Pular para o conteúdo principal

Sem raposas no galinheiro

Ministros do TCU e conselheiros dos TCEs e TCMs são magistrados de contas. Assim como juízes, devem comprovar inexistência de fatos que comprometam sua idoneidade moral

Em 2014, boa parte dos governadores encerrará seus mandatos com gastos superiores ao limite estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Um legado perigoso e desagradável para quem assumir os cargos em janeiro próximo. O desajuste das contas, potencializado no fim dos mandatos, teve como destaques o aumento das despesas com pessoal e o efeito das desonerações do governo federal nas contas estaduais e municipais.

Em alguns casos, como no Piauí, o papel fiscalizador do tribunal reverteu o caos administrativo. Melhor para o governador que assume em 2015, bom para a sociedade e ótimo para a imagem do tribunal, que cumpriu sua função de guardião da responsabilidade fiscal.

No entanto, ao longo de 2014, movimentações políticas contrárias ao sucesso de práticas com a transparência exigida aos conselheiros dos tribunais se repetiram. Nem sempre foram vitoriosas. Um bom exemplo: o senador Gim Argello renunciou à indicação para o Tribunal de Contas da União (TCU) após protestos liderados pela Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil (ANTC), com apoio da Associação Nacional do Ministério Público de Contas (Ampcon) e da sociedade civil.

Seis processos contra o senador no Supremo Tribunal Federal (STF) justificaram o movimento “#GimNão” nas redes sociais. Fortalecida, a ANTC avançou em outras ações que assim se traduzem: quem julga contas não pode ser suspeito.

Na esfera estadual, a ANTC fez coro com outras entidades no sentido de que autoridades de Santa Catarina, Mato Grosso e Piauí, responsáveis pela indicação e pela nomeação dos conselheiros dos Tribunais de Contas, observassem e respeitassem todas as exigências constitucionais para a escolha de novos membros.

É sabido que ministros do TCU e conselheiros dos tribunais estaduais e municipais são magistrados de contas. Assim como juízes, devem comprovar a inexistência de fatos que comprometam sua idoneidade moral e sua reputação ilibada como candidatos ao cargo vitalício, que só se perde por decisão judicial.

Já em novembro, em concorrido evento na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PI), a ANTC defendeu o projeto de decreto legislativo nº 1.580, do deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG), que propõe mudanças dos critérios para indicação e escolha de candidatos para seis vagas de ministros do Tribunal de Contas da União.

Redigido pela ANTC, o projeto já movimenta auditores de controle externo em diversos estados, que buscam aprovar propostas semelhantes nas Assembleias Legislativas. E, entre outros pontos fundamentais, destaca a sabatina para aperfeiçoar o processo de indicação ao cargo vitalício de ministro do TCU.

O ano de 2014 chega ao fim e fomos vitoriosos em vários movimentos. Esse resultado nos dá energia para continuar na luta para que os tribunais de contas cumpram, como exige a Constituição, seu papel de fiscalizador independentemente dos atos da administração pública.

Garantir o equilíbrio na composição dos tribunais e nas regras nacionais de sua organização são os principais itens da agenda positiva da ANTC para 2015. Se os governos começam o próximo ano com gastos superiores ao limite fixado em lei, temos muito a lamentar.

Seria diferente se a composição dos tribunais assegurasse a participação equilibrada e proporcional dos agentes de Estado que atuam no processo de contas — tais como ministros e conselheiros substitutos, procuradores de contas, auditores de controle externo e advogados públicos. Não desejamos as repetidas indicações partidárias, que há décadas se espalham e comprometem a atuação transparente e democrática que pretendemos conduzir.

Lucieni Pereira é presidente da Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil


Fonte: O GLOBO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

Contabilidade Digital

Iniciamos 2017 com algumas mudanças no Lucro Real como a obrigatoriedade de apresentação de assinatura de 02 contadores na retificação (correção) de registros contábeis de anos anteriores já enviados á Receita Federal pela ECD – Escrituração contábil Digital, que nada mais é que a própria contabilidade digital (Balanço, DRE, Balancete). E ainda caso a contabilidade seja considerada imprestável pelo Fisco será tributada pelo Lucro Arbitrado onerando um adicional de 20% no cálculo do IRPJ, sendo contabilidade imprestável aquela cujos registros contábeis não retratam a realidade financeira e patrimonial da empresa.
Diante deste cenário, vimos orientá-los de obrigações legais que as empresas devem estar atentas de forma a diminuir o risco tributário e não sofrer com penalidades do Fisco. Estamos numa era digital, onde o Fisco investe em tecnologia da informação ao seu favor para aumentar a arrecadação, fiscalização e combate a sonegação, bem como falhas dos contribuintes nos controles da…

Tese de que contador não se beneficia com sonegação faz empresária ser condenada

Em casos de sonegação fiscal, quem se beneficia é o empresário, e não o contador que supostamente teria cometido um ato ilegal. Foi essa a linha seguida pelo Ministério Público em um caso que acabou com a condenação, determinada pela 25ª Vara Criminal de São Paulo, de uma sócia de distribuidora de cosméticos por sonegação de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
Segundo a denúncia, entre os meses de março e dezembro de 2003 a acusada inseriu números inexatos em documentos exigidos pela lei fiscal, causando um prejuízo ao fisco de aproximadamente R$ 1 milhão.
O juiz Carlos Alberto Corrêa de Almeida Oliveira afirmou que caberia à empresária manter em ordem livros fiscais e demais documentos que demonstrem a lisura das informações prestadas à autoridade fiscal e, diante disso, condenou-a à pena de três anos de reclusão – com início no regime aberto – e pagamento de 15 dias-multa, no valor mínimo unitário legal, substituindo a pena privativa de liberdade por duas r…