Pular para o conteúdo principal

SPED 2015: um ano previsível

Diferentemente de anos anteriores, em termos de cenário no Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, os projetos estão colocados ao público alvo em sua maioria. No blog www.mauronegruni.com.br, não são poucas as publicações neste sentido: planejamento, a maior ferramenta para atender ao SPED. Há inúmeros artigos colocando a necessidade de planejamento para atender ao sofisticado sistema estatal.

Teremos impactos sobre decisões realizadas no ano-calendário 2014 quanto a entrega ou não do FCONT, as adaptações à ECD 2.0 que muitas organizações deixaram para depois (e o depois chegou), nela há demonstrações que devem compor a peça contábil registrada de forma digital pelas Juntas Comerciais, bem como, o atendimento básico das partidas dobradas – por fato contábil. A apresentação da ECF, compulsória para todas as organizações que devem ou deveriam apresentar a EFD Contribuições.

Na EFD Fiscal (ICMS/IPI), como base da escrita mercantil deverá ter o livro de Registro Controle da Produção e Estoque, também chamado de bloco K, ou ainda RCPE (Livro P3 na era pré-SPED). O livro de controle da produção e estoque será arma “letal” para as organizações que não mantinham controle da produção e custos. Pode parecer algo inacreditável, mas algumas organizações, estão tendo problemas ao planejar o atendimento ao Bloco K por conta da falta de controle em sistema (ERP) sobre custos e materiais consumidos e produzidos. Algo que nem mesmo as Receitas Estaduais e Federal imaginavam, afinal, como produzem seus resultados operacionais representados nos controles gerenciais e contábeis. Aliás, o bloco H (Livro de Inventário) também ganhou nova informação e para as empresas que tiveram fatos “especiais”, como fusão, cisão, incorporação, etc que realizaram o levantamento de balanço experimentaram a nova rotina.

No âmbito da EFD Contribuições o cenário é provável de tranquilidade, afinal, é provavelmente a que mais estável se apresenta. Salvo alterações no que refere-se a alteração legal das Contribuições Sociais, talvez unificando-as, o cenário de alteração em 2015 é quase nulo. Um risco pequeníssimo, mas possível, é a apresentação, das retenções realizadas contra terceiros serem apresentadas no próprio livro destas Contribuições Sociais, semelhante ao atual bloco F600 (retenções sofridas). Caso contrário, seria a instituição de um novo livro ou aplicação do modelo de eventos (como previsto no eSocial).

A nota fiscal consumidor – NFCe modelo 65 – terá sua massificação, segundo minhas previsões para 2015, isto porque o projeto está pronto, algumas SEFAZs já o instituíram como obrigatório (veja o caso de Amazonas), e o retorno sobre o investimento será buscado. Neste âmbito enquadra-se também, é a implantação da versão 3.10 da NFe modelo 55. Com a intenção de controle de créditos fiscais, talvez no biênio 2015/16, haverá massificação também da manifestação dos destinatários.

Por fim, o projeto mais intrigante do momento 2014 que será implantado em 2015, 2016 e 2017, provavelmente. Este será um novo paradigma para o ambiente de controle das organizações. A sua implementação será de forma gradual. Porém, não pense num longo calendário, pois os controles atuais deverão migrar para o novo cenário quanto antes. É visível a necessidade de aplicação de maior controle por parte dos órgãos governamentais, sejam eles no âmbito tributário, sejam nas relações de trabalho. Algumas se justificam, pois as noticias de empresas que se envolvem – algumas sem perceber – com trabalho escravo, endividamento de tributos, contratação de serviços prestados de forma irregular (empresas constituídas apenas no sentido de fraudar a incidência tributária), serviços que são cumpridos de forma distinta da estabelecida em contratos, etc mostram que há amplo caminho a ser perseguido na repressão à irregularidades que fragilizam as relações de trabalho. Especialmente naquelas situações onde o empregado sequer possui condições para discernir sobre a oferta sobre “Pjtalização”ou “CLTzação” o controle do estado é bem vindo.

O projeto eSocial esteve na vitrine em 2013, e, em 2014 foi quase deixado de lado. As organizações que investiram esforços neste projeto podem pensar que foi em vão. Por outro lado, estas organizações, têm a seu lado maior tempo para absorção de conceitos implementados pelo projeto. Na maior parte das organizações será tarefa muito dura a absorção destes conceitos. E não será tarefa rápida.

É importante destacar que várias organizações ainda não têm atendidas obrigações como FCI, SISCOSERV, destaque de tributos em documentos fiscais, etc. Na melhor das hipóteses atendem de forma manual, gerando maior risco e aumentando custos operacionais.

Afirmo sob todos os riscos (de errar e acertar) que 2015 (e 2016) serão anos para investir nos controles propostos pelo SPED. Para redução de custos e aplicação de maior controle. Sim, isto é possível e viável. Com ferramentas adequadas e atualizadas, com profissionais treinados e principalmente com visão de risco e investimento em prevenção será possível ter um biênio (2015-2016) com “aperto” no orçamento e entregas com maior qualidade. É hora de pensar “fora da caixa”, correr riscos de acertar (e de errar) e não seguir o caminho de muitos, só porque é mais fácil decidir.

O líder é aquele que pensa e age de forma ímpar. E, com suas ações propõe inovação e melhorias. Para fazer o trivial, tomando as mesmas decisões de outros, não é necessário executivo, mas executores.

Por Mauro Negruni, Diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT

Fonte: Decision IT via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…