documento Auxiliar da Nota Fiscal de Serviço Eletrônica, o “DANFS-e”, também conhecido como espelho da nota fiscal de serviços eletrônica. Para a obtenção deste documento, o contribuinte deverá acessar o portal da prefeitura e, manualmente, gerar o documento. Por outro lado, a prefeitura autoriza a geração própria do DANFS-e diretamente na solução de NFS-e do contribuinte. Mas fique atento! A prefeitura não definiu um layout padrão para a geração do espelho, somente determinou os campos obrigatórios que deverão estar constantes no documento.

5. NOTIFICAÇÃO DA EMISSÃO AO TOMADOR DE SERVIÇOS: A solução de NFS-e implantada pela prefeitura não notifica o tomador de serviços sobre a emissão da NFS-e. Por conseguinte, a prefeitura também não enviará o Documento Auxiliar da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (DANFS-e). Em função disso, estas necessidades deverão ser atendidas pela solução de NFS-e do emissor. Lembre-se sempre que a prefeitura não tem a obrigação de manter o documento disponível pelo período obrigatório de cinco anos. Esta responsabilidade deve estar comtemplada no seu projeto de implementação da solução emissora da NFS-e.

As empresas terão pouco mais de 3 meses pela frente para mapear e adequar seus processos e sistemas às exigências do projeto que está sendo chamado, pela prefeitura, de Nota Legal. Além de ignorar ou desconhecer os pontos aqui levantados, outro erro capital será condicionar o cronograma do projeto a uma possível postergação da data limite para o início da emissão da NFS-e.

Assim, atente para os pontos críticos do projeto, defina a solução adequada para a emissão da NFS-e, trate o planejamento da infraestrutura como prioridade dentro de um cenário de missão crítica e garanta a sucesso do seu projeto Nota Legal Porto Alegre.

Por Rafael de Andrades, gerente do projeto NFS-e para a Decision IT

Fonte: Decision IT via Mauro Negruni.

_________________________________________________________________________________

Os conteúdos desenvolvidos pela equipe da Decision IT têm como objetivo o compartilhamento de soluções de problemas que sejam comuns no dia a dia de quem trabalha com SPED. Em conformidade com a Lei 9.610/1998 (Lei dos Direitos Autorais), a reprodução deste artigo é autorizada e até mesmo incentivada, desde que referenciados autor e fonte (com hiperlink).
_________________________________________________________________________________

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…