Pular para o conteúdo principal

Discriminação tributária

ao longo dos últimos anos, a “pejotização” avançou mais
firme, mais fundo e mais rápido do que em outros países.
O fenômeno da terceirização de serviços e, mais especificamente, da contratação de pessoas disfarçadas em empresas individuais – os conhecidos “PJs” – não é exclusivo do Brasil. Mas aqui, ao longo dos últimos anos, a “pejotização” avançou mais firme, mais fundo e mais rápido do que em outros países. Os dados desagregados mais recentes da Receita Federal, referentes às declarações de rendimentos de 2010, mostram um país de “empresários”. Proprietários de empresas e autônomos somavam 31% mais do que trabalhadores assalariados no setor privado.

Não é difícil entender a disseminação dos PJs. Do lado do trabalhador, embora seus contratos contemplem menos direitos trabalhistas do que os concedidos a assalariados com carteira assinada – não são regidos por convenções coletivas de trabalho, não têm direito ao Fundo de Garantia, em geral não recebem décimo terceiro salário e, muitas vezes, as férias são negociadas informalmente -, a incidência e as alíquotas de tributos são muito menores. Para os empregadores, apesar dos riscos de formação de passivos potenciais trabalhistas, a vasta coleção de encargos e custos, principalmente os previdenciários, fica bem reduzida.

Além de provocar distorções econômicas, o regime diferenciado dos PJs configura uma discriminação tributária contra os empregados celetistas do setor privado. Enquanto no conjunto dos empregados do setor privado, em 2010, o imposto devido representava 8,6% da renda tributável, no caso dos proprietários de firmas individuais a alíquota efetiva não passava de 5,5%.

Apenas elevar as alíquotas do Imposto de Renda incidente sobre os PJs contudo, pode ser uma emenda pior do que o soneto. Se a situação atual já contribui para tornar ainda mais vulnerável a posição da Previdência e de fundos como o FAT, punir simplesmente o regime tributário dos PJs, sem equalizações mais abrangentes com outros regimes, tem tudo para se transformar numa atração irresistível à informalidade.

por José Paulo Kupfer

Fonte: Estadão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisco notifica empresas do Simples para buscar quase R$ 1 bi em tributos atrasados

Serão cobradas omissões de 2014 e 2015
A Secretaria da Receita Federal informou que vai notificar nesta semana, por meio da página do Simples Nacional na internet, 2.189 empresas inscritas no programa para quitarem quase R$ 1 bilhão em tributos devidos. O alerta é fruto de uma ação integrada com fiscos estaduais e municipais.
Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Iágaro Martins, as empresas serão notificadas quando elas entrarem no site do Simples Nacional para gerar a guia de recolhimento do imposto devido, procedimento que elas têm de fazer todos os meses. Antes de conseguirem gerar a guia, serão informadas pelo órgão sobre as divergências.
As empresas do Simples notificadas terão até o fim de setembro para regularizarem sua situação. Se não o fizerem até lá, os fiscos federal, estaduais e municipais envolvidos na operação avaliarão o resultado do projeto e identificarão os casos indicados para "abertura de procedimentos fiscais" - nos quais são cobra…

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…