Pular para o conteúdo principal

O eSocial será uma realidade natural para as empresas

Coordenador do eSocial analisa ferramenta que pretende facilitar o envio de informações trabalhistas no país

José Alberto Maia é graduado em Ciência da Computação e em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Trabalhou na iniciativa privada de 1983 a 1994. Passou a ser auditor-fiscal no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em 1995. Desde 2010 coordena o Grupo Especial de Trabalho do MTE para o desenvolvimento do Projeto eSocial. 

Em entrevista à Revista Fenacon, falou sobre a importância da implementação da ferramenta, diante da realidade encontrada quando se trata do envio de informações trabalhistas. “Tenho dito que o eSocial será um divisor de águas na vida das empresas, do Estado e dos trabalhadores brasileiros”, afirmou. 

O eSocial promete revolucionar a maneira como o envio de informações trabalhistas é feito no Brasil. Como a ferramenta mudará a rotina das entidades nacionais?


Hoje o envio das informações trabalhistas ao Fisco é feito de maneira complicada, onerosa e ineficiente. Há multiplicidade no envio das informações, que várias vezes é feito muito tempo após a ocorrência do fato que está sendo registrado. Há pesquisas que apontam o Brasil como um dos países onde é mais difícil cumprir as obrigações acessórias, que basicamente consistem na prestação das informações necessárias para que se assegure o cumprimento das obrigações principais. Além de complicado, o modelo atual se mostra ineficiente do ponto de vista de assegurar os direitos dos trabalhadores, os quais muitas vezes têm de recorrer a processos administrativos ou judiciais para ter acesso a benefícios a que fazem jus. A partir da implementação do eSocial, o envio dessas informações será feito de forma padronizada, por um canal único, sem duplicidade e à medida que os fatos vão acontecendo. A recepção dessas informações será feita de forma criteriosa, sendo evitados erros desnecessários, e sua guarda ficará a cargo do Estado, em um ambiente seguro e acessível aos empregadores a qualquer momento. Espera-se com isso a elevação da qualidade das informações captadas pelo Fisco, assim como a diminuição dos custos das empresas com a guarda dessas informações, que hoje deve ser por um período de pelo menos 30 anos. O eSocial implicará uma mudança substancial não apenas nas rotinas das empresas, mas também em sua cultura. Passará a ser fundamental trabalhar da maneira correta, de acordo com a legislação vigente.


Como o senhor avalia o trabalho do Grupo de Trabalho Confederativo (GTC) do eSocial desde sua criação?

O projeto eSocial está sendo desenvolvido por cinco entes: MTE, MPS, RFB, INSS e Caixa, mas também colaboram com seu desenvolvimento representantes de diversas empresas-piloto. Essas empresas têm papel muito importante no desenvolvimento do projeto, por trazerem as sugestões e críticas daqueles que, na prática, irão prestar as informações por meio do eSocial. O GT-Confederativo tem feito um trabalho extremamente importante para o desenvolvimento do projeto, assim como para a definição de seu cronograma de implantação. A iniciativa de criação deste GT no âmbito do eSocial fez que a RFB anunciasse que gostaria também de criar um GT-Confederativo no âmbitos dos demais sistemas do Sped.

Um dos temas mais debatidos nas reuniões do GTC é o cronograma de aplicação da plataforma. O que ainda falta ser feito para que o eSocial entre em vigor? E quando o usuário poderá contar com o pleno funcionamento da ferramenta?


O eSocial está em sua fase final de especificação, a qual culminará com a publicação do leiaute e dos respectivos manuais do sistema. A partir dessa publicação, será possível ao prestador de serviços de TI escolhido para desenvolver o eSocial, o Serpro, começar a produção dos aplicativos correspondentes, assim como às empresas começarem a adaptação de seus sistemas de informática para ficarem compatíveis com o eSocial. Imaginamos que essa publicação ocorrerá ainda em 2014 e que o primeiro semestre de 2015 será para o desenvolvimento dos sistemas. A partir do segundo semestre deste mesmo ano, esperamos já estar com o sistema disponível para testes pelas empresas. A data para início da obrigatoriedade do uso do eSocial pelas empresas ainda está sendo definida, mas só deverá ocorrer no decorrer de 2016.

Quais são os principais desafios enfrentados na elaboração do eSocial? Como eles podem ser solucionados?

O principal desafio enfrentado na elaboração do projeto foi, sem dúvida, o estabelecimento da confiança entre os entes patrocinadores. A premissa de construção coletiva de um projeto desta envergadura por entes com culturas institucionais tão distintas foi uma grande dificuldade. Acreditamos que este problema foi resolvido e hoje o projeto conta com alto nível de patrocínio por parte das instâncias estratégicas de todos esses entes. 

Como toda plataforma digital, a TI tem papel principal no bom funcionamento do eSocial. Quais foram os passos do desenvolvimento tecnológico dados até o momento, para que o sistema não apresente problemas?

De fato, a TI é um componente fundamental para o sucesso do projeto. Acreditamos, porém, que muitos problemas inerentes à implantação de um projeto desta dimensão serão evitados face à sua similaridade com outro projeto, já maduro, também desenvolvido também pelo Serpro: o da Nota Fiscal Eletrônica. Esse sistema, que tem dimensão equivalente e arquitetura semelhante ao eSocial, já funciona hoje de forma segura e estabilizada.


Como o senhor imagina que estará o eSocial daqui a alguns anos?


Acredito que durante a fase de implantação teremos ainda problemas, inerentes a um projeto desta envergadura. Mas, daqui a alguns anos, o eSocial será uma realidade e algo bastante natural para as empresas. Será o meio padrão de comunicação entre os empregadores e o Fisco e possibilitará melhoria substancial na prestação de serviço pelo Estado ao trabalhador brasileiro. Tenho dito que o eSocial será um divisor de águas na vida das empresas, do Estado e dos trabalhadores brasileiros.

Fonte: Fenacon.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…