Pular para o conteúdo principal

Empresa que garantir destinação adequada de resíduos poderá ter incentivo fiscal


A Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) deve votar na terça-feira (7) o Projeto de Lei do Senado (PLS) 403/2014, que cria incentivos fiscais para empresas que encaminharem o lixo resultante de seus produtos para reciclagem ou descarte correto.

Esse sistema, chamado logística reversa, está previsto na Lei nº 12.305/2010, que trata de resíduos sólidos. O fabricante de uma televisão, por exemplo, é responsável, junto com o consumidor e a loja que vendeu o produto, pela reciclagem do material e pelo destinação final adequada do objeto quando sua vida útil acabar.

A votação ocorrerá poucos dias depois de o Plenário do Senado ter aprovado e enviado à Câmara dos Deputados o PLS 425/2014, do ex-senador Cícero Lucena, que amplia o prazo para os municípios acabarem com seus lixões.

Pelo PLS 403/2014, fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes poderão deduzir — até o limite de 4% do imposto de renda devido — gastos com sistemas de logística reversa. As atividades que poderão resultar em deduções incluem implantação de postos de entrega de resíduos sólidos, coleta e transporte até a reciclagem, reaproveitamento e destinação final adequada.

O projeto também amplia benefícios hoje concedidos a parte do segmento da logística reversa, como o direito das indústrias a crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de resíduos sólidos utilizados como matérias-primas em seus produtos. Vantagens fiscais como essa também deverão alcançar resíduos comprados de microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, enquanto hoje se restringem a produtos adquiridos diretamente de cooperativas de catadores de recicláveis.

Indenização

A pauta de votações da CMA (19 itens) inclui também o PLS 101/2015, de autoria do senador Reguffe (PDT-DF), que estabelece indenizações de 10% a 100% do valor da passagem aérea ao consumidor que enfrentar mais de quatro horas de atraso no voo. A proposta altera o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), que, atualmente, obriga a empresa aérea apenas a realocar o passageiro em outro voo ou devolver o valor da passagem.

É importante ressaltar que as únicas hipóteses previstas no PLS 101/2015 para livrar as companhias dessa indenização são atraso, cancelamento e interrupção de voo decorrente de problemas meteorológicos. E, ainda assim, se devidamente comprovados pelos órgãos competentes, segundo emenda de redação do relator, senador Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Telefonia

Outra proposta a ser votada pela CMA, na próxima semana, é o PLS 213/2014, do senador Eduardo Amorim (PSC-SE), que abre a possibilidade de aplicação de multas em valor proporcional ao número de reclamações contra prestadora de serviço de telecomunicação e as proíbe de comercializar novas linhas telefônicas.

A intenção de Amorim foi impor à agência reguladora a avaliação das empresas de telecomunicações “pela ótica dos usuários”. Conforme ressaltou ainda, os serviços prestados pelas teles no Brasil “estão entre os mais caros do mundo” e lideram o ranking de reclamações registradas pelo Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor.

Carros elétricos

A comissão deverá analisar ainda o PLS 174/2014, do senador licenciado Eduardo Braga (PMDB-AM), que isenta do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), por até dez anos, carros elétricos a bateria ou elétricos híbridos a etanol fabricados no Brasil e equipamentos para recarga das baterias de tração.

A proposta também suspende, pelo mesmo prazo, a cobrança do IPI incidente no desembaraço aduaneiro e do Imposto de Importação (II) sobre partes e acessórios importados, sem similar nacional, para fabricação dos veículos e recarga das baterias. Nesse caso, o benefício poderá acabar antes dos dez anos caso passem a ser produzidos similares nacionais.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É possível aproveitar créditos de PIS e COFINS na aquisição do MEI?

Dentre as diversas dúvidas que surgem na apuração do PIS e da COFINS está a possibilidade de aproveitamento de créditos em relação às aquisições de Microempreendedores Individuais - MEI, uma vez que estes contribuintes são beneficiados com isenção, ficando obrigados apenas ao recolhimento de valores fixos mensais correspondentes à contribuição previdenciária, ao ISS e ao ICMS.
Neste artigo, pretendo esclarecer está dúvida e aprofundar um pouco mais a análise sobre o perfil do Microempreendedor Individual.
Quem é o Microempreendedor Individual?
Por meio da Lei Complementar n° 123/2006, que instituiu o Simples Nacional, surgiu a figura do Microempreendedor Individual – MEI, uma espécie de subdivisão do regime unificado, com o objetivo de trazer à formalidade pequenos empreendedores, para os quais, mesmo o Simples seria de difícil cumprimento.
Somente poderá ser enquadrado como MEI, o empresário a que se refere o artigo 966 do Código Civil, ou seja, aqueles que não constituíram sociedade…

AS 5 PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTOQUE NEGATIVO OU SUPERFATURADO

O controle de estoque é um gargalo para as empresas que trabalham com mercadorias. Mesmo controlando o estoque com inventários periódicos as empresas correm o risco de serem autuadas pelos FISCOS, uma vez que nem sempre o estoque contabilizado pela empresa representa o seu real estoque. Partindo dessa análise pode-se dizer que as empresas possuem pelo menos três inventários que quase sempre não se equivalem. O primeiro é o inventário realizado pela contagem física de todos os produtos do estabelecimento. O segundo inventário é fornecido pelo sistema de gestão (ERP). Por fim, tem-se o INVENTÁRIO FISCAL que é o quantitativo que o FISCO espera que a empresa possua.

E COMO O FISCO CALCULA ESSE ESTOQUE?
O cálculo é feito pela fórmula matemática onde [ESTOQUE INICIAL] + [ENTRADAS] deve ser igual [SAÍDAS] + [ESTOQUE FINAL]. Ocorrendo divergências pode-se encontrar Omissão de Entrada ou Omissão de Saída (Receita). A previsão legal para tal auditoria encontra-se no Artigo 41, da Lei Federal nº…

O futuro dos escritórios de contabilidade

Ao buscar um profissional para integrar seus quadros, a Berti Contadores Associados recebeu três ex-proprietários de pequenos escritórios de contabilidade que desistiram de atuar por conta própria.
A situação reflete as dificuldades enfrentadas pelos pequenos empresários, diante da maior necessidade de conhecimento técnico e de gestão e investimentos em tecnologia, avalia o sócio da Berti e presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti.
O cenário atual leva muitas empresas a buscar associações, parcerias, ou mesmo novos modelos de negócios. “Há associações para aproveitar a expertise de cada empresa e juntas atravessar essa turbulência de mercado”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (Sescon-SP), Márcio Shimomoto.
As parcerias existem há algum tempo, as fusões estão acontecendo e as redes aumentam o número de filiados, confirma  o vice-presidente técnico do Conselho Federal de Contabil…