Pular para o conteúdo principal

SPED 2015: um ano previsível

Diferentemente de anos anteriores, em termos de cenário no Sistema Público de Escrituração Digital – SPED, os projetos estão colocados ao público alvo em sua maioria. No blog www.mauronegruni.com.br, não são poucas as publicações neste sentido: planejamento, a maior ferramenta para atender ao SPED. Há inúmeros artigos colocando a necessidade de planejamento para atender ao sofisticado sistema estatal.

Teremos impactos sobre decisões realizadas no ano-calendário 2014 quanto a entrega ou não do FCONT, as adaptações à ECD 2.0 que muitas organizações deixaram para depois (e o depois chegou), nela há demonstrações que devem compor a peça contábil registrada de forma digital pelas Juntas Comerciais, bem como, o atendimento básico das partidas dobradas – por fato contábil. A apresentação da ECF, compulsória para todas as organizações que devem ou deveriam apresentar a EFD Contribuições.

Na EFD Fiscal (ICMS/IPI), como base da escrita mercantil deverá ter o livro de Registro Controle da Produção e Estoque, também chamado de bloco K, ou ainda RCPE (Livro P3 na era pré-SPED). O livro de controle da produção e estoque será arma “letal” para as organizações que não mantinham controle da produção e custos. Pode parecer algo inacreditável, mas algumas organizações, estão tendo problemas ao planejar o atendimento ao Bloco K por conta da falta de controle em sistema (ERP) sobre custos e materiais consumidos e produzidos. Algo que nem mesmo as Receitas Estaduais e Federal imaginavam, afinal, como produzem seus resultados operacionais representados nos controles gerenciais e contábeis. Aliás, o bloco H (Livro de Inventário) também ganhou nova informação e para as empresas que tiveram fatos “especiais”, como fusão, cisão, incorporação, etc que realizaram o levantamento de balanço experimentaram a nova rotina.

No âmbito da EFD Contribuições o cenário é provável de tranquilidade, afinal, é provavelmente a que mais estável se apresenta. Salvo alterações no que refere-se a alteração legal das Contribuições Sociais, talvez unificando-as, o cenário de alteração em 2015 é quase nulo. Um risco pequeníssimo, mas possível, é a apresentação, das retenções realizadas contra terceiros serem apresentadas no próprio livro destas Contribuições Sociais, semelhante ao atual bloco F600 (retenções sofridas). Caso contrário, seria a instituição de um novo livro ou aplicação do modelo de eventos (como previsto no eSocial).

A nota fiscal consumidor – NFCe modelo 65 – terá sua massificação, segundo minhas previsões para 2015, isto porque o projeto está pronto, algumas SEFAZs já o instituíram como obrigatório (veja o caso de Amazonas), e o retorno sobre o investimento será buscado. Neste âmbito enquadra-se também, é a implantação da versão 3.10 da NFe modelo 55. Com a intenção de controle de créditos fiscais, talvez no biênio 2015/16, haverá massificação também da manifestação dos destinatários.

Por fim, o projeto mais intrigante do momento 2014 que será implantado em 2015, 2016 e 2017, provavelmente. Este será um novo paradigma para o ambiente de controle das organizações. A sua implementação será de forma gradual. Porém, não pense num longo calendário, pois os controles atuais deverão migrar para o novo cenário quanto antes. É visível a necessidade de aplicação de maior controle por parte dos órgãos governamentais, sejam eles no âmbito tributário, sejam nas relações de trabalho. Algumas se justificam, pois as noticias de empresas que se envolvem – algumas sem perceber – com trabalho escravo, endividamento de tributos, contratação de serviços prestados de forma irregular (empresas constituídas apenas no sentido de fraudar a incidência tributária), serviços que são cumpridos de forma distinta da estabelecida em contratos, etc mostram que há amplo caminho a ser perseguido na repressão à irregularidades que fragilizam as relações de trabalho. Especialmente naquelas situações onde o empregado sequer possui condições para discernir sobre a oferta sobre “Pjtalização”ou “CLTzação” o controle do estado é bem vindo.

O projeto eSocial esteve na vitrine em 2013, e, em 2014 foi quase deixado de lado. As organizações que investiram esforços neste projeto podem pensar que foi em vão. Por outro lado, estas organizações, têm a seu lado maior tempo para absorção de conceitos implementados pelo projeto. Na maior parte das organizações será tarefa muito dura a absorção destes conceitos. E não será tarefa rápida.

É importante destacar que várias organizações ainda não têm atendidas obrigações como FCI, SISCOSERV, destaque de tributos em documentos fiscais, etc. Na melhor das hipóteses atendem de forma manual, gerando maior risco e aumentando custos operacionais.

Afirmo sob todos os riscos (de errar e acertar) que 2015 (e 2016) serão anos para investir nos controles propostos pelo SPED. Para redução de custos e aplicação de maior controle. Sim, isto é possível e viável. Com ferramentas adequadas e atualizadas, com profissionais treinados e principalmente com visão de risco e investimento em prevenção será possível ter um biênio (2015-2016) com “aperto” no orçamento e entregas com maior qualidade. É hora de pensar “fora da caixa”, correr riscos de acertar (e de errar) e não seguir o caminho de muitos, só porque é mais fácil decidir.

O líder é aquele que pensa e age de forma ímpar. E, com suas ações propõe inovação e melhorias. Para fazer o trivial, tomando as mesmas decisões de outros, não é necessário executivo, mas executores.

Por Mauro Negruni, Diretor de Conhecimento e Tecnologia da Decision IT

Fonte: Decision IT via Mauro Negruni

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…